Quarta-feira, 10 de Maio de 2017

Em casa

Tirando os comunistas e os bloquistas (e mesmo assim sem conseguirem esconder que a senhora Le Pen lhes dá calafrios) quase toda a gente em Portugal se felicitou pelo resultado das presidenciais francesas.

 

Costa, que já tinha ganho as eleições gregas quando ainda não havia perdido as portuguesas, ganhou também estas. O homem está condenado a ganhar tudo e o seu oposto, pela razão de que, ao contrário dos políticos vulgares, que são oportunistas na medida das suas necessidades tácticas, preservando todavia um núcleo de valores distintivos, Costa não tem outro valor que não seja a sua sobrevivência. Donde, a sua táctica é o oportunismo, com um grande sucesso, reconhecível pela descrição, pacífica na comunicação social e no comentariado, de homem de grande habilidade política. Deixemos porém estes assuntos putrefactos para responder a uma questão que me afligiu por espaço de quase meia hora - a mim e outros espíritos sãos e inquisitivos: se fôssemos franceses votávamos como?

 

Marine Le Pen, no seu programa, diz, a abrir, isto: Retrouver notre liberté et la maîtrise de notre destin en restituant au peuple français sa souveraineté (monétaire, législative, territoriale, économique). Pour cela, une négociation sera engagée avec nos partenaires européens suivie d’un référendum sur notre appartenance à l’Union européenne. L’objectif est de parvenir à un projet européen respectueux de l’indépendance de la France, des souverainetés nationales et qui serve les intérêts des peuples.

 

Nos pontos sob a epígrafe ÉRADIQUER LE TERRORISME ET BRISER LES RÉSEAUX FONDAMENTALISTES ISLAMISTES (29 e seguintes) enumera algumas medidas de combate ao islamismo, que subscrevo quase integralmente. Sucede que:

 

A boa da Marine quer dinamitar o projecto europeu, e eu também. Infelizmente, porém, conjugando esta entrada de rompante com as outras 143, percebe-se que não quer liberdade de circulação de pessoas, nem capitais, nem mercadorias, nem trabalho. E eu quero estas coisas todas, desde que aplicáveis apenas aos cidadãos da UE, e com as derrogações que cada Estado entenda dever fazer; assim como, sendo aceitáveis mecanismos supranacionais para dirimir conflitos no âmbito dos tratados ou jurisdicionais no âmbito dos Direitos Humanos, já não o serão órgãos legislativos supranacionais  ̶  de mais a mais integrados por funcionários apátridas que ninguém conhece, ninguém elegeu e que não respondem portanto senão perante outros burocratas igualmente cobertos de privilégios e igualmente especializados na moscambilha carreirista.

 

O que ela quer é que a França assuma o estatuto de superpotência que julga lhe pertence por direito histórico, por ter assento permanente no Conselho de Segurança da ONU e a bomba atómica. E por isso defende a saída da OTAN, a construção de um novo porta-aviões (que decerto impressionaria imenso os naturais do Senegal e os da Reunião) e o reforço da dotação orçamental das forças armadas e dos seus efectivos.

 

Defende também um elevado grau de autarcia económica e um impressionante rearranjo dos serviços e funções do Estado, em nome de generosos benefícios para o trabalhador francês, e em particular o funcionário ou o aposentado, sem todavia dedicar quase nenhuma linha à diminuição da despesa ou da dívida pública (que anda nuns estonteantes 100% do PIB).

 

Isto, mais um ou outro ponto rebarbativo, como a restauração da prisão perpétua, que seria um retrocesso civilizacional, ou o reforço dos poderes das polícias, desnecessário fora do âmbito do combate ao terrorismo e que é apenas um tique caro a uma certa direita bastante selvagem, chega para, em balanço, dizer: Marine Le Pen - não.

 

E Macron? O homem foi ministro de um governo de Valls, sob o patético Hollande, e distinguiu-se por querer reformar. A sua carreira como inspector de finanças e bancário internacional, em princípio, não o recomendava para reformador, menos ainda se acumuladas com a sua condição de vice-presidente do PS local: um pot-pourri de contra-indicações que faria supor que nos dois aninhos que esteve no governo teria tempo para operar uma razoável série de asneiras. Mas não: diz-se que foi amigo das empresas e que apenas deu à sola em Agosto do ano passado para preparar a sua candidatura à presidência.

 

Vejamos o seu programa. Começa com uma frase inspiradora (RETROUVER NOTRE ESPRIT DE CONQUÊTE POUR BÂTIR UNE FRANCE NOUVELLE) que não significa absolutamente nada e dirige-se aos franceses e às francesas, naquela formulação perifrástica irritante em uso por políticos patetas a fingir que são modernos. Continua com uma impressionante série de banalidades, ao abrigo dos vários "estaleiros" (lamento mas a palavra é dele) sob os quais se propõe infundir na sociedade francesa a confiança que lhe falta.

 

Diz que "há mais de 30 anos que não conseguimos resolver o problema do desemprego de massa nem o da integração. Transformações radicais novas abalam as nossas vidas e as nossas certezas. A revolução numérica muda as nossas maneiras de produzir, consumir e viver em conjunto. As mudanças climáticas obrigam-nos a repensar a nossa organização e os nossos modos de vida. A nova ordem mundial etc. etc."

 

Tretas, isto parece um discurso de Marcelo. E basta lembrar que a única forma que ocorre pela qual as mudanças climáticas terão tido influência na vida dos franceses haverá de ter sido algum aumento da temperatura média que tenha prejudicado a maturação dos queijos.

 

Primeiro estaleiro, o da educação e cultura: "Quero repor a transmissão de saberes fundamentais, da nossa cultura e dos nossos valores no coração do projecto da nossa escola e das nossas universidades". Não está mal.

 

E como não está mal fui procurar as medidas onde estes nobres objectivos estariam vertidos e, ó surpresa, o arranjo das medidas não é o mesmo da introdução. De tal modo que o que encontrei sobre este assunto, perdida numa floresta de intenções, foi uma página sob o título "Les mêmes chances pour tous nos enfants", onde se lista uma quantidade de medidas impressionante, umas razoáveis, outras nem por isso, e outras simplesmente tolas, como esta: "Nous créerons un 'Pass Culture'. Il permettra à chaque Français de 18 ans d’effectuer 500 euros de dépenses culturelles (cinéma, théâtre, livres...)". Onde é que o bancário Macron vai buscar dinheiro para isto o programa não diz, como não diz de onde vem o pognon para construir 80.000 alojamentos para jovens.

 

Tentar comentar o programa ocuparia uma dúzia de posts porque as iniciativas são às centenas, quase sempre implicando encargos novos que não estão quantificados, e intervencionismos sortidos. Mas não é possível deixar de notar que em quase todas as páginas há promessas de despesa nova, incluindo uma intitulada "Bem viver do seu trabalho e inventar (sublinhado meu) novas protecções".

 

Os programas eleitorais não são para cumprir, já se sabe. Mas a demasia inculca a ideia que este tipo é um aldrabão, e os franceses que o elegeram uns pombos. E como este enarca bancário e socialista, com fama de liberal, é o chouchou dos europeístas, importa ver o que, sobre a União Europeia, diz ele.

 

QUER um orçamento para a zona euro votado por um parlamento e executado por UM ministro da economia.

 

QUER que se lute contra os arranjos fiscais entre Estados e empresas multinacionais, como entre a Apple e a Irlanda.

 

QUER reservar o acesso aos mercados públicos europeus às empresas que tenham pelo menos metade da sua produção na Europa.

 

QUER propor à Alemanha uma Europa da defesa associando países voluntários, criando um fundo europeu de defesa que financiará equipamentos militares comuns e um Quartel-General permanente.

 

QUER uma Europa que proteja as indústrias estratégicas (francesas, entenda-se).

 

QUER um mecanismo de controle dos investimentos estrangeiros na Europa a fim de preservar os "nossos" (deles) sectores estratégicos.

 

QUER que, na discussão do Brexit, seja defendida a "integridade" do mercado único europeu, que haja um mercado único do "numérico" e um fundo de capital de risco que permitirá financiar o desenvolvimento de start-ups europeias, e que seja fixado um preço "plancher" do carbono nos países da União.

 

E também quer dar a palavra ao povo, propondo convenções cidadãs em toda a Europa para voltar a dar um sentido ao projecto europeu.

 

Costa quer por certo a quase totalidade destas coisas. E, no que não queira, venderá o seu apoio por alguns milhões, na boa tradição portuguesa desde 1986.

 

Isto é Macron. E é claro que, se fosse francês, não votaria em semelhante demagogo, até porque o homem presume de imaginar para a França um papel de liderança na UE, que nunca poderá ter, e que os mais de 25% que se abstiveram, mais os 33% (33% de 75%, entenda-se) que votaram Le Pen, lhe compram os delírios.

 

Então, se fosse francês votaria em quem, na segunda volta? Não votava, claro. Porque Marine iria fazer implodir a Europa, tal como a conhecemos, substituindo-a pelo caos. E Macron, como este ingénuo aqui, acredita que a geringonça europeia tem conserto pelo expediente de lhe aprofundar os erros.

publicado por José Meireles Graça às 01:32
link do post | comentar
2 comentários:
De Buiça a 11 de Maio de 2017 às 00:59
Palavras e campanhas levam-as o vento, talvez seja mais seguro partir do que Macron conseguiu de facto até agora.
Chegado à política a sério em 2011/2012 enquanto conselheiro económico do pateta Hollande consegue camuflar quase todas as insuficiências da aventesma contribuindo grandemente para a derrota de Sarkozy. Premiado com cargo sénior no Eliseu e ambicioso como poucos, na primeira oportunidade é nomeado ministro da Economia e Industria (!), cargo que desempenha com garra e brio. Desilude-se com algumas reformas que são bloqueadas no parlamento (inclusive pelo próprio partido) e decide que assim não vai lá. Desvincula-se do partido, lança um movimento, sai do governo e candidata-se a presidente. Menos de 1 ano depois é eleito Presidente.
Não me parece coisa pouca...
Já agora, porque raio é que num país estatizado um especialista em finanças, bancário fulgurante e com estudos em filosofia são contra-indicações num reformista? Não faz o minimo sentido...
De José Meireles Graça a 11 de Maio de 2017 às 01:47
Não disse que a formação em filosofia o desqualificava, apenas referi a condição de inspector de finanças e bancário. E, embora a afirmação não possa ser interpretada literalmente (na realidade não existe formação alguma, nem mesmo experiência de vida, que garanta ou impeça seja o que for no plano do acerto das decisões políticas) inspector de finanças e bancário são duas profissões que tendem a inculcar nos seus praticantes visões deformadas do mundo. O que será difícil de demonstrar - mas é a minha convicção. Quanto ao resto, o que diz sobre a carreira dele é correcto, e talvez seja um bom sinal. Se não aplicar quase nada do que o programa diz, o que, convenhamos, não é exactamente uma maneira criteriosa de ganhar eleições.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter