Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2017

Novos velhos e velhos novos

Miguel Sousa Tavares, um conhecido comentador que tem por hábito asneirar com grande liberdade e franqueza, nisso se distinguindo dos seus colegas socialistas que costumam ser mais calculistas, disse na SicN que "quando a vontade do povo é qualquer coisa que vai contra aquilo que nós temos como o bem comum e as melhores ideias, não é preciso ceder à vontade do povo, é preciso resistir à vontade do povo”.

 

Isto eu ouvi e disse para os meus botões que aquele ilustre residente há décadas nos lugares cativos da opinião na falida comunicação social precisava que lhe cascassem - a gente de senso sujeita-se a opiniões de comunistas e às fracturas expostas dos adolescentes do Bloco e protege-se com o comando à distância, tirando-lhes o pio, mas ainda vai ouvindo socialistas para se inteirar dos novos asneiróis da governação. E vai ele e sai-se, a propósito de Trump, com uma destas - o presidente alaranjado tira pelo visto a esquerda, e muita direita, do sério.

 

José Mendonça da Cruz acertou-lhe o passo, tão completamente que partilhei o texto no facebook e, relendo-o, não tem lá nada com que não concorde.

 

Da esquerda estamos conversados, mas fiquei a pensar. Há demasiada gente à direita (e não, não estou a pensar no PSD, que contrasta com o PS sobretudo por gostar de contas equilibradas, nem no CDS, que contrasta com os dois sobretudo por achar que o bom cidadão vai à missa) que, ainda antes de Trump se estatelar, dar o dito por não dito, ou mudar de penteado, ou cancelar a conta de twitter, nem sequer lhe dá o benefício da dúvida, e pelo contrário exibe desde já um ódio furioso.

 

Não pode ser por causa do proteccionismo. Isso aflige talvez os chineses, os japoneses e todos os que tenham um superavit comercial, além dos liberais clássicos, que aliás entre nós não chegariam a encher o estádio do Dragão. Mas mesmo entre estes há vozes que lembram que os tratados comerciais longamente negociados têm três problemas: um é que ninguém, salvo os especialistas, os entende; o outro é que há suspeitas de que estão recheados de cláusulas que favorecem grandes empresas, e que foram lá plantadas por lobbies; e o terceiro é que a liberdade de comércio permitiu a saída da pobreza a uma quantidade de pessoas sem precedente (diga lá o papa Francisco o que disser, convencido que está de que calça realmente os sapatos do santo de Assis) - mas o emprego no Ocidente já não é para a vida, e enquanto dura é relativamente mal pago. Que interessam lá os chineses, ou vietnamitas, ou os pretos, que estão todos melhor? Nós temos menos esperança no futuro que os nossos pais, e isso não pode ser. Não, não é o proteccionismo que justifica tanta exaltação.

 

Não pode ser a NATO, que Trump parece não querer bancar, nem os gestos de compreensão em relação a Putin, que a União Europeia execra, nem o evidente descaso da própria ideia daquela União, nem o alinhamento com Israel, nem muito menos a adivinhada sobranceria na relação com a ONU. Os europeístas frenéticos (com perdão da redundância) veem nestas inflexões uma excelente desculpa para o reforço da integração, agora com uma componente militar, por causa do alegado expansionismo russo, e esfregam as mãos; a perspectiva do reforço da integração, mesmo para os que a não desejam, não explica a vasta coligação anti-Trump, nem a sua veemência; contra Israel está apenas a esquerda e uma faixa minúscula da direita; e a ONU não conta, salvo para Guterres, por lá estar a bolsar irrelevâncias, e o professor Adriano Moreira, por não falar doutra coisa.

 

E também não pode ser a evidente componente anti-islâmica do discurso trumpista porque a direita sabe que o Islão é uma ameaça, e não ignora que quando as comunidades muçulmanas atingem uma certa dimensão não apenas não se integram como rejeitam a tolerância, a igualdade entre os sexos e os outros valores que fazem com que no Ocidente se viva no séc. XXI e nos países islâmicos algures entre o VII e o XVIII. Que haja alguns ingénuos que, por causa da igualdade religiosa, não queiram ver as coisas assim, não monta.

 

Não pode também ser a posição de Trump sobre o waterboarding e o reforço dos poderes das polícias. As selvajarias americanas nunca incomodaram excessivamente as direitas no tempo de Bush, e de todo o modo não faltam, à direita, justiceiros acéfalos.

 

O quê, então?

 

Trump é, como o Brexit antes dele, o novo - o mundo velho está a ruir. Está a ruir com o regresso dos fantasmas dos nacionalismos, e dos equilíbrios geoestratégicos, e das alianças, e da importância da história - uma horrorosa complicação.

 

Sousa Tavares queria que a história acabasse, a União se aprofundasse, a ONU fosse mais respeitada, os muçulmanos se integrassem, os países fossem mais solidários, os cidadãos menos desiguais, os impostos mais baixos com um Estado Social mais amplo, e que as touradas continuassem, mas sem sofrimento do touro.

 

Queria isto. E a direita tradicional, com cambiantes, não queria a parte lírica disto, pelo que se definia, nessa parte, contra.

 

No nosso mundo antigo podíamos tranquilamente sonhar com uma sociedade nova, se fôssemos comunistas; ou em mudar de sexo a expensas do Estado, se fôssemos da esquerda festiva; ou em comprar eleitores com benesses, enquanto a economia crescia como por milagre, se fôssemos socialistas; ou em gerir com um módico de sensatez a coisa pública, se não fôssemos nenhuma daquelas abominações.

 

Quer dizer que nos entendíamos perfeitamente no rotativismo em torno do que está.

 

Mas o que está vai desaparecer. E podemos recuar assustadamente à procura da segurança do antes, a golpes de manifestações, artigos, desinformação, berreiro na comunicação social e ofensa dos eleitorados; ou agir sensatamente, tirando o melhor partido das circunstâncias.

 

Dito de outro modo: os velhos que o são, e os que só têm quarenta anos, mesmo que pareçam trinta, mas não estão a ver o filme, querem pôr um dedinho no furo da barragem, imaginando que por isso ela não vai abrir brechas. Já os velhos que o não são, mesmo que tenham sessenta anos e imaginem parecer ter apenas cinquenta, e os novos lúcidos, compreendem a futilidade do exercício.

 

Por natural modéstia, que espero se me desculpe, omito qual é destas a faixa etária a que pertenço.

 

publicado por José Meireles Graça às 15:47
link do post | comentar
2 comentários:
De José Mendonça da Cruz a 3 de Fevereiro de 2017 às 08:03
Obrigado, José Meireles Graça pelo comentário tão simpático (e pelo incremento das visitas também)
De José Meireles Graça a 3 de Fevereiro de 2017 às 11:29
Simpático nada, José Mendonça da Cruz, apenas justo.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter