Sexta-feira, 3 de Junho de 2016

Dicionário de Marcelo (4)

O Marcelo fala, fala, e continua a agradar a todos com excepção da direita, que gostava que ele derrubasse o governo já, antes de passarmos o ponto de não-retorno para a tragédia, e da esquerda, que gostava que ele derrubasse o governo já, antes de a tragédia passar dos números para o dia-a-dia das pessoas e as sondagens passarem o ponto de não-retorno para a derrota eleitoral expressiva.

A frase de hoje é "Ja, aber das Programm, das er umsetzt, ist nicht so weit entfernt von dem, das die vorherige konservative Regierung gemacht hat".

O que é que isto significa?

Não sei. Mas, a acreditar nas traduções que os jornais portugueses apresentaram, quererá dizer algo como "o programa que implementam não está assim tão longe do que o governo conservador fez".

O que é que isto significa?

Significa que o Marcelo regressou à sua máxima forma na capacidade de dizer coisas ambíguas que todos podem interpretar do modo que preferirem, quer sejam de direita, ou de esquerda, quer queiram uma palavra de conforto, quer se queiram sentir agredidos.

Significa que a margem de manobra dos governos, que alguns pensam ser limitada por restrições de Bruxelas, e alguns desses chegam mesmo a pensar que é limitada em função da orientação ideológica dos governos nacionais, mas é de facto limitada pelas possibilidades financeiras, e tanto mais quanto mais os governos resistem à pressão do bom senso para terem contas equilibradas e aliviarem a dependência da dívida, é tão limitada que os governos, mesmo com preferências, intenções e retóricas radicalmente diferentes, acabam por optar por soluções semelhantes? É muito provável.

Significa dizer aos 38,5% de eleitores da PàF que não estão a ser tão mal governados como pensam, o que seria um elogio ao Costa que os irrita, mas apenas na mesma medida em que também seria um elogio ao governo anterior, de que o actual não se desvia fundamentalmente na governação? É provável. Mas não é certo.

Ou significa dizer aos 61,5% de eleitores que não votaram na PàF que, afinal, o virar da página para o novo tempo que lhes acenaram foi uma treta e o governo não virou página nenhuma, antes continua a governar limitado pelo domínio das mesmas possibilidades que limitavam a governação do governo anterior e que o actual sugeriu que podia ser expandido? Também é provável. Mas também não é certo.

Tudo junto, e aplicando um bocadinho de estatística para procurar descodificar a ambiguidade, podemos dizer que é provável que o Marcelo esteja a elogiar o governo a 38,5% dos eleitores, o que os irrita, mas a elogiar o governo anterior na mesma medida aos mesmos eleitores. E que está a expor a charlatanice do virar da página do governo actual aos restantes 61,5% dos eleitores.

Mas fundamentalmente, está a dizer aos alemães que não está a conspirar contra o governo, coisa que seria imprudente e tonto dizer-lhes, mesmo que fosse, ou que seja, verdade. E, com uma ambiguidade tão esmerada, eu não consigo perceber se é verdade ou não.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:11
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter