Sexta-feira, 27 de Novembro de 2015

Epitáfio

O governo que tomou ontem posse começa com confortável superioridade prática: a expectativa benevolente da maior parte da comunicação social; a esperança, crédula nuns casos, céptica noutros, de boa fatia dos eleitores que a aplicação do programa da troica penalizou com um colossal aumento de impostos, despedimentos e cortes, de verem tudo revertido; o apoio de parte substancial dos alquimistas universitários da economia (isto é, dos catedráticos à la Centeno e seus discípulos, que acreditam que o Estado sabe investir, e por essa via induzir o crescimento que pagará no futuro o aumento de endividamento feito no presente e permitirá o alivio dos impostos entretanto aumentados); o apoio nominal dos partidos comunistas, presumivelmente mais sincero no caso do BE; e a simpatia de quase todas as capelas do PS, pelas quais Costa distribuiu equanimemente lugares, incluindo no Parlamento, onde deixou dois ou três galos de combate, como o gongórico Carlos César, o esfusiante Galamba e Trigo Pereira (este último para, albardado com a clássica autoridade doutoral com que em Portugal se embrulha o asneirol, defender ex cathedra o programa económico do PS).

 

E nem sequer esqueceu as nomeações politicamente correctas: uma negra e uma invisual, em relação às quais temos que fingir acreditar, sob pena de sermos considerados racistas ou insensíveis, que as respectivas condições não tiveram qualquer peso na escolha, no caso de acharmos, como eu acho, que o principal critério para o desempenho de funções políticas deveria ser...  a competência para o desempenho de funções políticas ao serviço de uma ideia clara do que é o bem comum nesta ou naquela área - o que, naturalmente mas não principalmente, implica conhecimentos, e aconselhamento, técnicos.

 

A perfeição não é deste mundo, e as mulheres estão insignificantemente representadas. Não decerto porque tenha havido quaisquer tentações misóginas na escolha do elenco, mas porque não era possível, ao mesmo tempo, cobrir quase todos os ângulos donde possa surdir futuramente o inimigo dentro de portas e ter uma percentagem relevante de mulheres - as coisas são como são.

 

Este é o governo de um mágico da táctica política, capaz de transformar uma clara derrota pessoal numa vitória em todas as frentes, ou de um desprezível pote de banha ambiciosa - é como se queira, as duas descrições são boas e optar por uma ou outra depende sobretudo da inclinação política e do entendimento que se faça do que é ou não aceitável na gestão da carreira.

 

Falhará miseravelmente. Porque Portugal é hoje menos independente ainda do que o foi no tempo dos Filipes; a ideia de que escolhas democráticas se podem sobrepor à vontade dos credores, e obrigá-los a manter a bolsa aberta, não é mais do que uma demência que os comunistas por calculismo, alguns esquerdistas sortidos por ingenuidade, muitos socialistas por interesse e intelectuais como Pacheco Pereira por partirem de pressupostos errados, subscrevem; e a fé que norteia Costa de que a sua simpatia, que imagina irradiante, o seu palavreado, que supõe envolvente, e as suas artes diplomáticas, que julga superlativas, levarão a Europa a mudar, só poderia conduzir a bom porto, e mesmo assim transitório, se por artes mágicas uma vaga de fundo socialista, e socialista à maneira do sul, tomasse conta do continente, em particular dos países que pagam mais do que recebem.

 

Não é que não se possam impor condições aos credores - podem. Em sendo uma super-potência (o que sem dúvida somos, em relação ao Lesotho e Vanuatu) pode-se fazê-lo, inclusive, sem consequências visíveis. Mas em todos os outros casos, que são a quase totalidade, o resultado foi o desastre. E foi desastre mesmo quando, como com Ceausescu, se pagou mas reivindicando uma orgulhosa autarcia.

 

Isto na ordem externa. Na interna, os senhores jornalistas, mal pagos, com justificado receio do futuro, ressentidos pela maior parte, e pela maior parte ipso facto de esquerda, não resistirão a transmutar a sua simpatia em verrina à medida que se vá alargando o fosso entre o que este governo promete e o que alcançará; o contentamento dos eleitores evoluirá para tédio, e depois aversão, quando Costa for obrigado a defender cortes; e as consultas da comunicação social aos oráculos da economia, que hoje privilegiam uns, amanhã dirigir-se-ão a outros, que os há para todos os gostos.

 

Sobretudo o PCP, estancado que seja o risco mortal das privatizações que lhe sapariam o poder de facto e, com sorte, revertida uma ou outra, aproveitará o engrossar da voz da Europa que virá, fatal, para se recusar a trair os interesses das classes laboriosas, dos pequenos e médios empresários e do povo; e o novo presidente, se for Marcelo, e mesmo que não seja, não terá outro remédio, consultadas as sondagens, senão dissolver e convocar eleições.

 

Pode não ser assim. Costa, se conseguir endrominar os credores, conduzirá o país a um quarto resgate, quer Centeno, impante de satisfação por ser ministro, salte quer não salte a tempo; o PCP pode achar que lhe convém prolongar a experiência do governo, à boleia da sábia análise do que convém em cada momento ao avanço das forças progressistas; e de toda a maneira o futuro a Deus pertence.

 

E é mesmo a intervenção divina que seria necessária para a aventura, de uma maneira ou outra, não acabar mal.

 

O epitáfio para a merecida morte política de Costa poderá ser: Neste buraco jaz um político, no que a palavra tem de menos nobre. Cavou-o com as suas mãos, convencido de estar a lançar os caboucos para uma estátua à sua glória.

publicado por José Meireles Graça às 00:05
link do post | comentar
3 comentários:
De Ana Maria Azevedo a 27 de Novembro de 2015 às 20:10
Gosto da sua forma de escrever. Escorreita, bem estruturada com a pitada, ou colherada de ironia e sarcasmo qb. Devo confessar que gosto muitíssimo mais deste seu blog, do que da sua prestação televisiva, amiga Maya! Espero que de futuro dedique mais tempo a este métier da escrita do que o da adivinhação astrológica! Reitero o meu agradecimento, compungida!
De ana paula a 1 de Dezembro de 2015 às 18:01
GURONSAN, um de manhã, antes do pequeno almoço.
De José Meireles Graça a 1 de Dezembro de 2015 às 18:34
Obrigadinho, estou a tinto.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter