Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2015

Je ne suis pas.

 

Jorge Sampaio reemergiu estes dias com o papelinho do Je suis. Confesso que cada vez que vejo a figura fico mal disposto. Não me sai da cabeça o seu percurso e onde nos trouxe a influência que teve na sociedade portuguesa.

O mesmo homem que à frente do MES nos idos de 75 defendia que não devia haver eleições livres porque o povo, esse grande e perigoso ignorante, não estaria preparado para votar "livremente" na consolidação da via socialista desejável para Portugal. Segundo a luminária, havia que esperar por tempo indefinido, "educar o povo" e só depois, quando o povo fosse garantidamente votar onde era conveniente, teriamos então eleições "livres"!

Entretanto, derrotado pelas eleições que não quis, foi fazendo o seu caminho rumo à comodidade alcatifada do PS. Chegou a presidente, da camara primeiro, da república depois, mas a consideração pelos resultados eleitorais "contra natura" continuou a mesma.

Detestou Durão Barroso, mas nada pôde fazer. Suspirou com a sua partida, mas detestava igualmente Ferro Rodrigues, incapaz de ganhar as malfadadas eloições a uma carpa morta há três dias. Cinicamente, havia que aguentar o Governo da coligação, por acaso com apoio de maioria absoluta parlamentar, até o PS resolver o seu "problema".

O PS resolveu o seu "problema", provavelmente instado por Belém, e deu um valente pontapé no traseiro de Ferro Rodrigues, acolhendo em extâse o menino d'oiro da Covilhã. Sócrates é entronizado para repôr a normalidade, levar urgentemente o PS de volta ao aparelho do Estado, ao exercício do poder. 

Para quem tivesse escrúpulos democráticos ou institucionais, dissolver um Governo empossado há pouco tempo e com maioria absoluta no Parlamento, com pretextos de pacotilha e um timing absolutamente escandaloso de tão evidente, seria muito, muitíssimo mau; para Sampaio foi normal, está-lhe no sangue. E os camaradas ficaram muito satisfeitos.

Em resumo, Sampaio é o homem que deu o golpe de estado constitucional que retirou Pedro Santana Lopes para lá pôr o seu amigo José Sócrates.

Pode não se gostar de Pedro Santana Lopes, mas olhando para Sócrates e para tudo o que fez a Portugal e aos Portugueses, podemos agradecer a Jorge Sampaio o servicinho que fez à república que tanto o emociona.

publicado por Raul Almeida às 01:35
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Permita-me dizer-lhe algo por achar deveras releva...
Permita-me a pergunta, mas qual vírus? Se se refer...
Boa...!! faz lembrar entao as compras quando nos q...
Eu recomendo sempre que toda a pessoa faça uma pes...
Acredito. Pois é, de facto e segundo o virologista...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter