Sexta-feira, 29 de Abril de 2016

Eanes

O senador Eanes não é uma pessoa qualquer: teve in illo tempore um papel essencial na derrota da ala comunista do MFA e no regresso dos militares aos quartéis - devemos-lhe isso, que não é nada pouco. Dessa recuada época resta hoje um museu vivo, a Associação 25 de Abril, cujo presidente, Vasco Lourenço, se alivia periodicamente das opiniões que ele próprio, e presumivelmente os seus camaradas depositários dos valores de Abril, albergam no seu patriótico seio sobre as questões da grei - com isto cumprindo involuntariamente um meritório papel, que consiste em lembrar-nos do que nos livrámos.

 

É também um homem absolutamente íntegro, honesto até ao exagero, o que não o deveria distinguir, mas distingue, de quem se lhe seguiu no exercício da mais alta magistratura da Nação.

 

Como Presidente da República, ficou na memória por fazer discursos ininteligíveis e fundar um partido político em torno de uma ideologia difusa anti vícios dos partidos, defesa da probidade dos políticos e do interesse nacional - uma espécie de Medina Carreira avant la lettre, mas sem nenhuma clarividência em finanças públicas. O partido em questão teve um fogacho de sucesso eleitoral e extinguiu-se em devido tempo, por as qualidades humanas do general Eanes não serem suficientes para substituir a ideologia ausente, nem um programa consistente de governo, nem uma ideia clara para o País e a solução dos seus problemas.

 

Ramalho Eanes, porém, não aprendeu nada - continua a achar que a política não é uma questão de políticas mas de pessoas: elogia Marcelo e Cavaco, homenageia Jerónimo de Sousa, a quem felicita pela "enorme coragem", não poupa elogios ao PCP pelo seu papel na nova aliança parlamentar, não esquece Cavaco Silva e o seu comprometimento com o país e admite que Marcelo Rebelo de Sousa tem estado bem nos primeiros dias em Belém.

 

Sobre o cão presidencial não diz nada, mas é de prever que ache que é um bicho extraordinariamente leal e vigilante.

 

Em entrevista à Antena 1 revelou algumas linhas gerais do caminho que propõe para o país: Argumentando que áreas como a política externa, europeia e financeira, saúde, segurança social, educação e justiça são áreas de consenso generalizado, Ramalho Eanes acredita que é possível chegar a um acordo naquilo que é o essencial. De resto, se todos partidos, empresários e parceiros sociais reconhecem que é urgente encontrar soluções, “porque não passamos à ação"?

 

Sucede que o PCP acha que Portugal deveria sair do Euro e os restantes partidos que deve ficar; que o PSD e o CDS entendem que a trajectória orçamental deve ser até ao défice zero (e, depois, provavelmente, o superavit sem o qual a dívida não desce), e já deram provas de que seriam capazes de o atingir, enquanto o PS entende que deve fingir que pretende atingi-lo e as suas duas muletas de esquerda (três, se contarmos o PEV) acham pelo contrário que o que se deve é reescalonar o pagamento da dívida pública; que o PCP e o seu apêndice verde são pela nacionalização da banca, o BE, talvez, também, mas os restantes partidos nem pensar; que na segurança social a geringonça é a favor da reposição de todos os cortes das pensões e a "direita" também, mas sob condição de se evitarem desequilíbrios orçamentais; que os disparates sobre ensino que o BE subscreve, e o pornográfico controlo do ministério da Educação pela CGTP, estão a léguas do que nessa área a PàF defendia; e, finalmente, que na Justiça todos os partidos estão de acordo, como sempre estiveram, em que precisa urgentemente de ser reformada, mas nenhum tem a mais leve ideia sobre como isso se faz - donde o pacto nesta área fulcral seria possível, mas inútil.

 

Do suposto consenso entre empresários e restantes parceiros sociais, será ele talvez possível no âmbito da Concertação Social, uma instituição corporativa. Mas nem a CIP representa os empresários nem a CGTP ou a UGT os trabalhadores: que os empresários verdadeiros gostariam muito que, na paisagem política, os comunistas fossem tão raros como o lince da Malcata na serra que lhe deu o nome; e os trabalhadores não apreciam excessivamente os seus patrões mas na hora de votar não escolhem quem os quer liquidar.

 

Não há qualquer consenso na sociedade portuguesa porque o interesse nacional não existe; o que existe é a ideia que cada partido, cada grupo social, tem do que esse interesse seja, com a agravante de com frequência o que cada um acha melhor para o país é o que acha melhor para si.

 

Ramalho Eanes não percebe, nunca percebeu, isto.

 

Infelizmente, não tem ainda, e a pátria deve-lhe isso, nem o nome em avenidas das grandes cidades nem estátuas em jardins. As estátuas sobretudo; que, além de justas no seu caso, teriam ainda sobre o representado uma grande vantagem: não pensam, nem falam.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 11:43
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter