Terça-feira, 7 de Julho de 2015

Lições incompreendidas

Portugal não cumpriu as metas do MoU, não atingiu os défices orçamentais a que se comprometeu, reescalonou a sua dívida já por diversas vezes e paga juros ridiculamente baixos no mercado secundário, o que lhe tem permitido ir trocando dívida cara por mais barata, além de ter um pecúlio ao canto da arca, por mor de obviar a parte dos riscos das maluqueiras sirízicas. A dívida pública, essa, teve que acomodar um alargamento do perímetro, por os nossos patrões estatísticos irem depurando os seus critérios à medida que vão vendo o resultado da sua inépcia, e fingindo acordar para as vigarices e os alçapões a que fecharam os olhos. Não se sabe - eu não sei - se neste momento já parou de crescer, ainda que seja seguro que o ritmo a que cresce, esse, tenha vindo a diminuir.

 

Uma parte deste moderado sucesso resulta de o BCE garantir que será o contribuinte europeu a pagar o patau das asneiras das governações socialistas, domésticas e estrangeiras, e não os investidores, até há pouco tempo crismados de especuladores; e outra de o nosso governo ter ignorado boa parte do escarcéu dos indignados, okupas e crescimentistas sortidos.

 

A Grécia vem abalar este consenso feito de realismo e hipocrisia: como cresceu mais do que nós, porque se endividou mais do que nós, a queda foi maior quando chegou a hora de fazer contas; e o FMI, com característica imprudência, e as instituições europeias, com a obsessão da defesa do Euro, consentiram no arrastar de pés de uma classe política tradicionalmente corrupta e oligárquica, até que, já na praia, mas tarde de mais, uma população sem esperança escolheu uma quadrilha de comunistas aggionarti para tomar conta do barco.

 

Não é impossível que, a prazo, a história acabe bem - o resultado do referendo é um bom começo, se as instituições europeias não cometerem o erro de tentar curar a gangrena com o penso de um novo acordo, com ou sem perdão, com ou sem reescalonamento.

 

A Grécia deve, é claro, sair do Euro, porque o módico de crescimento a que timidamente chegou antes do Syriza não é mais possível; nem é concebível que, com o programa daquela agremiação (os ricos, estrangeiros e nacionais, que paguem a crise, que nós vamos aqui crescer à boleia do consumo das massas e do investimento público) haja outro futuro senão a dívida pública, e o respectivo calote, evoluírem da estratosfera para a mesosfera.

 

Sob a direcção do Syriza, nenhum acordo, por generoso, será cumprido; nenhum crescimento será possível - o capitalismo tem uma inclinação inelutável para acabar, quando gerido pelos seus inimigos. E nem mesmo o suplemento de alma que a dracma dará, sob a forma de incentivo ao turismo, à marinha mercante e exportações, depois de vencido o inferno dos dois ou três primeiros anos, será bastante - se os gregos não se livrarem do Syriza.

 

Livrar-se-ão, ou os militares por eles. E poderão, talvez, regressar a prazo ao seio das nações normais, depois dos credores lamberem as feridas do calote, no sentido de que deixarão de estar todos os dias nas notícias: a revolução é bonita, pá, mas Trotsky nem entre os seus camaradas teve um sucesso duradouro.

 

Isto para eles. E para nós? Vamos, é claro, encostar a barriga ao balcão, na parte que nos toca - mas isso é o menos. O mais seria que desta triste história se retirassem as lições que ela comporta, e que são: i) Quanto mais Juncker, Dijsselbloem e os outros apparatchiques falarem, pior. Ninguém realmente os elegeu para coisa alguma e ninguém entende com que legitimidade tomam decisões que afectam a vida das pessoas, ao mesmo tempo que quem realmente a tem, a legitimidade, que são os governos eleitos, fica na penumbra do diz-que-disse; ii) A moeda própria é uma válvula de segurança para os desmandos do mau governo, a alheia não é; iii) A bicicleta de Delors, Miterrand, Kohl e os outros putativos génios da casa europeia encravou de vez: não é só a Grécia que está desacreditada aos olhos de quem tenha algum de seu e não navegue nas águas do esquerdismo das causas - também a Europa pela qual a elite bem-pensante ainda jura sai do descalabro mergulhada na desconfiança e na descrença.

 

Ainda bem. Se o episódio tivesse servido para alguma coisa deveria ser para uma nova geração de europeístas defender a livre circulação de pessoas, bens e capitais, e uma pauta aduaneira comum; mas também a negociação permanente e a regra da geometria variável, isto é, uma Europa à la carte, sem legislações supra-nacionais cozinhadas por anónimos inimputáveis no segredo dos gabinetes. E, é claro, criar mecanismos para o abandono da moeda comum, uma falha ostensiva para cuja resolução os tontos defendem uma fuga para a frente.

 

É preciso fugir sim - para trás, para a Europa das nações, umas com sucesso, outras nem por isso, outras meio falhadas, que encontram nessa diversidade a emulação e o incentivo para fazerem melhor.

 

Mas só vai suceder à chibatada, que burros velhos não andam às arrecuas, de mais a mais quando essa andadura lhes roubaria as cenouras com que se atocham.

publicado por José Meireles Graça às 18:11
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Se os alemães nos vem buscar engenheiros às dúzias...
Óptimo. Muito obrigado.
E quando pela primeira vez desde 2000 demos um val...
O professor Rebelo de Sousa, se lhe pedirem para d...

Arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter