Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2016

Arsène Lupin banqueiro

"Há bancos que aumentam as comissões? O que não falta é outros bancos dispostos a ganhar mais clientes".

 

Falso. Se uns bancos aumentam as comissões os outros seguir-lhes-ão os exemplos a breve trecho. E para fingirem concorrência os aumentos não serão iguais, as comissões não terão os mesmos nomes e, sendo possível, podem até não cobrar por um "serviço" qualquer que o banco vizinho cobra, mas nessa hipótese fazem-se pagar por algo que o vizinho deixa de graça.

 

Como é que Paulo Ferreira não sabe isto e eu sei? Porque toda a vida profissional - longa vida - trabalhei com bancos e Ferreira, aposto, - não: tem uma conta, possivelmente de depósitos à ordem, e um empréstimo para compra de casa; conta que mudou de banco e que o velho era uma merda e o novo é excelente. So much como experiência.

 

Saberá Paulo Ferreira que uma PME pode pagar, se por exemplo um cliente incumprir e a conta ficar a descoberto, 25 ou 27% de taxa de juro? Ou que é possível recusar a emissão de um documento de distrate de hipoteca liquidada, sem porém o declarar por escrito, sob imposição de liquidação de um empréstimo terceiro, numa outra empresa, que nem sequer está em incumprimento? Nisto como no resto, os bancos podem contar com o reflexo condicionado acrítico da opinião desinformada: quem for de esquerda achará que o sector bancário não deve ser privado, ou que, se o for, deverá ser fortemente regulado; e quem for liberal dirá que a concorrência se encarregará de pôr no lugar o banco abusador, penalizar com falência a gestão imprudente, encontrar os melhores para a administração e remunerar os clientes de modo a que estes, face às alternativas de aforro ou investimento, confiem voluntariamente as suas poupanças.

 

Sucede porém que para os bancos estarem em concorrência seria preciso que emprestassem apenas o que os depositantes lhes confiam; que os clientes pudessem optar por colocar o seu dinheiro em casa ou emprestá-lo a quem entendessem nas condições que entendessem; e que, na relação entre o banco e o cliente (o verdadeiro cliente, o que pede empréstimos, não o fornecedor, que é o depositante) não houvesse, como de facto há, uma desproporção de meios que leva a que os contratos sejam por regra leoninos, as práticas abusivas, os comportamentos com frequência criminosos, a inimputabilidade a regra e a legislação cativa dos interesses do sector financeiro, incluindo agência de cobranças paga com o dinheiro dos contribuintes e, na prática, foro privado que dá cobertura legal aos atropelos, que é a maneira correcta de interpretar o papel do Banco de Portugal.

 

Um banco não é uma fábrica de pentes ou ferros de brunir; a procura do bem que o banco vende não tem a mesma elasticidade que a de qualquer outro, porque os representa a todos; e os bancos detêm o poder de conceder crédito a partir de fundos inexistentes, que é outra forma de dizer que cunham moeda a partir de correntes de ar cujo gerador está nos bancos centrais.

 

Nada disto evitou que os bancos tivessem falido, os que faliram realmente, os que foram salvos pelo contribuinte e os que cairão, com ou sem perda directa dos contribuintes, na mão de ladrões estrangeiros, dos quais inexplicavelmente se espera que sejam menos patifes que os nacionais.

 

Dizer, sem se ser nem bancário, nem professor de economia, nem ideólogo fanático de uma direita mal entendida, que "é assim que funciona a economia de mercado quando há múltiplas opções, liberdade de escolha dos consumidores e a concorrência funciona sem entorses" é, no mínimo, ingenuidade: não há múltiplas opções porque, na prática, não se é livre de receber o salário ou outros rendimentos em dinheiro, ou sequer a restituição do IRS sem conta bancária - por exemplo; não há liberdade de escolha porque não há qualquer estratégia de diferenciação dos bancos, para além da que a publicidade finge e de diferenças de pormenor; e o banco de sucesso depende muito mais dos empréstimos às grandes empresas e aos Estados, e da bolsa aberta do BCE, do que da conquista de clientes, na selecção dos quais aliás tem dado reiteradas provas de um grau de cegueira que só se explica, precisamente, por os mecanismos de mercado, incluindo a selecção de dirigentes, estarem completamente adulterados.

 

Pode o cliente que se depara com um aumento de 20% da anuidade do seu cartão de débito optar por dispensá-lo e trazer parte do seu dinheirinho no bolso, para pagar em espécie? Não, não pode: o Estado quer, e disso não cessa de dar provas, combater precisamente as transacções em dinheiro vivo; e optar por meter a mão ao bolso e de lá tirar as pelegas necessárias é crescentemente raro, e não apenas porque o cidadão comum e pelintra gosta de exibir um rol de cartões de débito e de crédito.

 

Se este governo que nos condena ao quarto resgate bloquear este assalto terá feito pelo menos uma coisa boa; e para os meus amigos, dos quais a maior parte estou certo papagueia estas opiniões, tenho uma mensagem: tenham juízo, e falem do que conhecem.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 22:21
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter