Sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Montanhas e ratos

Ficamos a dever a infernal barulheira que se faz à volta dos vistos dourados à capacidade que têm os cro-magnon do PCP, devidamente acolitados pelos primos do BE (que vivem geralmente a ilusão, e a pretensão, de não pertencerem à família) de influenciar o debate público; à surpresa de uns fait-divers policiais, inusitados por terem como objecto figuras gradas; ao oportunismo do PS, que - naturalmente - explora as dificuldades da maioria (as oposições não existem para facilitar a vida à situação); e ao estado de histeria noticiosa em que os meios de comunicação vivem, aqui e em toda a parte, a ver se angariam leitores, ouvintes e publicidade.

Um ministro caiu, e bem - não é inédito que numa escaramuça morra um general, apanhado por acaso, e à mulher de César etc. etc.; e todos os dias vão surgindo farrapos de histórias de tráficos, influências e moscambilhas, sempre ao nível do diz-que-disse e da conversa de café.

Aguardemos serenamente, como diria o dr. Sampaio, se alguém tivesse a peregrina ideia de o inquirir. Mas, a ser verdade o que aqui se diz, pode bem ser que esta - mais esta - montanha vá parir o clássico rato da absolvição, cobrindo-se o ministério público do ridículo da inoperância insanável, e o juiz que decretou as medidas do manto de justiceiro de pacotilha. Não o desejo - um país que despreza com razão a sua Justiça é um país doente.

Resta que, quanto ao fundo da questão, compro o que o Ministro Portas disse aqui. Já o que expectorou o comunista Filipe, e que vale a pena ouvir foi, na minha tradução livre, que um rico que pode comprar um visto dourado tem lepra; e um pobre dos muitos que nos entrariam pela porta, se ela estivesse aberta - asas. E como defende a igualdade, é de parecer que os ricos deveriam deixar de o ser, para o efeito de todos passarem a ser anjos e não nos baterem à porta.

E isto, que deveria ser apenas a tese do PCP, é infelizmente o sentir de muita gente que, como uma empregada com a qual uma vez discuti aumentos de salários, me disse: até pode ser que tenha razão, mas preferia que todos ganhássemos menos se houvesse mais igualdade.

Foram, até agora, 1775 patifes. Poucos, muito poucos: se tivessem sido 172000 sempre era metade do PIB.

publicado por José Meireles Graça às 12:01
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Se calhar não percebeu.E o seu interesse por espre...
A PGR era Cândida de Almeida, conhecida por arquiv...
O seu interesse pelo meu nome de baptismo faz-me l...
Ho f. bai-te f., primeiro vamos tratar de identifi...
Kamarada Makiavel, sua pergunta é muito important...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter