Quinta-feira, 13 de Março de 2014

Não há seriedade nisto

Primeira evidência: A dívida pública tem sido renegociada, nas maturidades e nas taxas, sem que isso seja trombeteado pelos telhados, sem assustar credores e até com a concordância discreta destes. Não há, assim, nenhuma razão para pensar que tal percurso não possa continuar, desde que os donos do dinheiro nem percam nada de imediato nem desconfiem estar a emprestar a engenheiros do default.

 

Segunda evidência: Mesmo que a herança de 2010 não fosse o défice propalado ainda hoje pelos seguidores de Sócrates (e são todos os socialistas, incluindo Seguro, a tropa patética que o rodeia e a tropa alacre dos que lhe querem calçar uns patins - todos foram coniventes ao tempo, e se recusam a fazer exame de consciência agora), mas outro largamente superior; e ainda que o perímetro orçamental tenha sido entretanto alargado, para acolher alguns elefantes brancos perdidos na savana dos calotes; sem esquecer que, possivelmente, ainda haverá mais dívida escondida par-ci par-là - sobra que a comparação entre o agora e o antes é entre o desvario e um mínimo de sanidade. Mas a dívida pública continua a crescer, porque o défice, esse maganão, encolheu mas não desapareceu.

 

Nem parará de crescer, a maldita, enquanto houver défice. E como os cortes que houve na despesa se aplicaram muitas vezes pouco a quem podia desaparecer sem deixar saudades nem estragos de monta (exemplo entre dezenas: Fundação Mário Soares) e muito a reformados e pensionistas, sem distinções de histórias contributivas; porque as manchetes dos jornais nunca estiveram, como teriam estado se houvesse reformismo determinado, entupidas de notícias sobre serviços extintos e legislação revogada; e sem esquecer que é grande a suspeita de que empresas amigas do capitalismo crony não foram nem são, nem serão, seriamente incomodadas, menos por realismo e mais por cobardia ou interesses ocultos: sempre se terá que concluir que mais cortes são necessários ou tem de crescer o produto - significativamente.

 

É aqui, no crescimento do produto, que entra o Senado. Que diz ele? Diz isto:

 

"É preciso uma profunda viragem, rumo a especializações competitivas geradas pela qualidade, pela inovação, pela alta produtividade dos factores de produção envolvidos e pela sagaz capacidade de penetração comercial em cadeias internacionais ou nichos de mercado garantes de elevado valor acrescentado. Trata-se certamente de um caminho difícil e de resultados diferidos no tempo. A sua materialização exige continuidade de acção, coerência de estratégias públicas e privadas, mobilização sem descontinuidades de elevado volume de recursos, bem como de cooperação nos mais diversos campos de actividade económica, social e política. Será tanto mais possível assegurar a sustentabilidade da dívida, quanto mais vigoroso for o nosso empenho colectivo no aproveitamento das oportunidades abertas pela reestruturação no sentido de promover esse novo padrão de crescimento."

 

Baloney, treta, conversa para boi dormir. Porque o alguma coisa - e alguma coisa - a que se podem aplicar estes palavrões (qualidade, inovação e patati e patata) tem sido feito pelos empresários que não assinam manifestos, não são conhecidos, não frequentam workshops nem fingem representar ninguém, como o patético patrão dos patrões Saraiva, e do Estado querem apenas subsídios, se houver, e distância, que infelizmente escasseia, no demais.

 

Eu não sei se, e quando, a dívida será reduzida para os míticos 60% do PIB; não sei se o recente e renascido dinamismo não será abafado pelo impacto no consumo que novos cortes terão; e certamente, se perguntado, iria por um caminho que quase ninguém quer, estudiosos, inteligentes sortidos, governantes, candidatos a governantes e governados.

 

Mas sei que esta brigada de próceres não alcança mais do que as estafadas receitas da chupice europeísta, o despesismo estatal e as apostas - agora é na "continuidade de acção", "especializações competitivas", "coerência de estratégias" e o catano. Tudo, absolutamente tudo, o que seja necessário, mesmo com o preço de anular temporariamente as diferenças enormes entre os subscritores e abalar o módico de confiança que se começa a desenhar, para substituir os que estão no poleiro e ir fazer o mesmo - com menos autoridade, menos convicção, mais juros e mais palavreado.

 

Não há seriedade nisto.

publicado por José Meireles Graça às 15:47
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Tem razão, ignorava. Obrigado.
Muito bem! De referir apenas que já não existe, de...
Nem a proposito... ainda ontem lia esta noticia......
O autor deveria saber que para o Estado não ir á s...
Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter