Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

Jovem, casadoira e desempregada

Imaginemos uma jovem, casada de fresco, que se candidata a um lugar de faz-tudo num escritório de uma pequena empresa. E suponhamos que o patrão, ou alguém por ele, é suficientemente imprudente para declarar que não está para correr o risco de dar emprego a uma candidata que, mal acabe de conhecer os cantos à casa e os fios do negócio e do serviço, se põe na senhora da alheta por mor de dar à luz e se ocupar dos primeiros tempos de um novo cidadão endividado.

 

Imaginemos que a candidata rejeitada apresenta queixa. E que, perante o magistrado, o arrogante patrão diz que sim senhor, efectivamente recusou provimento à menina porque bem vê, senhor doutor, não é só o prejuízo de ter que encontrar outra pessoa, e novamente lhe dar formação, é também que o substituto sabe que está a prazo, e entre o que não desenvolve enquanto aprende e o saber que vai de vela quando a feliz mãe regressar (pelo que não cessará de procurar colocação noutro lugar), perde-se talvez aquele rendimento que ele, patrão, espera... está o senhor a ver?

 

Nesta maré, o magistrado, se for pessoa da esquerda anti-capitalista, já está fervendo de indignação; e se for de outras inclinações poderá ter alguma compreensão para o dilema do patrão ingénuo mas o resultado será o mesmo: condenação. Discriminação sexual se chama à decisão deste empresário obsoleto e sexista e nem as legislações nem a opinião pública a consentem.

 

A mim me parece que não pode haver discriminação senão perante situações iguais,  e da avaliação da igualdade de situações faz parte também o risco potencial que cada candidato evidencia para a estabilidade da relação laboral.

 

Porém, é social e humanamente intolerável que as mulheres sejam penalizadas por o serem; e mesmo que isso não fosse razão bastante sempre a renovação das gerações será condição de sobrevivência da colectividade.

 

Há por aí uma maioria, porventura esmagadora, que acha que o problema se resolve a golpes de leis, proibições e multas. E que supõe que em países avançados ele não existe. Mas existe, claro, que por toda a parte se sabem fazer contas.

 

Daí que a solução para a qual aponta o autor do artigo seja atribuir aos pais os mesmos direitos das mães - desaparece, como por encanto, o incentivo para a discriminação.

 

Brilhante, não? Excepto pelo facto de a discriminação se passar talvez a fazer em relação a jovens de ambos os sexos, precisamente a faixa da população mais afectada pelo desemprego.

 

Mundo complicado, este.

publicado por José Meireles Graça às 12:18
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter