Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Mar de problemas

Franklin Roosevelt terá dito do ditador Somoza que "ele pode ser um filho da puta, mas é o nosso filho da puta", ainda a Guerra Fria não tinha nascido mas já o Império Americano estava em full swing, com particular atenção ao quintal das traseiras.

 

Belos tempos, em que a realpolitik não precisava de se disfarçar de bons sentimentos e o mundo, se muito insatisfatório, como hoje, era relativamente fácil de perceber.

 

A América do Sul emancipou-se e a Guerra Fria acabou. E hoje a Venezuela pode tranquilamente evoluir para uma ditadura comunista em fato de treino às cores, com o cortejo de misérias que acompanha tais regimes, sob a liderança de um pobre diabo mais ou menos grotesco, que ninguém se incomoda excessivamente, salvo os Venezuelanos - mas que se amanhem.

 

Na África ainda não é assim. A descolonização foi ontem; a religião, em muitos lugares, é o islão, que ainda não ultrapassou o proselitismo guerreiro, que aliás lhe está no código genético, e tem lideranças que aspiram ao califado com telemóveis, e que por isso patrocinam o terrorismo; e, nos sítios onde há petróleo, como na Líbia, mas não havia um líder acomodatício, o Ocidente resolveu lá ir e escaqueirar tudo, sem ter o cuidado de garantir que ficaria no poder outro filho da puta, para não se desconjuntar tudo.

 

Na Síria, no Iraque, no Afeganistão, tem sido o padrão: a opinião pública ocidental não suporta os ditadores locais; e, havendo agitação, e estando em causa interesses económicos, toma partido pela oposição, em nome da democracia, um fato feito que um irremediável optimismo imagina que serve em todos os corpos. Vão lá os Americanos com o 7º de Cavalaria (os Europeus, com excepção dos Ingleses, costumam contribuir com avisos, declarações, resoluções, dois batéis, três avionetas e alguns batalhões de polícias), ou financiam um dos lados, e atolam-se em guerras intermináveis que não compreendem e só poderiam ganhar se napalmeassem toda a população. E isto sem falar da complicada teia de poderes regionais, rivalidades ancestrais, facções religiosas dentro do islamismo e suas seitas menores - mais coisas do que as que pode entender uma opinião pública educada nos simplismos da esquerda/direita e democracia/ditadura.

 

O tráfico de miseráveis da margem sul para a norte do Mediterrâneo é uma consequência deste estado de coisas. Quando Roosevelt se descaiu com a boutade não era possível - todo o norte de África era constituído por colónias ou países apenas nominalmente independentes. E as massas de deserdados da terra não tinham a televisão, que lhes mostra todos os dias o leite e o mel da Europa enquanto fogem da miséria e, às vezes, da guerra.

 

Sucede que a opinião pública, excitada pela imensa miséria humana que a televisão, com deleite e proveito, lhe serve todos os dias, quer uma solução. E não falta quem ache que essa é abrir as portas: "... uma política de imigração que não deveria ser outra coisa senão generosa e pôr em prática as ferramentas necessárias para fornecer os devidos vistos a refugiados políticos e económicos".

 

O conceito de refugiado económico é uma contradição nos termos - os países relativamente ricos têm tanta obrigação de acolher os naturais de países relativamente pobres como os ricos de receberem os pobres em suas casas. O refugiado foge ou da guerra ou do risco de prisão ou morte por delito de opinião, o que cabe no conceito de Direitos Humanos - a pobreza não. E isto explica por que razão gente de esquerda defende as portas estúpida e cegamente abertas - é um reflexo condicionado.

 

Não é que na Europa não haja necessidade de imigrantes - há. Mas para resolver problemas, não para subverter instituições políticas e sociais em nome de concepções religiosas medievais, nem para criar guetos raciais que, goste-se ou não, são a consequência de moles imensas de pessoas com aculturações diferentes integradas num corpo alheio.

 

Como resolver o problema, para já, então? Está aqui a solução - recomendo.

publicado por José Meireles Graça às 21:55
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Simples e sentido: a minha felicitacao e agradecim...
«Onze dos 24 infetados são funcionários de saúde»V...
Direi mesmo mais, senhor Pinto, é tanta a ignorânc...
Lamento a morte da rapariga, obviamente, mas se os...
É tanta a ignorância revelada pelo autor do texto,...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter