Quarta-feira, 2 de Abril de 2014

Assistência no Delírio aos Servidores da Esquerda

Este cavalheiro é o mesmo que se declara a favor da extinção da ADSE; que é um defensor intransigente do Serviço Nacional de Saúde; e que goza de grande prestígio, suponho que merecido, por ter conseguido dirigir uma instituição, o Hospital de S. João, que "recuperou o amor próprio".

 

Vem-nos agora dizer que o SNS  “está falido” e que tudo indica que “a despesa vá crescer” nos próximos anos, por causa da inovação terapêutica e da demografia.

 

Isto quando o Ministro da Saúde goza de um prestígio que não bafejou nenhum dos anteriores, devido às muitas iniciativas para melhorar o funcionamento da gigantesca máquina da saúde pública, racionalizando meios, efectuando cortes, perseguindo abusos, enquanto luta contra uma oposição comunista, treteira ou demagógica.

 

Falhará, o Ministro. Não se verá o falhanço porque quem o suporta dirá sempre, com razão, que se não tivessem sido tomadas medidas a situação seria pior; e os novos cortes na despesa impor-se-ão com a naturalidade do inevitável, mesmo que seja o PS a decidi-los, enquanto a tralha comunista continuará a esbracejar contra a má gestão do capitalismo, que não permite alocar do Orçamento do Estado fatias crescentes para a Saúde, a Educação, a Paz, a Habitação e o mais que diz a canção.

 

Outro ministro virá, menos trabalhador e capaz; e vícios velhos ressurgirão, e novos nascerão. Porque nunca um sistema público, onde ele possa ser privado, foi competitivo: falta-lhe a concorrência e as falências, o egoísta interesse individual e privado e a relação cliente/fornecedor.

 

A futuramente defunta ADSE assentava num princípio simples: o beneficiário escolhe o médico e o estabelecimento; o Estado suporta, para cada acto médico, até xis; e o beneficiário paga a diferença. Nunca ninguém apurou, que eu saiba, se o serviço seria realmente deficitário no caso de o Estado pagar sobre os salários dos seus trabalhadores o mesmo que o sector privado paga. Admitindo porém que ainda assim o fosse, poder-se-ia diminuir à comparticipação do Estado, até ao equilíbrio. E é claro que o doente não teria direito a assistência quase gratuita nos estabelecimentos públicos, que aliás pode e poderia sempre escolher.

 

Mas não: Santo Arnaut, que está no seu altar em Coimbra, inventou o sistema perfeito, um exemplo para o mundo boquiaberto; o sistema alinha com orgulho uma série de reais triunfos; e, não fosse preciso fazer contas, as vitórias poderiam continuar.

 

De corte em corte, chegar-se-á ao ponto em que o estabelecimento público será grátis apenas, e nem isso, para quem não pode pagar o serviço. Como sempre deveria ter sido.

 

Os entusiastas do SNS, da esquerda à direita, queixar-se-ão amargamente de que a economia não cresce - ai!, que se ela crescesse dávamos tudo, saúdinha da boa; e continuaremos a ter, no papel, uma saúde igual para todos, com o Cerbero constitucional de guarda ao texto sagrado.

 

É como as outras vitórias socialistas: até à derrota final.

publicado por José Meireles Graça às 16:03
link do post | comentar
2 comentários:
De Maria Joāo Marques a 2 de Abril de 2014 às 22:20
Quem te ler até fica com ideia de que, para ti, o amor próprio das instituiçōes nāo é importante...
De José Meireles Graça a 2 de Abril de 2014 às 22:54
Claro que é, Maria João. Mas apreciaria mais o amor próprio de estabelecimentos sem clientes cativos. Fui reler o texto, por causa do teu comentário, e, azar dos Távoras, esqueci-me de dizer que não sou beneficiário da ADSE, embora pareça.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter