Domingo, 20 de Dezembro de 2015

Certificados de desaforo

"Incentivar os contribuintes a pedir factura" foi uma das mais tristes iniciativas que o governo anterior tomou, num longo rosário delas em matéria fiscal.

 

A medida foi, à época, denunciada raramente por aquilo que é: um apelo ao baixo instinto policial do cidadão invejoso e controleiro, a consagração do espírito queixinhas e da mentalidade de dependente do Estado, e o reforço da ideia deletéria que todo o comportamento deve ser vigiado, sendo a função de polícia um dever que incumbe não apenas a categorias especiais de funcionários mas também aos contribuintes.

 

Este passo foi acompanhado por um crescimento demencial do controle electrónico da vida dos cidadãos, disponibilizando à Administração informações que a seu tempo, e sempre à boleia das mais sonoras boas intenções, serão utilizadas para abusos, prepotências e policiamentos - hoje do evasor fiscal, amanhã do desalinhado que não pensa nem faz o que o Estado do dia (quer dizer, quem o controla, porque o Estado não somos nós todos, é apenas quem decide em nome dele) acha bom para a comunidade.

 

Pode-se elaborar interminavelmente em torno deste assunto. Mas não adianta: as sociedades totalitárias encontram sempre quem as sirva e costumam nascer trombeteando intenções generosas, no seu dealbar gozando do apoio das populações; e já o amor da Liberdade, que por definição não inclui à esquerda a liberdade económica, costuma ser escasso em toda a parte. Que quem pariu este monstro corruptor e putrefacto fosse do partido dos contribuintes, que é por acaso o meu, também não é particular surpresa: estatistas não são raros à direita; e burros teimosos também.

 

Previsivelmente, num tempo em que o costismo tudo reverte e desfaz, a corrupção das consciências e dos comportamentos mantém-se. Mas o Audi, o Audi não - agora são certificados de aforro. Faz sentido: a merda do carro não agradaria a toda a gente, desde logo porque faz lembrar excessivamente a condição de rico, um estado de pecado. Já o aforro, se for no Estado, é uma coisa virtuosa, porque lhe dá meios para comprar votos com benesses e investir em elefantes brancos. E depois é sempre possível, quando convier, alterar unilateralmente o prazo de reembolso e a taxa de juro.

 

Isto se não der mais jeito ainda  inventar um truque qualquer para o sorteio não funcionar. É Costa que manda, lembremos, e o homem é especialista na área de minas e alçapões.

 

E depois a moeda de troca de o Estado nos fiscalizar a todos é que ninguém o fiscaliza a ele. Não faço a demonstração: quem dela precisar não está em condições de a entender.

publicado por José Meireles Graça às 16:23
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter