Quinta-feira, 8 de Maio de 2014

Custos de com tachos

Há muito tempo, teve enorme divulgação nos meios de comunicação social, em todo o Mundo, a existência, creio que sobre os polos, de um buraco na camada de ozono.

 

A comoção durou para cima de dois anos. Nessa altura, como hoje, eu fabricava frigoríficos, e vi-me de repente no grupo de inimigos da humanidade que usava gases com efeitos deletérios naquela preciosa camada. Com a atenuante todavia de ter ficado na companhia das senhoras que usavam sprays com freon, para efeito de porem laca no cabelo e desodorizante nas axilas. Este estatuto deu-me um grande conforto, porquanto, a ter que ser responsabilizado pelo aumento exponencial de cancros na pele, mais valia efectivamente estar em agradável companhia.

 

As revistas do meu ramo profissional produziam artigo atrás de artigo, prodigalizando conselhos. Uma ou outra, raramente, referia a opinião de uns poucos maduros que chamavam a atenção para o facto de o tamanho do buraco nunca ter sido, na história da Terra, estável, nem as provas laboratoriais do desastre serem convincentes - mas disso a opinião pública não curava, porque a inexistência de problemas e de maus não constitui, por definição, notícia. E a associação industrial a que naquele tempo pertencia chegou em determinada altura a recomendar-me, e aos meus colegas, uma mudança de mentalidade, visto que aquela da qual éramos portadores estava consideravelmente obsoleta.

 

Signifiquei na altura a quem de direito que me recusava a mudar de mentalidade, por ter com esta uma relação antiga e pacífica. E aproveitei para retirar a empresa da associação - sempre poupava nas quotas e me punha ao abrigo de injunções patetas.

 

O mercado acabou por produzir gases diferentes, inócuos para a camada de ozono, que ainda hoje, como toda a gente, uso. Estes gases, porém, obrigavam à substituição de maquinaria e componentes e eram, claro, mais caros.

 

Embora os modelos matemáticos previssem que o buraco se alargaria ainda durante décadas, mesmo que se suprimisse o uso do freon, deixou de se falar no assunto, e efectivamente ignoro se por esta altura se terá transformado num buraquinho ou num buracão. E também não estou ao corrente da evolução dos cancros cutâneos, que aparentemente não cresceram de modo a dar nas vistas, não obstante as pessoas não se terem começado a vestir como tuaregues.

 

Tenho fortes suspeitas de que, não fosse o oportunamente descoberto aquecimento global, hoje transmutado em alterações climáticas, e ainda não teríamos saído do buraco... do ozono.

 

São precisas causas para entreter os radicais; fundos para alimentar a investigação; normas para gerar comportamentos desviantes que alimentem agências, inspecções, polícias e multas; pretextos para cimeiras, mesas-redondas e viagens; perigos, mesmo que imaginários, para aumentar o poder de políticos e burocracias; e notícias, para vender papel, conquistar audiências e ter receitas de publicidade.

 

O público crê: dantes nas forças do Além, que mandavam terramotos e desgraças sortidas, que era preciso aplacar com sacrifício de indivíduos desviantes da norma; e hoje na variedade de cientistas que querem reformar a Humanidade e que esta os adore e ouça, porque eles sabem - mesmo que outros menos conhecidos digam, com boas razões, que na realidade são apenas fanáticos ou oportunistas, os mesmos de antigamente e de sempre.

 

Pois bem: fui há pouco tempo inteirado de que os novos gases têm efeito de estufa - bem me parecia que era apenas uma questão de tempo até os malditos mostrarem os seus recônditos defeitos. Por mim, apreciador do calor como sou, ficaria bem mais preocupado se produzissem um aumento de cáries dentárias, às quais sou bastante achacado. Mas não: efeito de estufa it is.

 

E por causa deste efeito recebi há dias a seguinte comunicação de um fornecedor:

 

"Informamos que, na sequência do disposto no futuro Regulamento de Gases Fluorados a ser publicado nos próximos meses, a partir de 1 de janeiro de 2015, a venda de gases fluorados com efeito de estufa só poderá ser efetuada a empresas certificadas que prestem serviços a terceiros nesta área, ou a empresas que, não prestando serviços a terceiros nesta área, possuam técnicos certificados.

Alertamos, deste modo, para que os nossos estimados clientes verifiquem com a maior brevidade possível a sua situação, de forma a estarem em cumprimento com a legislação.

Para mais informações sobre a certificação dos técnicos e  empresas, transcrevemos abaixo o comunicado da APA (Agência Portuguesa do Ambiente)".

 

Já estou a estudar o assunto e, faltando-me ainda uma quantidade de informações e diligências, já conheço o resultado: vou gastar muito mais para produzir o mesmo, sem nenhum valor acrescentado para o produto.

 

O Governo ia diminuir aos custos de contexto? Ia, não ia? Respondo em inglês, para não chocar:

 

My ass.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 17:33
link do post | comentar
4 comentários:
De Apache a 11 de Maio de 2014 às 02:58
“Há muito tempo, teve enorme divulgação nos meios de comunicação social, em todo o Mundo, a existência, creio que sobre os polos, de um buraco na camada de ozono.”
Um “buraco” maior no Pólo Sul (que é bastante mais frio) que no Pólo Norte. O termo “buraco” (que os charlatães usaram) não é correcto, não há buracos em gases (nem em líquidos, só em sólidos). Trata-se de uma redução, sazonal, da concentração (já de si, muito pequena) daquele gás.

“Este estatuto deu-me um grande conforto, porquanto, a ter que ser responsabilizado pelo aumento exponencial de cancros na pele, mais valia efectivamente estar em agradável companhia.”
É curiosa a forma como a charlatanice (do “buraco” do ozono) gera charlatanice (do aumento dos cancros de pele por causa do alegado “buraco”.
Nunca ninguém se lembrou de perguntar aos médicos como é que um fenómeno que ocorre em latitudes maiores que 50º Sul causa cancros de pele em latitudes a rondar os 40º Norte?
De Apache a 11 de Maio de 2014 às 02:59
“O mercado acabou por produzir gases diferentes, inócuos para a camada de ozono”
Como os anteriores, que tinham o defeito de estar a acabar as ‘royalties’ e, portanto, poderiam ser produzidos por muito mais empresas concorrentes com diminuição do seu preço e perda de lucro para as empresas que detinham as patentes.

“Embora os modelos matemáticos previssem que o buraco se alargaria ainda durante décadas, mesmo que se suprimisse o uso do freon, deixou de se falar no assunto, e efectivamente ignoro se por esta altura se terá transformado num buraquinho ou num buracão.”
O “buraco” está mais ou menos na mesma. E assim permanecerá (provavelmente por mais umas centenas ou milhares de anos) enquanto o Sol não aumentar (de novo) significativamente a sua actividade e puser um fim a esta “idade do gelo”.
O ozono forma-se quando os raios ultravioleta (mais energéticos, de tipo C) produzidos pelo Sol acertam nas moléculas de oxigénio da nossa atmosfera. Como nos Pólos os raios solares incidem quase tangentes à superfície da Terra (no Equador incidem quase perpendicularmente) estas regiões são muito mais frias e no final do longo Inverno e início da Primavera (Março e Abril, no Hemisfério Norte; Setembro e Outubro, no Hemisfério Sul) as quantidades de ozono são muito menores que durante o resto do ano.
De Apache a 11 de Maio de 2014 às 03:03
“Tenho fortes suspeitas de que, não fosse o oportunamente descoberto aquecimento global, hoje transmutado em alterações climáticas, e ainda não teríamos saído do buraco... do ozono.”
O “buraco” do ozono foi um teste importante para medir a nossa crença na charlatanice pseudocientífica (já haviam sido feitos outros testes de menor impacto). O “aquecimento global”, agora “alterações climáticas” (porque a Terra deixou de aquecer há 15 anos e é difícil esconder o facto porque alguns dos falsificadores dos valores de temperatura foram despedidos dos seus empregos) é uma coisa em grande.

“Pois bem: fui há pouco tempo inteirado de que os novos gases têm efeito de estufa.”
Nem imagina a quantidade de gases destes que os fabricantes de frigoríficos de há 12 milhões de anos atrás usam. Nessa época, Lisboa (como quase todo o planeta) era uma selva tropical com uma temperatura média uns 8ºC acima da actual e pelo vale de Chelas passeavam bichinhos “simpáticos”, como este “pequenote” que mediria cerca de 9 metros de comprimento. http://www.pavconhecimento.pt/roteiro3_locais_conhecimento/pt/img/13_crocodilos_lx_b.jpg
Mas na densa mata que (ao que parece) se estendia até ao Lumiar deveriam existir vários com cerca de 12 metros de comprimento (religiosamente alimentados, todas as manhãs, pelos não menos simpáticos fabricantes de frigoríficos).
De José Meireles Graça a 12 de Maio de 2014 às 01:17
Fico contente por ver que os cépticos andam por aí, Apache. E com bons argumentos - melhor.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter