Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

Cinco ex-ministros e um funeral

Há um consenso mais ou menos generalizado: não houve nenhum virar significativo da página da austeridade, apenas trombeteadas restituições de cortes ao funcionalismo, reformados e pensionistas, compensadas por um aumento dos impostos indirectos e das taxas, aqueles a diluir, já se vê, por um número muito maior de destinatários.

 

Bom negócio eleitoral, como as sondagens mostram. E boa armadilha para os dois pés comunas do tripé geringôncico, que se esganiçam a denunciar o esquema, ambos a reclamar mais défice para contentar os respectivos eleitorados, e ambos silenciando o excesso de reivindicação por a um se permitir que mine o aparelho de Estado, à espera de melhores dias, e ao outro que sonhe em comer eleitores ao PS por, aprovando no essencial tudo, fazer uma grande berrata como se estivesse na oposição ao módico de rigor que o PS aplica.

 

O pano de fundo é de crescimento económico, e este tem permitido, via aumento de receitas fiscais e diminuição de despesas sociais, que o défice diminua, para alegria dos patrões europeus. E até a dívida pública já começou a diminuir um pouquinho na realidade, e muito na propaganda, pelo engenhoso processo de trocar dívida velha por nova a taxas inferiores, cortesia do BCE e dos reembolsos minorcas ao FMI, mil vezes anunciados.

 

Aquele crescimento, por sua vez, decorre das várias agências involuntárias da AICEP, que vão colocando bombas por aqui e por ali sob a designação de ISIS e Al-Qaeda, e que afugentam os turistas para cá, das guerras que o islamismo, as primaveras árabes e o americanismo inventaram e que tornaram insalubres vastas regiões do planeta com boas praias, do labor de anónimos na indústria exportadora que começaram há anos a fazer o bypass ao Estado, com crescentes resultados que o fim da crise no exterior facilitou, e do petróleo que afinal não estava para acabar, estava apenas à espera de novas técnicas para ser explorado.

 

O conjunto é uma reedição das vacas gordas que Guterres desperdiçou, com as inevitáveis diferenças de pessoas e circunstâncias: Guterres era um pusilânime, sério, católico e socialista, Costa é um manipulador, troca-tintas, agnóstico excepto se fosse preciso ser outra coisa, e igualmente socialista; a Europa perdeu a alma que julgava que tinha, e rabeia à procura dela; a dívida é muito maior; em vez de Sampaio, um saco de vento parlapatão com fumos de intelectual, temos Marcelo, o consolador-mor do Reino, do qual apenas se sabe para já que tem tantas tácticas a ocupar a verborreica cabeça que se duvida tenha alguma estratégia para o país; e no lugar do cardeal Pina Moura, felizmente desaparecido, e de Guilherme Oliveira Martins, que se teme reapareça, temos o celebrado Centeno.

 

Este Centeno tem presidido alegremente à vigarice institucionalizada que são hoje as contas públicas, tendo substituído as promessas de crescimento através do consumo, com que o PS perdeu as eleições mas ganhou aliados leprosos, pela compra de votos de muitos com aumentos de impostos embutidos nos preços para todos; fazendo aprovar orçamentos que são tão ferozmente discutidos quanto incumpridos na sua execução, via cativações; e mimetizando na perfeição os tiques do chefe, que nunca hesitou em degradar o debate político com recurso a todo o tipo de mentiras e truques, tudo embrulhado numa retórica chula e numa oratória reles.

 

A “Europa”, claro, não sabe nem precisa de saber detalhes: o que sabe é que o défice cai, o produto sobe e se os comunistas apoiam este milagre, cujo santo é Centeno, este bem pode ir para presidente do Eurogrupo, que casos de sucesso destes fazem uma excelente montra para o projecto europeu.

 

Depois, Centeno já deu mostras de ser flexível, isto é, fazer o que lhe mandam; de emprestar o seu lustro académico (enfim, ao menos um tanto mais consistente do que o do seu infeliz antecessor Dieselcoiso) ao seu abjecto servilismo; e de vir completo com um ar permanentemente aparvalhado, que o pode ajudar nos serpenteios da função, por se imaginar ingénuo quem é retintamente manhoso.

 

Como quem manda na Europa são os grandes, é natural que se escolham para líderes nominais naturais dos países pequenos, para dar uma impressão de equilíbrio, pelo que Centeno não teve dificuldades de maior em bater os outros três candidatos, da Eslováquia, da Letónia e do Luxemburgo. E não é impossível que, apesar da irrelevância do cargo, ainda o venhamos a ver, para embaraço dos geringonços domésticos, a ser obrigado a usar, lá fora, da franqueza que poupa cá dentro.

 

Que acham de Centeno os colegas dele , em particular os que o antecederam na pasta das Finanças? Acham coisas extraordinárias.

 

Miguel Cadilhe vê “que Mário Centeno tem ideias bastante assentes, sólidas”. E verifica “com agrado que Centeno está com vontade de mudar as posições da eurocracia, os conceitos que vigoraram até agora e que, sinceramente, precisam de uma revisão”. 

 

Sim senhor, é um ambicioso programa, ainda que alguns cépticos possam timidamente dizer que nem sequer em Portugal a geringonça se aguentaria com as mudanças que Centeno quer alegadamente introduzir na supervisão dos mecanismos do euro. E que, já que estamos no capítulo das grandes realizações, Centeno podia aproveitar para resolver de vez o problema do aquecimento global, se se der o caso de ter ideias igualmente firmes na matéria.

 

Jorge Braga de Macedo confessa as suas dúvidas: “Um presidente português do Eurogrupo conseguiria situar-nos onde estamos, a oeste, motivando a nossa diferencialidade? Não vai sequer tentar”.

 

São dúvidas insidiosas, e mesmo eu, que tenho sobre as capacidades de Centeno as maiores reservas, acho que não terá grandes dificuldades em situar-nos onde estamos, a oeste. Já quanto à diferencialidade, se Jorge quer com isso dizer que Centeno não vai tentar elevar os conhecimentos de matemática dos portugueses, vejo-me obrigado a concordar, mesmo que não perceba porque haveria o presidente do Eurogrupo de se dar a um tal trabalho.

 

“Neste quadro em que é crucial criar soluções duradouras e eficientes para a zona euro, Centeno está na posição de poder conseguir fazer vingar até alguns pontos de vista que são melhores para Portugal”, diz Eduardo Catroga com unção. Diz isto e outras coisas inócuas e redondas, a tal ponto que se poderia julgar que não foi este Catroga, mas um homónimo, que negociou pelo PSD o memorando de entendimento.

 

Bagão Félix não é catedrático de economia ou finanças mas nem por isso está menos entusiasmado que os seus confrades: “É também o justo prémio para Mário Centeno. Tem sabido cultivar uma certa ideia de entendimento entre países do Sul e do Norte. Pouca gente tem feito isso nos últimos anos. Tem um capital de confiança elevado”.

 

O capital de Centeno é de moeda falsa. Que Bagão, que foi ministro das Finanças pelo CDS, finja não saber isto ou, pior, que o não saiba, é bem a demonstração do novelo em que o CDS se deixa com frequência enredar: pode-se ser socialista e ao mesmo tempo ir à missinha e ser contra o aborto; mas, sendo socialista, não se deveria estar no CDS.

 

Teixeira dos Santos, o catedrático ao leme da embarcação quando ela naufragou, não deveria, por uma questão de higiene, ser ouvido sobre questões económicas. Mas enfim, ei-lo declarando que “Mário Centeno a presidir ao Eurogrupo é importante porque lhe dá mais força para ser capaz de gerir e de resistir a essas pressões e de manter os resultados alcançados e consolidar este quadro de crescimento com um quadro de maior estabilidade orçamental, de défices mais reduzidos e uma trajetória de redução da dívida que é fundamental para o país. Há que resistir às reivindicações que possam pôr isto em risco, a prazo. É preciso ter força política para o fazer.”

 

Traduzindo, a autoridade de Centeno sai reforçada junto dos seus parceiros comunistas pelo facto de doravante ter na lapela o pin de presidente do Eurogrupo. Teixeira, Teixeira, pessoas há que veriam com bons olhos que te dedicasses à filatelia ou ao colecionismo de soldadinhos de chumbo, áreas em que decerto poderias atingir um altíssimo grau de expertise.

 

Já houve, desde o 25 de Abril, 28 ministros das Finanças, com esta ou outras designações. Destes cinco entrevistados quatro pertencem ao que se chama a direita. Mas, com excepção de Braga de Macedo, que por escrever no dialecto em uso na tribo dos adiantados mentais, não se percebe bem o que diz, mas se adivinha ter umas quantas reservas, dizem todos a mesma coisa.

 

Talvez nos outros onze ainda vivos se pudesse encontrar algum disposto a aliviar-se de um módico de franqueza ou lucidez. João Salgueiro quem sabe, Maria Luís decerto.

 

Mas estes não. E cabe perguntar: o que move toda esta gente, devotos evidentes da Igreja do Elogio Mútuo?

 

O que os move é o estatuto socioeconómico que atingiram, ou esperam atingir, e que depende entre nós da boa relação que se tem com o Estado, isto é, com quem o representa.

 

E Portugal, vai longe com esta gente que detém as alavancas do poder económico?

 

Não.

publicado por José Meireles Graça às 21:32
link do post | comentar
2 comentários:
De Terry Malloy a 18 de Janeiro de 2018 às 22:44
Há um bom par de anos – ninguém me contou, li eu – Bagão Félix escrevia um artigo de opinião em que criticava os cortes que o governo PSD/CDS impusera às pensões durante o resgate, em particular às mais altas, dizendo que a quebra da natalidade em Portugal - em mínimos históricos na altura - possibilitava evitar os referidos cortes e resolver o problema pela via do aumento da carga tributária sobre os contribuintes mais novos, pois como a média da população tinha menos filhos, tinha também menos encargo com esses inexistentes rebentos e podia, então, contribuir um pouco mais para com a geração dos reformados.

Isto não se acredita mas li eu.

Ora Bagão – presumo –, pela idade que tem, pelos cargos que ocupou, teria na altura uma dessas pensões rechonchudas.
Como teria a sua mulher (se é casado), os seus irmãos (se os tem) e os seus amigos (que, com certeza, terá), visto serem (se existem) todos da mesma geração e de idade aproximada.

Por isso aquele escrito.

Só posso presumir que os restantes têm a mesma consistência ideológica de Bagão: estão melhor jantados, agora, com o poder que está.
De Jose Domingos a 19 de Janeiro de 2018 às 00:09
Somos "governados" por vendedores de banha da cobra.
Estamos bem entregues.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Senhor José Meireles Graça, poderá estimar «por mu...
Não há nenhum obstáculo, nem nenhuma derrogação da...
Como leitor assíduo do José Meireles Graça criei u...
Bem, a independência dos juízes não deve ser um fi...
O que para aí vai... Obrigado por me ter lembrado ...

Arquivos

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

sondagens

syriza

tabaco

tap

tempo novo

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds