Segunda-feira, 26 de Outubro de 2015

Estamos fritos

Poderíamos, com o resultado das últimas eleições, ter um governo minoritário PàF, que reformaria ainda menos do que quando era maioritário e vivia sob a férula da troica, mas se esfarraparia para, ao menos, atingir as metas do défice.

 

Seria preciso que a bonança do preço do petróleo, a boa vontade do BCE e o ciclo de crescimento da indústria exportadora e do turismo se mantivessem, o que não parece, até onde a vista alcança, impossível.

 

Costa, porém, esse pútrido pote de banha ambiciosa, escaqueirou isto, ao inventar a maioria anti-austeridade; e Cavaco dinamitou a possibilidade da existência de deputados trânsfugas do PS, em número de nove para votarem contra em moções ou no orçamento, em número crescentemente maior se alguns destes ou todos se abstivessem, decerto por lhe parecer que esta quantidade de dissidentes simplesmente não existe no grupo parlamentar do PS.

 

Todos os partidos comunistas que aceitaram fazer parte de coligações, como parceiros minoritários, e entraram no jogo das cedências que a negociação permanente implica, perderam no negócio e foram reduzidos à insignificância, salvo quando puderam aproveitar a oportunidade para instaurar a revolução.

 

Porque os comunistas oferecem a terra prometida a quem nela acredita e odeia a desigualdade e os ricos; e a promessa vem completa com livros sagrados, um panteão de santos, um martirológio, e a caução da ciência marxista.

 

Tira-se algum destes elementos e o edifício da fé rui; e, ruindo, o crente muda de igreja.

 

Cunhal sabia disto; Jerónimo sabe disto; os textos teóricos do PCP não dizem outra coisa, para quem tiver coragem de se perder nos seus versículos e sermões; e não há qualquer actualização porque ela não é possível: ou se quer a sociedade comunista ou não, e tudo o mais é instrumental, táctico e circunstancial.

 

Uma coligação com comunistas não seria uma má ideia para o PS se este fosse dar um abraço de urso. Mas o urso, aqui, não é o PS, como se prova pela serena resistência e impermeabilidade do PCP ao longo de 40 anos, que lhe permitiu ser um bastião do comunismo à antiga no Ocidente: os outros que se entretenham com aggiornamentos, novas vias, agendas fracturantes e o camandro. O PCP está.

 

Está e colaborará com o PS para enxundiar o aparelho do Estado, alargar a sua influência nos sindicatos e meios de comunicação, minar as instituições e conservar, e se possível alargar, o número dos seus fiéis.

 

Em qualquer momento que o negócio não pareça estar a correr de feição puxará o tapete. E só aliás põe a hipótese de fingir ser um parceiro sério por os votos do BE não serem suficientes para a maioria. Porque, se não, deixaria desde já a Tininha, frei Anacleto, e todos os alucinados daquela agremiação de revolucionários de campus de universidades e tresleituras de Zyzek, fritarem-se em cedências ao grande capital multinacional, aos mercados, à plutocracia e aos inimigos da classe operária, dos camponeses e dos pequenos e médios empresários.

 

Cavaco, segundo a minha interpretação, não quer deixar esta herança, e deixará, pobre homem, um molho de brócolos.

 

Interessa por isso saber o que dizem os possíveis sucessores. E destes, em particular, o que diz o candidato da direita, porque um módico de sanidade ou vem dali ou não vem de lado nenhum.

 

Diz asneiras: que fará um único mandato, coisa em que nem o próprio, possivelmente, acreditará, para inculcar a ideia de uma independência que não se lhe deseja e um desprendimento que não se lhe agradece; que não se anuncia uma dissolução a prazo, em patente crítica ao seu putativo antecessor, como se este tivesse a opção de a fazer de imediato; que "não é bom para um país saído de uma situação de crise ter de viver seis meses sem Orçamento do Estado, o que implica um Governo em plenitude de funções" - como se fosse irrelevante a natureza do governo "em plenitude de funções".  E abundou nos elogios a Sampaio, um intelectual de pacotilha, autor de uns discursos sonsos a recomendar, quando se percebiam, disparates, e que se distinguiu sobretudo por demitir, ao cabo de seis meses, um PM cujos defeitos já conhecia aquando da indigitação, não obstante uma maioria absoluta no parlamento, para permitir o acesso de um patife ao Poder.

 

"Sou naturalmente próximo das pessoas e não vou mudar um centímetro a minha maneira de ser", declarou.

 

É pena. Que, por mim, dispenso a proximidade; a "maneira de ser" terá talvez alguma importância num sogro ou num genro, e muita num entertainer da televisão, mas pouca ou nenhuma num Presidente; e o que queria saber, mas não fui elucidado, é o que fará esta rolha do regime, se ganhar, com o país em pantanas.

 

Recebeu "uma prolongada salva de palmas".

 

Estamos fritos.

publicado por José Meireles Graça às 11:50
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 27 de Outubro de 2015 às 10:59
Infelizmente, penso que tem razão. A menos que apareçam 9 heróis trânsfugas do PS ...

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

E já agora e ainda que não tenha directamente a ve...
Virólogo queria eu dizer.
O virólogo e bacteriólogo de nome Dr. Stefan Lanka...
Bom dia!Primeiro de tudo, quero esclarecer que o m...
Como é que se pode afirmar que o vírus do sarampo ...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter