Quinta-feira, 2 de Junho de 2016

Lisboistão

Daniel Oliveira é, como quase toda a gente que navega na esquerda, um jacobino. Não tenho dificuldades em perceber o que diz, não obstante ser navegador de águas menos impuras, porque tenho também, como agnóstico, uma costela jacobina.

 

Ao contrário de Daniel, porém, o meu mundo não é simples: a dimensão religiosa da vida, que a mim me falha, a Teologia, pela qual nunca me interessei seriamente, o lado abominável da história do cristianismo, que não ignoro, o papel da Igreja Católica entre nós, passado e presente, negativo em muitas coisas e positivo noutras tantas - tudo isso e mais não me faz esquecer que a civilização ocidental está inextricavelmente ligada ao cristianismo, e entre nós, especificamente, à Igreja Católica, o que acarreta consequências.

 

Como Daniel e quase toda a gente hoje, defendo o Estado laico; mas não defendo o Estado cego, nem estúpido, nem ingénuo, nem engenheiro de arranjos sociais revolucionários. O modo como estão organizadas as coisas entre nós resulta de um equilíbrio que levou muito tempo a conquistar e nele o catolicismo não é, nem deve ser, uma confissão como as outras, porque está ligado à identidade nacional e ao sentimento, mesmo que difuso, da população, além de a Igreja Católica desempenhar uma obra social, educativa e de protecção do património, pelo que não deve ser tratada como uma qualquer IURD.

 

A Igreja já não se permite hoje defender um tratamento discriminatório para os não-católicos ou de inferioridade legal das mulheres - isso foi-lhe imposto e adaptou-se. E embora continue a defender soluções na ordem civil e no domínio penal que a maioria da população não subscreve, era o que mais faltava se a instituição mais antiga do país, e a mais prestigiada, não tivesse o direito de defender publicamente os seus pontos de vista - bem menos radicais, aliás, do que os que defende o PCP, os primos do BE e Daniel Oliveira, todos crentes na religião de que se-tirarmos-aos-ricos-e-dermos-aos-pobres-ficam-todos-remediados (aliás, com o grau de violência do Estado que for necessário).

 

É aparentemente o laicismo militante do Estado que Daniel defende, a propósito da construção de uma mesquita em Lisboa, exigindo que quem está contra o apoio com dinheiros e poderes públicos à erecção do templo negue, por razões de coerência, qualquer tipo de ajuda, discriminação positiva ou sequer presença de pessoas ou símbolos da Igreja Católica em edifícios públicos ou cerimónias oficiais.

 

Claro que não é apenas laicismo o que está em causa; é também, consciente ou inconscientemente, a certeza de que a Igreja defende os pobres mas não o confisco da riqueza, e isto não obstante as teologias da libertação e os deslizes ingénuos de alguns bondosos curas ou até de um Papa não por acaso sul-americano - ou seja, a certeza de que a Igreja é de direita. E a defesa, em nome do multiculturalismo, do Islão e suas práticas consiste assim objectivamente numa táctica leninista: há que apoiar para já o inimigo do inimigo principal; depois vê-se.

 

João Miguel Tavares explicou, com bons argumentos, por que razão Daniel vive em 1916 e não hoje, mas não nega o direito que teriam os muçulmanos de construir uma mesquita se o apoio público fosse menos grave: "... e é óbvio que construir uma mesquita em terreno expropriado não é o mesmo que vender a um preço simbólico um dos milhares de edifícios sem utilidade que a câmara possui".

 

Não é o mesmo, de facto, e foi na anquilosada cabeça de Medina, um homem premonitoriamente com nome de cidade saudita, que germinou a ideia de, num país católico, patrocinar com dinheiro do contribuinte a construção de um templo islâmico. Mas esta loucura, se o é, dificilmente terá graus: é pouco mais grave expropriar e subsidiar do que seria vender ao preço da uva mijona um edifício de propriedade pública - que seria exactamente uma forma apenas diferente de subsidiar.

 

Por mim, nem sequer estou convencido da necessidade de construir uma nota dissonante na paisagem em nome da liberdade religiosa, porque ela, a liberdade, pode bem exercer-se num templo discreto. Uma Lisboa com minaretes pode ser politicamente correcta, mas o minarete não é coisa portuguesa - isso é a torre sineira.

 

Depois, até pode ser que o xeque Munir acredite que o Islão é uma religião de paz. Mas atrás da mesquita vem a madraça; e atrás desta é apenas uma questão de tempo e de quantidade até que venha o moço barbudo, sem emprego, que procura as suas raízes, as suas virgens e a sua identidade num cinto de bombas.

 

Precisamos disso? E ainda por cima pagamos para isso?

publicado por José Meireles Graça às 23:27
link do post | comentar
2 comentários:
De cristof a 4 de Junho de 2016 às 01:56
Para concordar consigo nem é preciso imaginar nada. Basta apanhar um low cost e passar uns dias em Londres sou Bruxelas e andar nas ruas certas. Com ou sem passado as crenças deviam ser uma opção apenas a partir dos 16 anos. Dinheiro público nunca, crime tão grande como o dado ao futebol.
De Jorge Coimbra a 4 de Junho de 2016 às 20:30
Não repetirei todos os excelentes pontos apresentados, mas não resisto comentar a decisão do nosso PM: tanto disse que governaria com consensos, que foi para mim uma surpresa imensa ver um casal ser despejado do imóvel que a autarquia exigiu uma série de mudanças pois o imóvel era património público. Logo depois a câmara pensa em demolir a casa para lá construir a mesquita. Algo de muito estranho ocorreu aqui, além do olímpico desprezo de AC pela população!

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter