Segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Dubito ergo cogito

Durão Barroso distinguiu-se, na União Europeia, por flutuar. Agora que quer regressar à casa paterna está a agitar as águas. E, é claro, caíram-lhe em cima com a comparação entre os números de agora e os de há cinquenta anos, como se o regime anterior, se não tivesse caído, ficasse parado nos níveis de 1974, não registando qualquer progresso de então para cá. Uma evidente falácia argumentativa, no ensino e no resto, mas que tem livre curso.

 

Invejo as pessoas que, sobre Educação, têm ideias claras. Porque eu, ruborescido, confesso que tenho demasiadas perguntas sem resposta satisfatória:

 

1. Por que razão os defensores exaltados da escola pública não advogam a liberdade de os pais escolherem o estabelecimento onde querem colocar os filhos, obrigando os mais expeditos (ou desonestos, ou preocupados, é como se queira) a falsificarem atestados de residência, ou indicarem encarregados de educação residentes nos sítios "certos"?

 

2. Por que razão, sempre que se comparam enunciados de exame antigos de Português (como aqui), ou Matemática, ou História, ou Geografia, em níveis iguais de escolaridade, com os correspondentes actuais, se percebe que os nossos (e os dos outros - a importação de modas e ideias faz com que cometamos os mesmos erros, apenas com algum atraso) ricos meninos, sabendo embora muitas coisas que dantes se não sabia, ficam a perder na comparação?

 

3. Por que razão há tanto, mas tanto, adolescente incapaz de traduzir ideias por escrito, ou de as compreender, e tanto licenciado que ou se refugia num palavreado hermético e pretensioso, nos melhores casos, ou tem uma relação conflituosa com a sintaxe, em particular concordâncias, e isto mesmo em áreas, como o Direito ou Jornalismo, em que o domínio da língua deveria ser uma condição sine qua non para a obtenção do grau?

 

4. Por que razão se acreditou que a multiplicação de cursos e universidades iria originar, num mercado pequeno como o nosso, uma hierarquização delas que tivesse tradução na conquista de empregos, desde logo na Função Pública, e na diferenciação de remunerações para licenciaturas obtidas em estabelecimentos diferentes? E que a proliferação de licenciados geraria a sua própria ocupação? Ou, se não eram esses os resultados pretendidos, quais eram?

 

Perguntas destas tenho um saco cheio. A resposta seguinte não é minha, e tem implícita uma outra pergunta, que formularia assim: queremos que toda a gente tenha no mínimo uma formação a nível do secundário completo ou admitimos que nem isso é acessível a uma parte da população estudantil?

 

"A escola democrática tem que ser exigente e inclusiva. Se for só inclusiva é um centro de ocupação dos tempos livres, se for só exigente é uma escola elitista. Se estivermos dispostos, através da exigência dos exames e da selecção social, a reduzirmos os actuais alunos do ensino secundário aos 13 116 que existiam em 1961, poderemos ser tão exigentes com esses quanto quisermos. Ser exigente, excluindo, é fácil".

 

Eu acho que não precisamos de estatísticas baseadas no número de aprovados neste e naquele grau, se as pudermos manipular baixando o nível de exigência; que as comparações feitas nesses termos são intelectualmente desonestas; que ser exigente não implica reduções brutais de educandos, mas implica alguma redução; e que o País precisa de técnicos, que não há, mas não de resmas de moços imaginando que os diplomas secundários que angariaram sem esforço lhes dão direito a terem formação superior assente em alicerces duvidosos e ela própria baseada nos mesmos facilitismos que lhes permitiram lá chegar.

 

E quanto ao elitismo? Se partirmos do princípio que as proporções de génios e inteligentes, idiotas e medíocres, trabalhadores e preguiçosos, são hoje as mesmas que sempre foram, então a massificação do ensino tem algo a seu favor: sempre a partir de uma base maior haverá melhores resultados do que de uma base pequena, por nesta os late bloomers ficarem pelo caminho. Mas nisto, como no mais, os recursos públicos têm que ser rateados. E, a ter que haver escolhas, que sejam as escolhas dos melhores, mesmo que depois estes venham muitas vezes a descobrir que, do ponto de vista do sucesso material, foram ultrapassados por alguns daqueles que já estavam a fundar as suas carreiras enquanto eles continuavam nas suas bibliotecas ou laboratórios - mundo complicado, este.

 

E aqui está como, não tendo respondido às perguntas que fiz, acabei por responder a algumas que não fiz.

publicado por José Meireles Graça às 18:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Já chega!ZONAS DE SEGURANÇA:-» dinheiro mal gasto....
Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter