Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

Ele rouba mas faz

2017-02-19 Costa rouba mas faz.jpg

No seu estilo tão próprio de fazer política, o estilo ácaro em que se dedica a apontar regularmente aquilo que irrita a oposição, o primeiro-ministro António Costa saiu em defesa do ministro Mário Centeno, em quem delegou o trabalho sujo de

  • contratar o banqueiro António Domingues, apresentado ao país como a contratação-chave para ganhar o campeonato e a prova definitava do génio do seleccionador mesmo em domínios complexos como a alta finança,
  • dar a volta à lei para satisfazer a exigência legítima mas ainda ilegal do banqueiro para aceitar o cargo de manter o seu património ao abrigo dos tablóides em vez de recuar na contratação para não cometer ilegalidades,
  • manter o banqueiro na ilusão de que os problemas legais seriam resolvidos enquanto o primeiro ministro e o presidente acordavam entre si que não seriam,
  • quando a alteração à lei se transformou num lastro político sacrificar o banqueiro como uma criatura de ganância ilimitada cujo único objectivo neste mundo é esconder do país a riqueza que acumulou,
  • tratar publicamente o banqueiro como um atrasado mental que não percebia que quando lhe dizia que lhe estava a tratar do assunto queria de facto dizer que nem pensasse,
  • e depois da queda do banqueiro se transformou ele próprio no elo mais fraco quando o banqueiro, discreto até ao limite da sua predisposição para ser o bombo da festa, ultrapassado esse limite começou a revelar documentos escritos ilustrativos da sua negociação com o ministro para dar a volta à lei,

até porque

  • deixar cair o ministro sem primeiro lhe alimentar a ilusão de estarem nisto unidos como os dedos das mãos lhe poderia criar tentações de também ir rever os seus SMS com o primeiro-ministro ilustrativos do modo como acompanhou ou mesmo comandou a negociação com o banqueiro intermediada por ele,

dizendo publicamente,

  • não que o ministro tinha usado um mínimo de lisura ao longo do processo, até porque se vier a ter que o deixar cair não lhe ficará bem deixar cair um ministro sem mácula que justifique a queda,
  • mas que conseguiu maravilhas no deficit e na dívida pública. *

Em resumo, ele rouba mas faz.

 

* E consegui escrever o parágrafo mais comprido do mundo sem se parecer com um parágrafo.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:02
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter