Domingo, 30 de Novembro de 2014

Jantar em dia de Congresso

Na minha cidade foi noite de vinho e barulheira. A festa, que tinha conotações classistas, sexistas e passadistas, esteve moribunda há uns anos, quando Portugal ia ser muitíssimo moderno, muitíssimo avançado e muitíssimo desenvolvido. As miúdas, porém, resolveram tomar conta, hoje tocam caixa e bombo com denodo, e apanham pielas com brio - qual sexismo qual caraças, a festa está bem e recomenda-se, tendo-se confirmado que alguma coisa havia de mudar para tudo continuar na mesma.

Pus-me ao largo há décadas - não gosto do barulho de zabumbas, de festas populares quero distância e borracheiras com dia marcado não são a minha praia, que não sou alemão. Por isso, fui mazé jantar a um sítio tranquilo, onde não havia o risco de tropeçar em nicolinos, bombos e desacatos.

Fiz mal, que o negócio dos restaurantes é dos mais exigentes, e arriscar experiências, para um reaccionário culinário impenitente, uma aventura de resultados com frequência dolorosos. A sala ampla, com alvas toalhas de algodão adamascado, baterias de copos, dois jogos de talheres, bem aquecida, impressionava favoravelmente, por contraste com o que dantes foi. O brônzeo da caixilharia de alumínio, os apliques pindéricos, as cortininhas de casa de bonecas e a lareira a fingir, num canto, auguravam o melhor, que em Portugal em sítios com decoração cuidada costuma-se comer merda e pagar caro. E tinha presente que o restaurante fora em tempos famoso pela ementa, filetes de pescada e lombinhos de vitela com ervilhas, uns e outros inalteravelmente bons, pelo vinho verde sem rótulo, excelente, e as piadas foleiras da empregadagem, ex libris do estabelecimento.

Pois a coisa não esteve bem: deixemos de lado o detalhe de haver talheres próprios para a entrada, mas não para o peixe; de o maduro da casa, alternativa em conta aos vinhos de marca da lista, caríssimos, ser uma burundanga; e de o pudim da sobremesa ser uma mixórdia à qual sobrava em farinha o que faltava em ovos, e vamos ao prato de resistência. Foi bacalhau à casa, o que queria dizer à Braga, ou à Narcisa.

Era dessa variedade branca, desmaiada e mal curada, que hoje é quase sempre como ele se apresenta, e que as novas gerações devem imaginar ser uma coisa que partilhamos com os ingleses, com a diferença de os filhos da Ilha, sem se dar ao trabalho de fingir que secaram e salgaram o peixe, o envolverem numa couraça repelente e o decorarem com batatas fritas, congeladas, a saber a bafio.

Vinha meio cru, e por isso regressou à cozinha, já não para lhe reforçar a fritura, que não deve ter sido possível, mas para lhe dar um acabamento de modo a ficar coisa nenhuma.

Fiquei a pensar para os meus botões: agora que já temos uns quantos restaurantes michelénico-estrelados, e muitos mais com cozinha de autor, que gostariam de as ter; que o turismo é, de longe, a nossa indústria de maior sucesso; que os nossos vinhos não param de ganhar prémios e subir na escala de valor, como se diz; que as casas de banho têm torneiras automáticas, que esparrinham para as camisas, e luzes que acendem por milagre, pelo efeito de atravessarmos o umbral, mas estão limpas, cortesia da ASAE - teremos que nos resignar a ver desaparecer o restaurante com defeitos tradicionais e pratos tradicionais, canonicamente feitos?

É esta pergunta angustiada que, em dia de Congresso do PS, aqui deixo. Que na verdade eu era para dizer umas coisas ácidas sobre aquela efeméride. Mas realmente não se passou nada, se é que assim se pode descrever um velório com discursos. No meu jantar sim, passou-se alguma coisa.

publicado por José Meireles Graça às 02:45
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter