Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017

Lugares reservados

Em 25 de Janeiro do ano que vem uma deusa desloca-se a Lisboa e, sabedor do facto, apressei-me a reservar dois bilhetes para a aparição, um para mim e outro para a pessoa que me vai aturar e à artista.

 

É relativamente diminuta a quantidade de gente que gosta de música clássica. Em Portugal, então, é praticamente inexistente.

 

Daí que quem ache mal este estado de coisas, e não entenda que deva ser melhorado, como se entende sempre, despejando-lhe dinheiro público por cima, gostasse que quando nos visita uma estrela do firmamento mundial, a peça escolhida estivesse mais próxima daquela gente, que é quase toda, que tem o gosto, e os ouvidos, formatados na música popular. Piano de Tchaikovsky, Brahms, Beethoven, Schumann, Liszt, Grieg, estariam bem. Agora, Prokofiev?

 

Yuja Wang, que tem um repertório vasto, vem tocar um concerto para piano daquele contemporâneo de Estaline e, a menos que tenha sido escolha sua, já estou daqui a ver o intelectual metido a besta que acha que é mesmo isso o que convém a Lisboa - ouvir Prokoviev, aplaudir muito, suspirar de alívio no fim, e concluir que a música clássica é um género para gente esquisita.

 

Enfim, seja, a oportunidade não se pode desperdiçar. Lá fui comprar os bilhetes, via internet que eu moro longe.

 

Já os tenho, graças a Deus. Mas a Gulbenkian não é o Concertgebouw, lá isso não, pelo menos a julgar pela minha experiência, que se infere do e-mail que enviei àquela prestigiada instituição. Figura abaixo:

 

"Boa noite.

 

Tentei no v/ site http://www.bilheteira.gulbenkian.pt/selectTicketSeat.do seleccionar dois lugares para o concerto no dia 25 de Janeiro do próximo ano. Escolhi portanto dois da Zona 1, dos três a azul indicados como disponíveis. A mensagem de resposta foi "Não é possível escolher os lugares".

 

Passando para o quadro seguinte sem escolher lugares, a mensagem passou a ser "Não indicou o número de bilhetes".

 

Acabei por adquirir dois lugares na Zona 2, sem problemas. Aparentemente, na Zona 1 há lugares indicados como livres mas que na realidade não o estão. Ou estão mas o site funciona mal.

 

Em nenhum dos casos fico surpreendido: a organização é portuguesa e o local Lisboa. Se a propriedade fosse pública nem me incomodava a escrever.

 

Mas não é pública. Conviria que o não parecesse".

 

Não teve, é claro, resposta. Também não esperava.

publicado por José Meireles Graça às 21:14
link do post | comentar
1 comentário:
De Jose Domingos a 25 de Outubro de 2017 às 22:40
A desorganização deve ser contagiosa. Deve ter muitos funcionários públicos, por lá, a passear, claro.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter