Quarta-feira, 28 de Outubro de 2015

Conde de Moreira

"Mas, repito-o, era um avaro intelectual que não gostava de fazer a esmola de uma ideia. Não o censuro, pois é sabido que ele dava todo o seu tempo e todo o seu génio às grandes questões sociais. Elas preocupavam-no tanto que era usual – sempre que diante dele se falava de assuntos políticos – ouvi-lo murmurar soturnamente:
– Ele há muitas questões! Questões terríveis: o pauperismo, a prostituição! São grandes questões! Questões terríveis!"

 

Já ninguém fala de pauperismo. A palavra caiu em desuso, decerto porque pobreza toda a gente sabe o que é, e pauperismo nem por isso. Depois, está provado que nos podemos todos entender com um léxico de 70 palavras, donde porquê complicar? É certo que a palavra "prostituição" poderia ser igualmente substituída - por "putedo", conforme lembrou recentemente o camarada Arnaldo Matos. Mas a designação de "puta" tem uma inegável carga pejorativa, razão pela qual as pessoas verdadeiramente modernas preferem a perífrase "trabalhadora do sexo" (com grande impropriedade, consta-me, porquanto muitas senhoras que exercem a profissão tendem a oferecer apenas o merecimento dos autos, trabalhando pouquíssimo quando em exercício - mas sobre isto não há trabalhos de campo credíveis).

 

A palavra "pauperismo" caiu em desuso mas o problema, infelizmente, não. E, para o resolver, os comunistas e as pessoas com bons sentimentos, com perdão da redundância, têm uma receita infalível: tira-se aos ricos; dá-se aos pobres; e ficam todos remediados. E vozes liberais têm outra solução, que tem aliás sido seguida, consistindo na globalização, a qual tem tirado milhões da miséria e atirado milhares para o desemprego - mas não nos mesmos lugares.

 

Quer dizer que nisto já não somos condes d'Abranhos: conhecemos os problemas e temos as soluções - apenas não nos entendemos sobre quais elas sejam.

 

O conde morreu, então?

 

Que nada - anda por aí. Mas modernizou-se: os problemas são inúmeros, mas convém embrulhá-los em citações, que sempre o leitor julgará que erudição e sabedoria são a mesma coisa; de preferência, profundos, não vá julgarmos  que percebemos o mundo que nos rodeia; e quanto a soluções, nada, que já não é pequeno esforço identificar o problema, era o que mais faltava dizer como remediá-lo.

 

Por exemplo: Não faltam analistas a discutir, ou a inquietar-se mais silenciosamente sobre a questão de saber se o Estado, imaginado segundo os valores ocidentais, ainda é a forma de governar, por vezes sugerindo que pelo menos é necessário reformar o Estado.

 

Com os analistas que se inquietam silenciosamente podemos nós bem - os incontinentes verbais é que não nos deixam sossegar. E, realmente, os valores ocidentais, para efeitos de definir o que é um Estado, parecem uma coisa francamente obsoleta: por mim, encararia favoravelmente o governo por um comité de sábios interestelares; mas, como a vida noutros planetas ainda se nos não revelou, veria com bons olhos a reforma do Estado, ainda que essa ciclópica tarefa só seja sugerida "por vezes".

 

Vamos lá então: e como se reforma o Estado? Não se pode, porque temos que "começar por reformar a ONU, para, com coerência, poder reformar o Estado".

 

Há por aí gente que julga que Eça não criou personagens intemporais.

publicado por José Meireles Graça às 21:46
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Outubro de 2015 às 11:03
Tal pai, tal filha.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter