Sexta-feira, 29 de Maio de 2015

Deve e Haver

Clipboard01.jpg

No Económico, Vital Moreira diz algumas coisas importantes sobre o estado das nossas pensões actuais e futuras. Com muita lógica, explica como estão não apenas desajustadas à época, mas também como os modos de cálculo de sub-sectores têm contribuído para a insustentabilidade.

Ora, é sobre esses modos de cálculo que me quero debruçar rapidamente.

Com uma folha de cálculo do Excel (capaz de fazer os orçamentos de estado de muitos países do mundo) é possível calcular os valores que permitam a melhor redução do risco para a sustentabilidade. Porque, um esquema Ponzi é sempre imperfeito e arriscado, mas pode ser reduzido o risco, atribuindo do modo mais equitativo possível, o suficiente para a vida digna dos nossos concidadãos idosos. Idosos, porque sabemos que com o envelhecimento populacional, apenas deixarão de trabalhar os que não forem mesmo capazes.

Primeiro, devem ser feitas segmentações das actuais pensões: grupos por valores recebidos, grupos por valores de descontos ao longo da vida contributiva. A SAS e outras empresas fornecedores de software oferecem soluções bem capazes para trabalhar com "big data". Chama-se Data Mining e Portugal tem bastantes técnicos competentes.

Segundo, esses grupos, devem ter a evolução do número dos seus componentes, estimada ao longo de uma série o mais longo possível, baseada nos dados previsionais do crescimento da população nacional (INE e outras fontes demográficas).

Terceiro, passando os grupos para o Excel, devem ser criadas séries de valores a desembolsar pelo Estado, para os anos a prever, corrigindo-as da variação monetária.

Quarto, cruzar os valores a pagar com os valores previstos a receber, pagos pelos trabalhadores activos que são assim incluídos na série.

Quinto, na diferença entre deve e haver, haverá um saldo.

Sexto, em função do saldo, as pensões devem ser alteradas para cima ou para baixo, bem como os níveis de contribuição dos trabalhadores activos, e verificado se é melhor o sistema compulsivo ou um sistema complementar de pensões privadas.

E basta de cálculo. O que fica a faltar, é a vontade política de introduzir lógica num sistema que tem sido sucessivamente reformado para ciclicamente voltar a precisar de reforma.

Uma sugestão: poderiam ser tentadas simulações em que se introduzia escalões (com valores máximos e mínimos para pensões e contribuições) em que se faria variar os escalões não só em função do deve mas também do haver.

E fazia-se uma reforma para 10 ou 20 anos, sujeita às necessárias flutuações derivadas da demografia.

Já agora, deem um vista de olhos nesta tabela (parte pode ser vista na imagem acima) da Pordata e vão ver como têm evoluído as pensões pagas. Notem, a título de curiosidade, como os escalões mais altos têm sempre crescido em número de beneficiários. Aumento de desigualdade de modo "democrático"?

Desculpem a arrogância de pensar sobre a metafísica e complicadíssima reforma da SS, mas não há pachorra para ouvir tanta palavra lançada ao vento quando, aparentemente, ninguém quer fazer, o que tem de ser feito .

publicado por João Pereira da Silva às 13:19
link do post | comentar
3 comentários:
De Tiro ao Alvo a 31 de Maio de 2015 às 11:17
Os euros da tabela são "iguais"?
De João Pereira da Silva a 31 de Maio de 2015 às 11:22
Bom dia,

A Pordata não especifica, mas penso que sim (refere-se aos escalões, correcto?) ou então a tabela não faria sentido.

Para complementar esta informação, procuro saber qual o custo para a CGA (em percentagem do total da despesa) das pensões acima de 1500 euros. Não encontro em qualquer lado. Penso que seria interessante para ver a evolução do peso desses escalões e averiguar a equidade do sistema, já que à esquerda se brada pela desigualdade introduzida pelos "mercados".
De Tiro ao Alvo a 31 de Maio de 2015 às 21:43
Obrigado pela sua explicação. Também me parece que seria interessante saber o peso por escalões no total, tanto ma CGA como na SS.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter