Quarta-feira, 12 de Outubro de 2016

Nova Eŭropa Viro

Os impostos podem tornar os portugueses mais saudáveis?, pergunta o título e o texto responde dando a entender que sim.

 

Eu também acho. E nem preciso de exercitar a imaginação: quando comecei a trabalhar muitos empregados fumavam e hoje a esmagadora maioria não fuma nem tosse, a ponto de, quando vou do meu gabinete à secretaria, onde ninguém tem esse hábito demonstradamente nocivo, e calha ir fumaçando, haver com frequência alguém que lembra a proibição legal de fumar em espaços públicos, menos com a esperança de me ver apagar o cigarro e mais para me ouvir dizer, pela milésima vez, o que realmente penso das proibições fascistas e o que se entende por espaços públicos, que não são certamente os da fábrica que fundei e onde trabalho. Sou um patrão moderno: qualquer trabalhador tem a liberdade de me dizer o que entende depois do meio-dia, e eu a de ouvir apenas o que me agrada, convém ou acho útil.

 

Não fuma porquê? A maioria porque não pode: um operário que ganhe o salário mínimo e fume um maço de tabaco por dia gasta quase um terço do vencimento em tabaco. E portanto faz das tripas coração para deixar de fumar, tendo como recompensa a satisfação de pertencer à virtuosa maioria, e como vingança o direito de atazanar a paciência aos escravos do vício, ameaçando-os com os rigores da lei umas vezes e dando consultas antitabágicas grátis, outras.

 

Com isso, abdicou do direito a, depois do café da manhã, fumar o saborosíssimo primeiro cigarro do dia; depois do almoço, que trouxe de casa, a não regressar ao trabalho sem dedicar algum tempo ao prazer; e aumentar a concentração, se ela for necessária, aliviar o stress, se existir, distrair quando a tarefa é chata - tudo o que o tabaco faz e que explica o sucesso que teve e ainda vai tendo junto de alguns diehards.

 

Abdicou do prazer, numa vida que é escassa deles. E isto em nome dos senhores médicos, que consolam a sua incapacidade para curar os males que o tabaco provoca com o expediente de proibir os comportamentos que evidenciem a sua impotência, demonstrando ao mesmo tempo o poder e importância que têm; dos senhores políticos, de cujas motivações abaixo se dá nota; e da maioria dos cidadãos que, no tabaco e no resto, nunca precisaram senão de boas desculpas para reprimir os comportamentos das minorias, em particular se estes caírem na categoria de vícios.

 

O Poder, em particular nas sociedades democráticas, não quer desagradar à opinião pública, porque quem o detém quer lá manter-se e quem não o detém quer lá chegar. Para agradar à maioria é preciso distribuir benefícios - as campanhas eleitorais são hoje leilões de promessas onde ganha quem as faça credíveis. E como, mesmo descontando a aldrabice, com a qual aliás o eleitor já conta, é preciso entregar, a receita fiscal tem que crescer, coisa que sucedia naturalmente no saudoso tempo em que a economia crescia.

 

Agora não e é portanto necessário usar expedientes: um bom é aumentar os impostos indirectos - toda a gente se queixa do preço do combustível (que nunca esteve na origem tão barato), sem se dar conta que o imposto embutido no preço pesa mais do que o produto refinado; e se uma categoria de produtos tem muita procura, mas infelizmente uma taxa normal de imposto (o "normal" é quase um quarto do preço) a solução é dependurar-lhe um labéu de nefasto para a saúde, e zás, logo a opinião pública fica receptiva a pagar taxas delirantes. À força porém de tirar dinheiro dos bolsos de uns para enfiar nos bolsos de outros estamos já na situação em que, com frequência, são os mesmos: o tipo a quem aumentaram a pensão vai dar um passeio no carrito e descobre que o aumento que lhe deram não cobre o aumento do custo do passeio; o funcionário cuja dignidade estava ofendida mas deixou de estar porque o novo governo respeita as pessoas constata que não consegue pagar as despesas escolares dos filhos sem passar fome; e assim por diante.

 

Dos impostos directos nem é bom falar, que ricos já não há faz tempo, pelo que mesmo com o exercício semântico de chamar "rico" a quem é apenas remediado nem a receita é muita nem a operação segura: os antigos remediados, agora reclassificados para efeitos fiscais, são com frequência socialistas, e não estão portanto disponíveis para redistribuir senão o que não lhes pertence.

 

Entretanto, o Serviço Nacional de Saúde tornou-se, por boas e más razões, uma vaca sagrada do regime. E como a evolução das contas nacionais mostra que os cortes não foram nunca suficientes; a receita não cresce para alimentar as insaciáveis necessidades daquele serviço; e a população cada vez mais envelhecida requer cada vez mais do SNS, quando ele pode cada vez menos: há que fazer um homem novo são, atlético, que não adoeça, não tenha vícios, não se alimente mal, faça exercício - tudo a golpes do Fisco, da polícia de costumes, de regras, regulamentos e propaganda.

 

No limite, e como escreveu um leitor indignado do artigo, "a melhor solução era mesmo retirar do SNS o tratamento a doenças resultantes de maus hábitos de saúde como alcoolismo e tabagismo crónicos".

 

Santas caixas de comentários, nelas se encontram sempre os reformadores sociais, os ferrabrases de aldeia, os justiceiros, e os imbecis. Que este santo homem não se apercebeu que o que os fumadores pagam em impostos, e poupam em pensões por morrerem mais cedo, cobre largamente o seu custo acrescido; para não lembrar que não poucos cidadãos se excluiriam eles próprios do SNS se se pudessem também livrar de o sustentar.

 

Enfim, caminhemos alegremente para o mundo novo que a preclara Comissão Europeia aponta: de todos o que puderem, a todos o que não lhes podemos dar; e todos morreremos em instituições de terceira idade, sãos como peros salvo as doenças da senectude, de todos esquecidos e esquecidos de nós próprios.

publicado por José Meireles Graça às 12:16
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter