Terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Férias

Estive voluntariamente sem notícias durante oito dias - os ventos da maresia não são incompatíveis com os da patetice mas, em férias, costumo poupar-me aos segundos.

 

De regresso, passo distraidamente os olhos numa e noutra publicação e tropeço, salvo seja, numa quantidade de baldes de água gelada que pessoas de representação, e outras nem tanto, despejam pela cabeça abaixo, com o meritório propósito de chamar a atenção para uma doença assustadora. Se a prática garantisse abundantes doações para a investigação científica da esclerose lateral amiotrófica, seria o caso de dizer que Deus escreve direito por linhas tortas. Mas as modas e as causas pop têm isto que as define: são efémeras. A doença não.

 

Quando era pequeno e ingénuo acreditei piamente que o lobo mau comeu efectivamente a avozinha e este trágico passo não me afligiu sobremaneira, mesmo antes de saber que, perto do fim da história, a avó era extraída, de perfeita saúde, do ventre da fera. Já crescidinho e cínico, toda a trama se me afigurou pouco plausível, excepto se em sentido figurado, caso em que o lobo mau se revelava um grande benemérito, amigo afinal das avós com vidas sexuais pouco satisfatórias. Pois o Capuchinho Vermelho, o Pinóquio, A Lebre e a Tartaruga, A Gata Borralheira, todas as outras histórias que povoaram os sonhos de gerações sucessivas de milhões de crianças, estão sob exame, não vão causar traumas duradoiros aos pobres querubins: "People must not blindly accept that classic moral stories are educationally beneficial simply because of their long history of use. Empirical studies are needed to ascertain their true educational value”, diz o autor. E eu, com a mesma desconfiança que, na Branca de Neve, me leva hoje a suspeitar de qual seria o verdadeiro papel dos sete anões no relacionamento com a princesa, fico a pensar que este maganão quer é fundos para further studies.

 

Finalmente, uma associação que se apresenta como de defesa dos consumidores vem dizer que há quadrilhas de ladrões que assaltam periodicamente cidadãos indefesos e distraídos e recomenda não os rigores do Código Penal mas sim que as vítimas possam pedir aos assaltantes, gratuitamente, que estes os informem se planeiam malfeitorias. É óbvio para qualquer pessoa de senso, mas não para a DECO, que se os bancos não querem, por qualquer razão, a conta de um cliente, não têm mais do que notificá-lo de que a vão encerrar, marcando um prazo para levantamento do saldo disponível, se o houver. E o Banco de Portugal o que tem a fazer não é regulamentar a trafulhice - é proibi-la.

 

Sabe bem regressar a casa e à normalidade. 

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 02:15
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Don’t try to have the last word. You might get it....
Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter