Sexta-feira, 11 de Novembro de 2016

Good news from America

Todos os genuínos democratas sentiram, com a vitória de Trump, uma grande satisfação, que não teriam se tivesse sido eleita Hillary Clinton.

 

Os eleitores foram expostos a uma campanha suja, de um lado e outro, desbragada, feita de ataques pessoais, repescando histórias antigas de deslizes de linguagem e de comportamento do candidato, incluindo testemunhos genuínos ou fabricados de mulheres ofendidas na sua dignidade, a que têm e a que dizem ter, pela sua personalidade machista, e outras não tão antigas, e substancialmente mais graves, do comportamento de Hillary como secretária de Estado. Donald não hesitou em momento algum em mostrar-se como é, no seu penteado absurdo, no seu mau gosto exuberante, na sua linguagem chã, mas também na sua proximidade às preocupações, aos medos e aos conceitos e preconceitos das pessoas comuns, as que não estão no círculo de poder de Washington, dos think-tanks, da opinião publicada, das redes de TVs, dos campus das universidades e das ideias dominantes do bem-pensismo que anda no ar.

 

Esta gente toda levou uma lição: a autenticidade, quando se casa com as genuínas preocupações das pessoas, paga; e a língua de pau, a pose, e o circuito fechado das elites dirigentes e preopinantes, não. O voto do espectador da Casa dos Segredos e o do trabalhador com medo da criminalidade e da concorrência do imigrante que aceita trabalhar por menos dinheiro, ou o do secretamente xenófobo sem saber o que isso seja, até mesmo o do cidadão que tem que suportar a sua vizinhança negra ou hispânica porque não tem meios para se transplantar para uma zona mais segura; o de muitos dos que acham que há qualquer coisa de errado numa sociedade onde se salvaram bancos mas com raros suicídios ou desgraça dos muito ricos que continuaram a enriquecer à sombra de políticos com um discurso igualitarista, enquanto milhares foram viver para trailers porque perderam as suas casas - todos esses votos valem tanto como o do plutocrata, do progressista das causas fracturantes, do jornalista que se imagina opinion-maker, e do liberal teórico que se felicita pelos milhões de chineses que saíram da pobreza por causa da liberdade de comércio. E esta mole insegura do seu futuro, e do do seu país, estava à espera de alguém que lhe prometesse credivelmente uma América great again, depois de um Obama que sempre fez discursos tanto mais empolgantes quanto mais aquém ficava das suas promessas de mudança.

 

Hillary papagueou sempre o mantra do político vulgar contemporâneo na América e, onde haja circunstâncias parecidas, no resto do Ocidente, e que consiste na defesa: dos pobres através de agências governamentais encarregadas de lhes promover o bem-estar, a saúde e a dependência; do ambiente através da multiplicação de normas, regulamentos e interditos que favorecem as grandes empresas, e da subsidiação da comunidade científica que vai segregando teorias alarmistas para cujo desarme propõe soluções que lhes garantem a eles, cientistas, proeminência e empregos; da igualdade material entre as pessoas, a golpe de aumentos de impostos, entre os sexos, a golpe da generalização do sistema de quotas, e entre as raças, fingindo que não há um problema com os negros das partes de cidades onde a criminalidade reina; e também da igualdade entre os naturais, antigos imigrantes há duas ou três ou quatro gerações, e os imigrantes actuais, dos quais muitos já não querem integrar-se, querem é mudar a natureza, e as instituições, do país que os acolhe, assim como da equivalência entre as religiões, metendo no mesmo saco de respeitabilidade as numerosas igrejas e capelas do cristianismo, sobretudo nas variantes protestantes, e o islamismo, cuja ameaça ao modo de vida ocidental não se quer ver. Tudo isto com o pano de fundo das mais que justificadas suspeitas do conúbio e da promiscuidade com os muito ricos, quando não de pura e simples corrupção. Na campanha, Trump foi dando uma solução, mesmo que pouco e grosseiramente articulada, a estes problemas, Hillary oferecendo, de forma estudada e bem formulada, as mesmas não-soluções que distinguem os políticos tradicionais, lá e em certa Europa, e que os fazem e farão perder eleições.

 

O que está feito, feito está, e certamente o que não faltam já são análises sobre o que se passou, que cabem quase todas nas categorias dos que, por terem ficado chocados com a vitória e terem o coração à esquerda, preveem agora o Armagedão, ou dos que entendem que o sistema de contrapesos, e o desejo de pacificação, transformarão Donald num presidente as usual. Estes últimos dirão que deixará uma marca tanto de ridícula como a de Obama foi inspiradora, com a mesma ineficácia na transformação da sociedade americana, que segue o ritmo que ditam os ciclos económicos, na ordem interna, e as imprevisíveis evoluções do velho jogo dos interesses permanentes, na externa. Ou seja, um era preto, magro e de esquerda, e deixa saudades porque iria fazer grandes coisas em nome da felicidade terrena que o establishment não permitiu; e o outro é cor de laranja, gordo e de direita, e não deixará saudades porque, felizmente, não realizará os seus maléficos propósitos porque o establishment o vai impedir.

 

O que ele prometeu para os primeiros 100 dias está aqui. Esta lista de medidas não pode ser executada em 100 dias (nem sequer nos quatro anos do mandato), e pelo que me diz respeito o que se prevê para o sistema penal, a bravata de pôr o México a pagar o muro, a deportação de dois milhões (!) de ilegais, e a ingenuidade de imaginar que, tão adiantados que estamos na globalização, se podem rasgar tratados e acordos com facilidade e sem consequências, são coisas que, entre outras menores, me deixariam os cabelos em pé, se os tivesse.

 

Mas creio que este programa, mesmo que fique, como ficam todos, muito aquém do que promete, vai geralmente na direcção correcta, para uma nação que se defronta com os problemas que a América tem. E é decerto um alívio não descortinar nenhum lip service às causas fracturantes, às preocupações com o aquecimento global, ao igualitarismo à outrance e todas as outras manias com que se entretém a malta das bandeiras desfraldadas ao vento das manifestações.

 

Vai ser, então, um bom mandato? Acho que sim. E, se não for, também não perco o sono: se todos os que detêm magistraturas de influência, e cátedras de opinião, se enganaram no diagnóstico dos problemas, e portanto não anteciparam o resultado das eleições, tenho o acrescido direito, porque não tenho nada disso, de me enganar, e talvez até me fique bem - serei como os mais.

publicado por José Meireles Graça às 11:59
link do post | comentar
1 comentário:
De Teresa Soares a 15 de Novembro de 2016 às 12:57
Nunca tendo sido uma pessoa "de direita" - e confesso que agora já nem sei o que isso - e se alguma vez fui "de esquerda", embora queira acreditar que sim, que esta ainda existe, que sempre quis melhorar o mundo, li esta opinião com muita atenção. E não posso estar mais de acordo, contrariando todos os meus conhecidos que me chamarão de renegada e odeiam o homem Trump, como sendo medonho, um perigo extremo, o demónio personificado, sobre o qual proliferam gifs a gozar com o seu ar físico balofo, os esgares e não sei que mais. Eu própria já o fiz, mas logo parei para reflectir que, afinal, o dito foi eleito pela ruralidade americana, tivesse a Hillary mais votos; que o sistema democrático funcionou, mais uma vez, nos States. Quem é que ainda não perceberá que com aquela candidata ficava tudo na mesma, apesar da propaganda jornalística e dos medos incutidos através desta? Quem é que tem medo do que agora virá? Sou optimista, embora não goste do eleito e dos seus excessos verbais. Mas o homem tem atitude (assertiva) - e, em relação a esta, já sugeria o dramaturgo Coward, não se deve encolher os ombros e muito menos, menosprezar, porque é uma coisa muito rara entre a mediocridade política e os tempos que pariram ratos.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter