Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

Luz, luz, muita luz!

1988, 89, 91 e 1997 foram anos negros para a humanidade: não houve Anos Internacionais e a vida tão difícil e trabalhosa de milhões de seres humanos não pôde sequer ser aliviada com os encontros, as comemorações e os discursos chamando a atenção dos distraídos e dos egoístas para os grandes problemas que nos afligem. É longa a lista das causas sobre as quais a ONU se vem com diligência debruçando desde 1957; e injusto esquecer, de entre todas, o Ano Internacional do Arroz, em 1966 e novamente em 2004 (este último possivelmente para incluir a variedade basmati, que tinha sido ignorada da primeira vez), o da Batata, em 2008, e o das Fibras Naturais, em 2009.

 

Seria talvez já tempo de um Ano Internacional do Caldo Verde, com isso reconhecendo a contribuição portuguesa para o bem-estar da humanidade, os efeitos benéficos, ainda insuficientemente divulgados, de tal preparado para o trato intestinal, e a importância ecológica da couve-galega. Mas não é ainda chegado o momento. E, a julgar pelo que se passou com o Prémio Nobel, que foi tardiamente atribuído à língua portuguesa e, com a pressa, adjudicado a um escritor menor, não seria de excluir que, em vez do celebrado caldo, se ficassem por um creme de nabiças de supermercado.

 

Isto é brincar com coisas sérias, claro. Que este ano, para quem ainda não saiba, é o da Luz. Da Luz mas também, em separado, do Solo.

 

Do solo ainda não li nada, pelo que não adianto coisa alguma, com receio de que me falte o pé. E da luz não me ocorreria mais do que mencionar o preço do quilowatt, um escândalo, não se desse o caso de o Prof. Fiolhais, coordenador da Comissão Nacional do Ano Internacional da Luz, se ter dirigido às massas, chamando a atenção para o facto, que tem passado desapercebido, de que os "sítios do mundo mais desenvolvidos são onde há luz".

 

Observação luminosa, esta, que não deixará de reverberar nas consciências. E, na mesma ocasião, o Professor enfatizou ainda que “as artes visuais, como a pintura, a escultura, o vídeo ou o cinema, não existiriam sem luz, sem a qual poderíamos conhecer muito pouco do mundo”. De facto, uma rápida reflexão conduz-nos a esta conclusão, e nem faço mais do que oferecer como prova a vida das toupeiras, que efectivamente é, do ponto de vista cultural, muito pobre.

 

O melhor é ler o resto das declarações, ricas de profundidade e ensinamentos, cuja conclusão foi que “sem a luz, a educação fica apagada. É bom que o mundo esteja unido para reconhecer esse poder na diminuição das desigualdades.”

 

Deus me livre de contestar os poderes da luz para reduzir as desigualdades. Mas conviria talvez explicar por que razão, se é assim, a Coreia do Norte e Cuba são dois buracos negros no nosso planeta tão cheio de luminárias, comemorações e patetices.

publicado por José Meireles Graça às 21:21
link do post | comentar
1 comentário:
De o sátiro a 27 de Janeiro de 2015 às 04:15
Excelente
Ironia hilariante sobre a pseudo ciência ,,,,
E com uma pitada fulminante de seta venenosa política.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...
Despedimento coletivo do Casino Estoril de 2010, a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter