Sábado, 21 de Junho de 2014

Exames inconseguidos

Li a notícia, não percebi népias, e fui ler o ponto. Era para falar sobre o estranho caso ilocutório compromissivo ou assertivo mas rapidamente conclui pela natureza bizantina do assunto, pelo que desisti, não sem um desconsolado menear de cabeça: os moços não lêem, não sabem escrever, mas têm que encornar estas classificações abstrusas? A prova em si - há que anos não via um ponto de Português - deixou-me meditabundo.

 

Saramago era inevitável, por ser o Ronaldo das letras ainda não defuntas, sem desdouro para Cristiano, e Eça deveria ser inevitável, por ser o nosso grande prosador por antonomásia.

 

Vieira, é claro, tem lugar em qualquer ponto. Mas, se fosse examinando, leria de novo as instruções, a ver se podia optar por dois dos três autores, porque duas horas e meia (incluindo a tolerância) para interpretar três textos convenientemente, responder às perguntas inerentes e ainda redigir uma composição com "um mínimo de duzentas e um máximo de trezentas palavras" (já agora: como é que o aluno conta sem perder tempo, leva um palavrómetro?), a mim, parece-me curto.

 

Em vez de Eça, porém, temos um "colega" a falar dele. É o dois em um - ligamos aos clássicos que só visto, mas realmente é tudo gente morta, um contemporâneo sempre conhecemos da televisão.

 

Fosse eu o aluno, e o tempo não me chegaria para dizer que a senhora Lídia Jorge alinhou, sobre Eça, um impressionante chorrilho de banalidades pedantes: "(...) emoção das experiências abismais que aprendeu com os Românticos" (abismais porquê, Nossa Senhora?); "(…) o final do século XIX, esse tempo hiperbólico e desastrado (...)" (olhe, Lídia, o final do séc. XIX foi bastante pacífico, as hipérboles e os desastres foram um bom bocado antes, ou um pouco depois); "(...) admiração totalitária que Eça desencadeia (...)" (totalitária é como quem diz, não me venha cá com ofensas, que eu não sou desses). E, é claro, de modo nenhum subscreveria a tese de que os leitores modernos, encandeados (para usar uma expressão que Lídia, se não usou, podia ter usado) pelo génio de Eça, sofrem de "preguiça e lentidão" em entender a linguagem dos que se lhe seguiram - a linguagem dos que se lhe seguiram é que, demasiadas vezes, não merece o esforço.

 

Suspeito que os alunos guardarão pela vida fora, à força de empinarem definições linguísticas, análises cretinas, e modernismos pedagógicos sortidos, um sagrado horror aos nossos escritores.

 

Eça não merecia, Camões ou Vieira também não; as Lídias e os Saramagos sim.

 

publicado por José Meireles Graça às 16:07
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Quantas vidas destruíram, directamente, os milhões...
Os abusos que referi estão definidos no texto: ".....
Está a chamar a atenção, e bem, para o facto de os...
Abusos da justiça??? Mas há algum ladrão de milhõe...
O estado é o primeiro interessado que os tribunais...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter