Quarta-feira, 25 de Junho de 2014

Cenas da vida selvagem

Tenho acompanhado com deleite a quezília na família socialista e desejo sem esperança que ela se aprofunde e agrave: veria com bons olhos que Costa e Seguro não se falassem durante anos; que sobre estes senadores do partido alguém com inside information viesse para a praça pública denunciar os podres; que Galamba e Brilhante se pegassem à estalada; que a enfurecida militante portuense que reclamava de Costa ("seu badalhoco") que fosse mazé para a Câmara de Lisboa tivesse sublinhado a objurgatória com uma canasta de sardinhas despejada pelo lombo abaixo do edil; que aparecesse alguém a denunciar Soares, a fundação de Soares e as tropelias de Soares, com a divulgação que o livro de Mateus nunca chegou a ter; que todos, de um lado e outro, e não apenas estes, protestassem o seu desamor a Sócrates, a sua aversão a Sócrates e a confissão de que só o apoiaram em nome da unidade do partido e à espera da oportunidade para lhe fazerem a cama; e que de forma geral o PS se estilhaçasse numa orgia de maledicências sortidas, casos de polícia, reputações na lama e peixeiradas a granel.

 

Não viria daí nenhum mal à democracia: muitos notáveis, depois de um período de nojo, iriam fazer companhia aos outros socialistas no PSD, que os receberia de braços abertos e aproveitaria para ficar ainda mais marcadamente social-democrata, marginalizando um ou outro liberal que ande por lá; outros fundariam um novo partido, ao qual agregariam uns restos do BE, e que passaria a ser o novo, e verdadeiro, partido socialista, ainda que sem figuras de proa, excepto Ana Gomes e Isabel Moreira, para fazer as despesas do berreiro e lágrimas incontidas, respectivamente, num grupo parlamentar entretanto substancialmente diminuído; o CDS talvez crescesse com o influxo de gente afugentada do PSD; e o PCP continuaria diligentemente a cuidar do seu jardim fossilizado.

 

Que clareza, santo Deus: um partido para federar as direitas, outro social-democrata abrangente, outro pequenito especializado em causas fracturantes para a gente se entreter e os comunistas, que fazem parte da mobília.

 

Não vai suceder, é claro: Costa e a sua falsa bonomia; a sua inegável habilidade para o jogo político e o seu ar, e tiradas, de intelectual moderno da esquerda bem-pensante; o seu europeísmo convicto que em Portugal passa por realismo - ganharão o dia. Os inimigos de hoje serão os amigos de amanhã, e em Costa ganhando eleições haverá lugares no aparelho de Estado para a maior parte - Seguro, por exemplo, daria um óptimo embaixador em qualquer lado.

 

Daqui a uns meses o eleitorado esquecerá. E à boleia de um evento emocionante (a morte de Soares, por exemplo, que não desejo e talvez não seja elegante referir mas está na ordem natural das coisas) a família socialista reconciliar-se-á e cairão os militantes ministeriáveis nos braços uns dos outros, murmurando: disse que eras uma besta, mas nunca tive dúvidas sobre a tua capacidade para servires o nosso partido e o nosso país!

 

Entretanto, se a Europa deixar, Costa semeará no país o mesmo lixo, desleixo e endividamento que deixará em herança na Câmara de Lisboa. E virá talvez o tempo em que o eleitorado que ainda não emigrou, e que se vai distraidamente entretendo com estas coisas, experimente uma súbita compreensão pela senhora do Porto, que talvez não seja, mas pareceu - uma peixeira.

publicado por José Meireles Graça às 17:28
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Já chega!ZONAS DE SEGURANÇA:-» dinheiro mal gasto....
Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter