Quarta-feira, 30 de Agosto de 2017

Casa & Jardim

A casa em que vivo foi construída em fins dos anos quarenta em dois socalcos, dos três que constituem o terreno em que está implantada. O primeiro era, e segue sendo, jardim, feito à época; e no segundo e terceiro havia pomares, horta, galinheiro e, em determinada altura, coelheira e algumas colmeias. Em tempos mais recuados chegou a cevar-se um porco, quando ainda se guardavam nas caves talha de azeite, pipos de vinho e vinagre e caixa de sal, além do madureiro. Em plena negra noite do fascismo, portanto.

 

A dona da casa, neta e herdeira de quem a construiu, deixa-me lá viver desde 1975. E como não pagasse renda casou comigo em 1976, legalizando portanto a situação.

 

O jovem casal não descansou enquanto não deu cabo dos pomares, da horta e do resto. E no segundo socalco fez uma zona de lazer na qual instalou um equipamento para dar trabalho e despesa, vulgo uma piscina, no espaço onde estavam as tangerineiras, arrelvando o resto e plantando árvores, de sombra e porte.

 

Fez também um lago de jardim, que povoou com carpas e rãs, garantindo assim que no Verão o silêncio da noite fosse atordoado com uma chinfrineira infernal, hoje consideravelmente diminuída pelos cuidados de uma garça forasteira que lhe faz visitas periódicas ao raiar do dia, assegurando o equilíbrio ecológico e o silêncio.

 

No terceiro socalco fez um mini-bosque, que no conjunto com o resto representou várias dezenas de árvores, quase todas diferentes, a gosto.

 

Há uns 30 ou mais anos, na única clareira disponível no antigo jardim, perto da faia tricolor, plantou-se um liquidâmbar. Durante anos, a arvorezinha foi crescendo com bastante circunspecção, mas aqui há uns dez parecia que lhe tinham soprado, e desde que se instalou rega automática deu em lançar uns ramos vigorosos, verdíssimos (na Primavera) e extensos.

 

A faia quase septuagenária assistiu a estes desenvolvimentos com grande fleuma. Tanto que o liquidâmbar, pouco menos alto, para o lado dela quase não conseguiu lançar ramos nenhuns, sendo portanto uma árvore desequilibrada, embora de tronco perfeitamente erecto.

 

Sem vento, sem chuva e sem sinais de feridas aparentes, caíram uns quantos ramos, dois com peso considerável, dos quais um para o caminho público, o que nos afligiu grandemente - poderia ir a passar um vizinho, mesmo que fosse um dos socialistas que, parece, existem em profusão nas cercanias.

 

Há dias caiu outro, mais uma vez sem sinais de qualquer dano; e com a trovoada e a chuva de há duas noites, que o governo engendrou como única, e desesperada, medida de combate aos incêndios, há um que tem uma inclinação mais suspeita ainda do que a credibilidade do ministro Centeno.

 

O cirurgião de árvores virá antes do Inverno abater aquele ser vivo, felizmente não senciente; e a benefício das futuras gerações já está bem perto uma magnólia novinha e ambiciosa.

 

E então, este pequeno incidente da vida doméstica contém algumas lições para edificação dos gentios? Quer-me parecer que sim, duas:

 

Uma é que fazer um jardim amador é uma asneira. Um jardim, como uma casa, requer projecto e especialista. Porque é difícil imaginar, a décadas de vista, como vão as árvores evoluir; porque uns sítios recomendam umas plantas, e outros outras, e o casamento de árvores com arbustos, flores, canteiros, relvas e outros espaços verdes, é muito mais traiçoeiro do que parece; e porque a manutenção é sempre cara, mas pior se incluir constantes correcções e acertos.

 

Outra é que o meu orgulhoso liquidâmbar é uma metáfora do país e do PS: cresce viçoso (viçoso é como quem diz, a gente embala-se com a retórica), possivelmente porque encontrou um veio de água, no caso a facilitação quantitativa, ou lá o que é, do BCE.

 

Os ramos que caem são o Serviço Nacional de Saúde e outros serviços que se degradam, e a sombra é a da propaganda com que se esconde a doença do nosso Estado e da nossa economia.

 

Será abatida a árvore, e 1 de Outubro seria uma data tão boa como outra qualquer. Assim os eleitores quisessem na mesma altura melhorar o seu jardim.

publicado por José Meireles Graça às 16:04
link do post | comentar
2 comentários:
De pita a 1 de Setembro de 2017 às 12:30
Nos nossos 3 socalcos (em Lisboa) temos nos dois últimos árvores de fruta — mantidas desde o início em 1950. O primeiro socalco sempre foi 'jardim'.
No terceiro socalco tivemos horta (couve, alface, cenoura, cebola, alho, feijão, agrião, aipo, hortelã, cominhos, salsa, coentros, etc.).
O declínio económico, que faz corpo com a velhice, acabou com a horta.
Também tivemos galináceos e seus ovos, coelhos, perús.
Sabemos — por sermos conservadores — o que é uma 'economia' rural. Porque sempre tivemos gente boa (paga correctamente mesmo no pós 25 do a) a cuidar da 'economia' rural.
Um contraste com as vossas escolhas. Que são tão justas como as nossas.
De Nuno Pessoa a 8 de Setembro de 2017 às 22:40
Muito bom! Parabéns

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...
2a Parte What a wonderful world it is that has gir...
1a ParteAs frases abaixo foram escritas “na pele” ...
Na parte do financiamento sim, e essa definição po...
capitalista estatal isso sim.

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter