Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016

O país que está

Somos legião os que nos habituámos há décadas a contar com Vasco Pulido Valente para, por trás das personagens da política, da literatura, das artes e do entretenimento, perceber o significado oculto dos incidentes que fazem a história dos nossos dias, e entender quem são realmente eles, o que querem, o que deveriam querer, qual o significado do que dizem e fazem, e de que forma se encaixam numa tradição histórica que lhes ilumina as acções.

 

Mais nenhum comentador faz isto. E mais nenhum ainda o consegue com uma escrita elegante, com frequência ácida, onde a mestria do português se combina com a capacidade rara de dizer muito com pouco - precisamente o oposto do que fazem quase todos os que entendem confiar aos meios de comunicação social o que lhes vai na alma, para edificação dos leitores.

 

E são legião também, e sempre foram, os que não lhe perdoam não fazer parte da escola do respeitinho, do Portugal torrãozinho de açúcar, patriotaça, patrioteiro e patriotarreca; além da corte dos que se movem na esfera do Poder, da influência, da dependência dos poderes de facto, adeptos quase todos da confraria do elogio mútuo.

 

Vasco Pulido Valente não é desses; e imagino que por isso pague um pesado preço: Portugal resume-se, para estes efeitos, a Lisboa, que é uma paróquia em que toda a gente conhece toda a gente. Ser independente neste meio, e usar da liberdade de escavacar toda a vaidade irritada e irritante, todo o bonzo cultural, todo o medíocre alçado a pensador, todo o carreirista transmutado em estadista, e todo o medíocre hábil, tem de ter um preço. E este, na sua declinação menor, é volta e meia ver zurrar na praça pública alguma excelência que se imagina ofendida.

 

Pois VPV, que estava desaparecido, para alívio dos poderes do dia, que calha serem os dos socialistas do nosso descontentamento agora, e da nossa desgraça a prazo, reemergiu no Observador. E - ó imprudência - em meia dúzia de linhas reduziu o santo civil Guterres à sua dimensão de pequeno político beato e pusilânime.

 

As reacções não se fizeram esperar, inconscientes embora os seus autores da homenagem involuntária que faziam a quem com poucas linhas demolia o ídolo que o PS oferecia à adoração das massas, e propiciava os panegíricos delirantes com que a classe política inteira, incluindo o presidente da República, se uniu na comunhão do asneirol louvaminheiro.

 

Um desses que tomou as dores do patriotismo ofendido foi o embaixador Seixas da Costa, num texto espumando inveja e ressentimento, que resume a vulgata do que se aponta a VPV: este não é capaz de vislumbrar a grandeza de alguns dos seus concidadãos, por se inserir numa tradição de escárnio e maldizer que tem sucesso junto dos invejosos. Ao embaixador (embaixadorzinho de merda lhe chamou um cidadão brasileiro, com aquele jeito que têm os brasileiros para encontrar fórmulas definitivas e pertinentes para classificar pessoas) não ocorreu que se Portugal estivesse tão bem servido de personalidades que merecem o respeito e a gratidão da grei não seria o país meio-falhado que é hoje; e que de graxistas, tachistas e carreiristas há enorme abundância - gente com coluna vertebral é que não.

 

No mesmo texto também sobrou alguma lama para outras duas pessoas, uma que já se deu ao trabalho de lhe responder e outra que ignoro (mas gostaria) se o fará. De Vasco Pulido Valente é que não podemos esperar nada, que este tem por hábito antigo ignorar a canzoada que lhe ladra aos calcanhares. Teria muito que fazer, e se enveredasse por esse caminho iria tropeçar em gente que deve ter, mas não confessa, razões pessoais para, em calhando e no meio de multidões, juntar o seu latido aos demais. É o caso de José Ribeiro e Castro, que se aliviou de uma prosa inqualificável em comentário ao post feicebuquiano do embaixador, que não rebato por não se rebater esterco.

 

Para a semana, esperamos, haverá mais. E haverá também, é de crer, gente de representação que com virtude virá ao proscénio defender o Portugal que está. Quem nasceu na merda, vive na merda, e singrou na merda, não lhe apercebe o cheiro. Felizmente ainda há quem tenha olfacto.

publicado por José Meireles Graça às 21:21
link do post | comentar
1 comentário:
De Sebastião Cardoso dos Santos a 23 de Outubro de 2016 às 23:48
Que argumentário mais pobre! Nem VPL é digno (nos dias de hoje) desses elogios, nem SC merece, pelo que fez pelo pais (embora possa ter tido um excesso infeliz), o azedume que lhe dedica. Que lhe deu a si para escrever o que escreveu?

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter