Sábado, 27 de Agosto de 2016

Burkini? Passo.

Mas as mulheres que se vestem com o burkini querem vestir-se assim? É que, se querem, qualquer proibição do Estado é um abuso, não porque não haja limites para o que mulheres e homens podem ou não podem vestir no espaço público, mas sim porque o burkini poderia ser apenas uma moda de vestuário, como tal insindicável pelos poderes públicos.

 

O Estado não tem que regular a moda, apenas proteger algumas regras em matéria de vestuário sobre as quais há um tal consenso nas nossas sociedades que a sua quebra origina sanções: alguém aceitaria que os funcionários da Fazenda, ao menos no Verão, desempenhassem as suas funções trajados de cuecas (não obstante a forte, e positiva, carga simbólica que tais preparos teriam, dada a natureza do mister em que se ocupam)? E se, no hospital, as enfermeiras usassem como traje a mesma bata diáfana com que se embrulham os pacientes sujeitos a exames, e que ao menor descuido obriga a mostrar o rabo, acaso não se levantaria um clamor público reclamando que naquele estabelecimento as enfermeiras eram putas?

 

Não vestimos ou, mais exactamente, não nos despimos publicamente conforme poderia dar na veneta a alguns originais, dos quais há sempre uma quantidade razoável, e que não hesitariam decerto em passear-se em pelota; e a ofensa desse, e doutros, tabus, ocasiona repressão que a sociedade exige. E se exige, em nome de valores partilhados que ninguém contesta, então o Estado tem legitimidade para intervir quando esses valores sejam ofendidos.

 

O traje das mulheres, na praia e fora dela, tem evoluído à medida que elas se têm vindo a libertar da atmosfera do lar, da autoridade do pai, do marido, do irmão e genericamente deles, dos homens. Com a Grande Guerra as mulheres descobriram que eram perfeitamente capazes, para substituir os moços que foram para as trincheiras, de desempenhar tarefas no mundo do trabalho às quais até aí não tinham acesso, e isso contribuiu para o enterro do modelo de mulher vitoriana e para a revolução dos costumes e da moda nos Anos Loucos; com a II Guerra Mundial a força centrífuga da libertação da Mulher acentuou-se; e com a invenção da pílula nos anos sessenta o mulherio no Ocidente deu o grito do Ipiranga e acentuou a reclamação, ente outras coisas, da absoluta igualdade dos sexos perante a Lei, hoje a tal ponto pacífica que a geração mais bem preparada de sempre abriria a boca até às adenoides se soubesse, país a país, quando exactamente obtiveram o direito de voto ou quando, entre nós, puderam ser juízes ou desempenhar cargos de chefia.

 

O bikini (uma invenção que o monokini agravou e que prejudica, na minha opinião, o sex appeal da maior parte das mulheres, mas isso são outros quinhentos) é uma declaração pública, mesmo que inconsciente, de um facto simples: o nosso corpo é isto, e como dele somos proprietárias podemos oferecê-lo, ou não, a quem queiramos, sem licença de homem nenhum porque não temos menos direito a escolher do que eles - se não gostam ponham na beirinha do prato e se gostam contenham-se.

 

O bikini é isto e o burkini o seu contrário. E a prova, se fosse necessária, de que as coisas são assim, é que podemos estar certos de que as tolinhas ocidentais que agora desataram a comprar burkinis o fazem com inteira liberdade; enquanto as muçulmanas que declaram usar o burkini por terem direito a essa moda não se livram da suspeita, para não dizer certeza, de estarem apenas a prestar vassalagem aos seus parentes barbudos, como fizeram as suas mães e avós, porque as consequências de não o fazerem seriam terríveis.

 

Finalmente: É uma atitude inteligente o Estado, em vez de fechar as madraças onde se ensine o ódio ao Ocidente, e impedir a construção de mais mesquitas onde se prega o obscurantismo de uma religião à qual os muçulmanos moderados ainda não impuseram o aggiornamento, andar pelas praias a multar mulheres que tiveram a infelicidade de nascer em sociedades medievais?

 

Há quem diga, com boas razões, que não. Inclino-me a pensar que sim, não porque a verdadeira guerra esteja aí mas porque, para tratar doenças, nos devemos preocupar com as causas, mas sem desprezar o tratamento sintomático.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 23:49
link do post | comentar
1 comentário:
De deprimidaparasempre a 29 de Agosto de 2016 às 05:38
Ainda não consegui entender o que é um burkini,

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter