Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

Liberdade vigiada

Numa consulta popular, muito mais portugueses saberiam quem é Alex Ferguson do que Nigel Farage, mesmo que o primeiro destes senhores esteja reformado há anos e o segundo se entretenha, desde 1999, a escavacar o Parlamento Europeu de que faz parte.

 

Os seus discursos, em que ridicularizava Durão Barroso e Van Rompuy, são excelentes peças de oratória. Que os portugueses nunca viram porque num país tão ferozmente europeísta, e sempre tão orgulhoso dos nossos, que triunfam lá fora, decerto não cairia bem ver uma assembleia tão patentemente exposta na sua imensa vacuidade, e o nosso Barroso com a cara de tacho que afivelava por cima da sua habitual, de panela, quando Farage o interpelava.

 

Só durante a campanha do Brexit, e mesmo assim de raspão, Farage começou a ser mencionado entre nós, sempre com a precaução de o indicar de extrema-direita. Qualificação que naturalmente nos impedia de o ouvir porque o espectador deve ser poupado a extremistas fascistas. Se forem comunistas, está bem: primeiro não são bem extremistas - Jerónimo de Sousa não dá um avô muito querido para qualquer um, e Catarina não é uma moça desempoeiradíssima e moderna? - e segundo porque, como toda a gente sabe, o fascista diz coisas impossíveis e o comunista sempre tem a vantagem, em juntando-lhe alguma água de rosas, de dar um social-democrata bastante aceitável.

 

Sucede porém que a televisão vive do espectáculo, e não hesita em passar qualquer reportagem sumarenta do mundo da política desde que haja suspeitas de corrupção, ou acrimónia, ou berreiro, ou exaltações, ou manifestações e caçoadas - em resumo, paixão: um grupo de senhoras e senhores a imputarem-se reciprocamente horrores com grande delicadeza não é tão bom como se se tratassem uns aos outros de pulhas e andassem à estalada, e o ideal seria que houvesse mais mulheres e o jogo da política se passasse também entre lençóis, connosco a ver, mas enfim, faz-se o que se pode.

 

É verdade que em matéria de espectáculo político para consumo de massas temos Marcelo, o entertainer da República. Mas, a julgar pela audiência à comunicação de fim de ano, é um cómico que começa a cansar, e qualquer dia se quiser regressar a grandes níveis de audiência terá que dar despacho no meio do Tejo, com a Guarda Costeira a afastar diligentemente a imundície para não o atrapalhar na promulgação de dejectos.

 

Ora tudo isto é estranho. Que se o vistoso, o espampanante, o diferente, vende, Nigel Farage é boicotado porquê? E não é só ele: Geert Wilders, que ainda há pouco foi julgado por discriminação racial e incitamento ao ódio, mereceu umas quantas referências apressadas porque o assunto era notícia em todo o mundo, mas não tivemos direito a ouvi-lo - quem quiser que vá ao YouTube. O espectador português é poupado a ouvir os horrores que incansavelmente debita o, possivelmente, político mais popular da Holanda, como foi aos do inglês que mais tenazmente defendeu o Brexit - e ganhou.

 

Que a televisão, por apenas querer vender, difunda horas infinitas de debates sobre os jogos que vai haver, os que houve, e, sobretudo, as trincas e mincas dos ídolos do dia, dos árbitros, dos casos, dos comentadores, e dessa fauna pouco recomendável que são os dirigentes, confere: o público quer isso, e quanto mais vê mais quer porque mais se enfarinha. E quem não dá para esse peditório tem bom remédio, que canais no cabo para outros interesses é o que não falta.

 

Então, em que ficamos? Os donos das televisões saneiam sistematicamente estes estrangeiros fascistas, ao mesmo tempo que promovem chatos que ninguém já tem paciência para ouvir, incluindo comunistas, porquê?

 

Está bom de ver: em todas as áreas a televisão vende espectáculo, mas os senhores que a dirigem, sobretudo quando são jornalistas, tomam-se por ideólogos e têm portanto ideias políticas. O futebol, os concursos, as telenovelas não são de esquerda nem de direita, e portanto podem ser servidos em doses cavalares. Mas estes jornalistas são anti-europeus, se forem comunistas; europeístas, se pertencerem a qualquer das outras igrejas; mas educadores do povo sempre, e quase sempre serventuários do poder do dia. E como o regime nasceu e se afirmou como a antítese do que estava antes, e criou uma imensa mole de dependentes sob a forma de pensionistas e funcionários públicos, já duas gerações de profissionais foram educadas no pânico de que os considerem fascistas, para o que basta que não papagueiem nenhum dos discursos que os partidos do sistema aprovam, e não defendam a manutenção do que está. Que se lixem as audiências - ir atrás delas está muito bem desde que com isso não se perca o emprego nem se ofendam os pais da Constituição, que são os donos disto tudo.

 

Daí que só se e quando Wilders chegar ao poder e começar, como quer, a pôr um travão na imigração, o possamos ouvir - para o ridicularizar, nós que não temos imigrantes porque eles cavam daqui a toda a pressa.

publicado por José Meireles Graça às 17:07
link do post
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Já chega!ZONAS DE SEGURANÇA:-» dinheiro mal gasto....
Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter