Terça-feira, 13 de Dezembro de 2016

In illo tempore

Lê-se e o coração dos verdadeiros democratas freme de indignação pela maldade dos avoengos, orgulho pelo muito que se fez, e preocupação por não se poder - talvez - continuar, porque a hidra fascista sempre levanta uma das suas hediondas cabeças, ao lado da outra que se acabou de cortar há bocadinho.

 

É que as novas gerações não sabem que no tempo dos seus avós não havia nada, "era tudo uma expectativa". O deserto era de tal ordem que "ainda não havia leis", declara Abílio Fernandes, o comunista que ganhou a câmara de Évora oito vezes. Uma falha gritante felizmente colmatada de forma tão completamente satisfatória que a abundância de leis e regulamentos faz com que, hoje, o Diário da República, se encadernado, ocupe em cada ano uma área não inferior à de dois estádios de futebol.

 

Não havia leis e não havia nem água canalizada nem candeeiros à porta. E isto ainda não era nada, que para ir à fonte, de cântaro à cabeça, só não se pisava a lama porque "cortava-se mato e punha-se nas ruas", confessa Jaime Marta Soares, um social-democrata de Vila Nova de Poiares que foi eleito não pelos munícipes para ser presidente mas sim pelos presidentes para ser munícipe, segundo o próprio.

 

Eufrásio Filipe, do PCP, que em 76 ganhou o Seixal, sublinha o mesmo: "Havia grande proximidade com as populações e uma grande participação popular. Antes de fazer um plano de atividades da câmara reuníamos com os párocos".

 

Custa um bocado acreditar em ti, Eufrásio. Que a gente que viveu aquele tempo tem mais a ideia de que os párocos tinham, em relação ao PCP, algumas, digamos assim, reservas, do que é prova o facto de que o senhor Dom Januário Ferreira, conhecido clérigo vermelho, ainda teria que esperar mais treze anos para ser ordenado bispo - e mesmo assim de Gaudiaba, só o diabo deve saber onde isso fica.

 

Foram tempos heróicos. "Hoje as autarquias estão totalmente dependentes dos governos", lamenta o reformado Abílio.

 

Totalmente dependentes é como quem diz, que as receitas próprias dos municípios são maiores do que alguma vez foram. Mas não chegam, nem chegarão nunca, porque entretanto as câmaras municipais se transformaram em agências de empregos, conglomerados de empresas municipais e centros de negocismo e corrupção. E como o eleitor que dantes queria o candeeiro e a água, e entretanto ganhou além disso o pavilhão multiusos e a piscina, continua a querer coisas, mas não faz a ligação entre o que paga de impostos e o que custam os bens públicos, porque os impostos são nacionais e subreptícios e os bens locais e publicitados, resulta que o autarca deve ser hoje, como se não bastasse a designação abominável, um pedinte. Abílio, o recordista das eleições, tem neste ponto razão.

 

O Estado Central, porém, está falido. Tão falido que se vai devagar espalhando a convicção de que a dívida pública não pode ser paga, que os mais de oito mil milhões de Euros de juros anuais têm que ser reduzidos, que a dívida tem que ser renegociada e que (mas esta última parte fica reservada para socialistas moderados, como confirmei há pouco com deleite ouvindo Miguel Sousa Tavares a preopinar na televisão), em troca, não se podem ter défices para futuro. Em suma, há que dizer aos credores: até agora não valeu, a gente estava a reinar; mas pronto, passem lá uma esponja que os socialistas vão fazer um enxerto de instintos de contenção aos seus fígados despesistas, e os comunistas uma ablação das suas pulsões revolucionárias; e, já agora, a parte da dívida que está nas mãos de bancos portugueses esqueçam - a bem dizer o BCE bem pode arranjar uma solução, que mais trilião menos trilião é tudo igual ao litro.

 

Que este programa tenha pernas para andar seria milagre, mas já fui mais incréu - a União Europeia tem vindo a mostrar ser capaz de tudo, e ainda o seu contrário, para adiar a ruina do edifício.

 

Capaz de tudo mas não de nos fazer voltar aos saudosos tempos da revolução. Desde logo porque vivi esses tempos, no antes em que os municípios não tinham, nem podiam ter, défices, e por isso não levavam o saneamento, a água, e a electrificação a todos os lugares, senão ao ritmo das suas capacidades financeiras, e o depois, em que o céu foi o limite, com isso criando dívidas gigantescas, câmaras pletóricas, clientelas infindáveis, e aldeolas e lugarejos inviáveis que nem por terem chegado a estar servidos de quase tudo conservaram os seus habitantes, que emigraram para onde havia empregos ao mesmo tempo que o crescimento económico estiolou e os serviços foram fechando por um esforço de racionalização.

 

O Poder Local é uma metáfora do país; e que estes esforçados autarcas não percebam ainda hoje que a festa foi bonita, pá, mas acabou, ajuda a perceber por que razão o governo do dia, fiado na tolerância alvar do BCE, no preço do petróleo, em Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Portugal, e na benevolência do pateta contumaz que elegemos para presidente de República, tem ainda tão altas taxas de popularidade.

publicado por José Meireles Graça às 22:32
link do post | comentar
1 comentário:
De Jose Domingos a 14 de Dezembro de 2016 às 21:33
É curioso, que foi posta a correr, depois do 25, a verdade e a história a que tínhamos direito.
Quem ler ou ouvir, estes absurdos confrangedores, pensará, que em Portugal, antes do dito 25, os carros eram a vapor.
Não saberão, que em 1972, Marcelo Caetano, deu origem ao sistema de segurança social, que depois do 25, apareceu de avental. A revolução não inventou nada.
Por essa europa fora, também havia problemas, de crescimento, sociais, raciais, mas é claro, aos comissários politicos e censores cá do burgo, isto não interessa. Cá era só fascismo e escuridão.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Obrigado eu por o ler.
De facto, o orgulho em nós próprios, nas nossas es...
Os comunas ou marxistas são assim em todo o lado...
Pura corrupção xuxa-kostista
Senhora dona Sonia Mark, por favor vá publicar os ...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter