Quinta-feira, 20 de Outubro de 2016

Caixão Geral de Depósitos

Vai um escarcéu sobre os vencimentos da turma que vai descomandar a Caixa Geral de Depósitos. Compreende-se: aquele banco é nosso, não cessamos de meter lá dinheiro, e de cada vez que uma administração dá com os burros na água (todas dão, desde a crise de 2008) o governo do dia nomeia outra revoada de gente que lhe seja mais simpática, ou mais flexível por ficar grata pela nomeação. Esta vai custar, no mínimo, e só na parte da Comissão Executiva, 2.465 milhões de Euros por ano. Os inúteis não executivos, que se reunirão periodicamente para apreciar o café, comentar a actualidade, informar os restantes de como lhes corre a vidinha, e fingir que vigiam os executivos, custarão, cada um, 49 mil Euros - uma pechincha portanto, embora o seu número, ainda que desse para fazer uma equipa de futebol, corra o risco de sobrecarregar o serviço de catering.

 

Salvo por dois ou três casos, não faço ideia de quem sejam os novos milionários da parasitagem. O presidente apresenta-se com o cartão-de-visita de ter sido vice-presidente do BPI durante longos anos, uma contraindicação: o BPI foi salvo com empréstimos e garantias do Estado, já foi o grande banco que agora não é, e tem como única distinção ser presidido por um bancário de arribação que com frequência se alivia publicamente de opiniões surpreendentemente razoáveis, razoabilidade que todavia esteve sempre ausente da sua gestão. Do elenco faz parte Emídio Rui Vilar, uma rolha do regime especialista em consensos, banalidades e chulices várias e, se ainda não caiu fora, Leonor Beleza, que faria bem não se meter nestas alhadas que lhe deslustram o nome.

 

Sabemos o que vai suceder: ou o BCE cria condições para a banca recomeçar a ganhar dinheiro (o assalto aos depositantes e clientes cativos, com a conivência do Banco de Portugal, não chega) e à nova administração serão atribuídos os prémios previstos, que anularão os impostos que pagarão sobre estes salários, ou, daqui a uns anos, cá estaremos para novo aumento de capital. No intervalo, a natureza das coisas fará com que os balcões sejam cada vez menos, cada vez menos os funcionários, e cada vez mais impessoais os serviços. E isso acontecerá inelutavelmente, quer o saibam quer não estes gestores de aviário. Só não aconteceu ainda ao ritmo que sucederia naturalmente porque os mecanismos de selecção de empresas e de concorrência que regulam a actividade económica não estão presentes no sector bancário, nem a administração depende realmente dos clientes ou dos accionistas, nem a sua escolha se faz exclusivamente por critérios de mérito. Não é impossível que a actividade bancária venha a revestir formas inesperadas, nem que haja um regresso a formas caídas em desuso de relacionamento com as empresas, mas a inovação, a acontecer, não virá por um banco público, nem por gestores viciados na mesmice que conhecem.

 

Como deve então o cidadão que paga este forró, quer saiba quer não saiba que do que estamos aqui a falar não é de capitalismo mas da sua variedade crony, encarar este momentoso assunto?

 

Ponderei longamente. E com o intuito de indicar o caminho às massas anelantes, e de subtrair aos senhores deputados o trabalho de reflectirem, poupando-nos a nós o risco de tropeçarmos em mais um diploma redigido com os pés, elaborei uma proposta de lei que regula estas matérias de forma satisfatória.

 

Está aqui, mas levanto o véu: logo no artº 1º aparece a frase "... não podem perceber remuneração superior à atribuída aos Ministros de Estado".

publicado por José Meireles Graça às 12:17
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter