Segunda-feira, 18 de Maio de 2015

O Grande Irmão

Claro que as autoridades dinamarquesas se estão nas tintas para o que custa produzir as notas e as moedas: os custos administrativos e financeiros dessa produção não são senão uma pequeníssima parte dos custos da omnipresença informática do Estado; e se esses custos tivessem realmente alguma importância poderiam ser cobertos com uma taxa - se tantas se inventam para serviços que inexistem ou são daninhos, mais uma menos uma nem se notaria.

 

Sucede que o cidadão com dinheiro no bolso é um perigo: pode subtrair-se ao cumprimento das suas obrigações fiscais, e induzir outros a que o façam; pode adquirir produtos, e alimentar hábitos, que lhe façam mal à saúde; pode inclusive sustentar - ó perfídia! - vícios; e sobretudo a sua vida ainda não é um livro completamente aberto - pode, em suma, fazer coisas sem que as autoridades saibam.

 

Ora, isto não pode ser. Um suspeito de qualquer coisa já hoje pode ter a sua vida completamente espiolhada: que doenças tem, com quem se dá, onde vai, onde come, o que come, o que lê, quais as suas inclinações políticas e religiosas, o que compra, quando, com que recursos, se tem ou não pecadilhos, e um longo etc. E suspeitos todos podem ser, para já desde que haja denúncias ou deem nas vistas, a prazo, e porque os meios já existem, e quem os controla também, a título de fiscalização preventiva.

 

A populaça local acha bem, e se esta iniciativa agrada aos cidadãos dinamarqueses, que, por serem loiros, altos, ricos e social-democratas à moda do Norte, tendem, na opinião de não poucos dos meus compatriotas, a ser mais lúcidos do que nós, a coisa há-de cá chegar.

 

O pretexto não será o custo material do dinheiro em espécie - a desculpa pode funcionar com os totós lá do Norte, aqui costuma-se embarcar em tiradas de maior fôlego, como o combate à evasão fiscal e o reforço da justiça social - dois bordões ao abrigo dos quais os direitos dos cidadãos se veem diminuídos e os das burocracias e parasitagens aumentados.

 

A quem protestar dir-se-á: mas o que é que você tem a esconder, hem? E o destinatário da objurgatória embatucará porque realmente quem tem qualquer coisa a esconder (e toda a gente tem, salvo santos, heróis e doidos) não pode, precisamente, responder - porque se denuncia.

 

Prossigamos, então. Desde que, é claro, não se ofenda o sagrado direito à opinião - isso nunca. E mesmo esse, crescentemente, só na medida em que não se tenham opiniões racistas, fascistas, sexistas ou outros istas que a liberdade vigiada vai inventando.

 

A caminho da sociedade perfeita, pois: de cada um segundo as suas possibilidades, a cada um segundo as suas necessidades. E sem revoluções, nem convulsões, nem griteiros - com medidinhas fiscais. O Fisco é poderoso: foi com ele que se tramou Al Capone, que a dificuldade de provar os crimes que praticou não permitia condená-lo.

 

Mas com Al Capone foi um recurso; agora é uma fatalidade. E criminosos, bem vistas as coisas, somos todos - até prova em contrário.

publicado por José Meireles Graça às 12:42
link do post | comentar
3 comentários:
De Jorge Ventura a 24 de Maio de 2015 às 22:44
Li isto e fui logo perguntar a um amigo dinamarquês o que se passava , se isto tinha algum fundamento. Sucede que a "populaça local" ficou tão entusiasmada com a ideia como seria de prever e já não se fala mais nisso.
De José Meireles Graça a 24 de Maio de 2015 às 23:41
Onde há fumo...
De Jorge Ventura a 24 de Maio de 2015 às 23:54
Sem dúvida, e também não duvido que a ideia seja apelativa para muita gente , desde banqueiros a políticos de vária estirpe , mas arrisco que os dinamarqueses são suficientemente informados e atentos para recusar liminarmente uma revolução dessas .

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

A Sra. Bastonária esqueceu-se de uma coisa. Não só...
Acho que a Sra. Bastonária terá sido porventura po...
Nem mais, os minhotos com razão.Ppq
Nos hospitais portugueses há 50 anos havia mulhere...
Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter