Quarta-feira, 29 de Junho de 2016

O palhaço pobre

Talvez os assessores do António Costa receiem que a popularidade estratosférica do presidente Marcelo, baseada na sua capacidade de construir "afectos", na simpatia natural e na piada fácil e carregada de inegável sentido de humor, lhe possa vir a fazer sombra se um dia a relação esfriar, e acreditem que a relação há-de esfriar, e talvez lhe tenham aconselhado a ser também afectuoso e engraçado? Talvez lhe tenha saído da sua própria cabecinha que consegue ser engraçado e vale a pena aumentar a sua popularidade à custa do humor que Deus lhe deu?

A verdade é que, de há uns tempos para cá, o primeiro-ministro tem vindo a desempenhar quase diariamente números de stand-up.

Começou pela oferta pública ao presidente, durante o fim-de-semana idílico e cúmplice que mantiveram em Paris, e eles terão sempre Paris, de um postal do quadro "O salto do coelho" do Amadeo de Souza Cardoso, acompanhado da explicação "Há uns que saltam, outros não", não fosse o presidente ser incapaz da atingir sem ajuda a piada da coisa, baseada, e eu presto aos leitores o serviço público de a explicar, na vaca voadora e no apelido do líder da oposição. Coelho, voador. Percebem? As comitivas riram-se, as comitivas riem-se sempre, quanto mais não seja por passarem uns dias a passear em Paris à custa dos contribuintes, mas o presidente não se chegou a rir. Coitado, o preço de manter relações de cumplicidade com morcões é encorajá-los a partilharem as suas anedotas, e ter que as ouvir.

Seguiu-se, no São João passado no Porto, o remake do lançamento do microfone da CMTV pelo Cristiano Ronaldo, em que o folião do primeiro-ministro pegou, mas não chegou a lançar, o microfone, e explicou, e a explicação ajudou a esclarecer quem não conseguisse atingir sem explicação o alcance da piada, que "Isto afinal lança-se bem, não é preciso muita força", e a comitiva, como não podia deixar de ser, riu-se.

Não se dando ainda por satisfeito com a exibição de tanto humor, ou encorajado pelo sucesso junto da comitiva, chegou às jornadas parlamentares do PS nos Açores e decidiu brincar com o Brexit, desta vez com uma estatística que não teria ficado deslocada ao Américo Tomaz que, no entanto, em parvoíce, estava longe do que se faz hoje em dia, que os tempos eram outros, com a piada "Agora que a Europa vai perder algumas ilhas atlânticas, há 13 ilhas atlânticas que só Portugal pode dar à União Europeia", que desencadeou, naturalmente, risos na comitiva.

Não se sabe se, satisfeito com o sucesso, hoje repetiu a piada em Bruxelas, aos ingleses e aos europeus. Se repetiu, só há uma coisa certa nesta vida: a comitiva riu-se.

Só há uma coisa que os assessores se esqueceram, ou não tiveram coragem, ou tempo, de lhe explicar. É que o exercício do humor exige cultura, inteligência, rapidez de raciocínio, capacidade de contar em simultâneo histórias diferentes se vistas de pontos de vida diferentes, de ironia, de surpreender o receptor. Qualidades que ele, "vamoláver", na sua figurinha de brutamontes que nem consegue articular frases completas em português corrente, não tem. No esforço por acompanhar o palhaço rico, não consegue fazer melhor do que fazer figura de palhaço pobre. Mas está bem assim, que é isso que se quer.

E, do mal o menos. Podia ser bem pior se ele se sobre-entusiasmasse com as competências no bailado, que certamente lhe vêm dos anos no Conservatório. Não percamos a esperança que ele se mantenha no ramo do humor.

 

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 00:24
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

É com admiração, que leio alguma referência ao Sr....
Os comissários políticos estão de volta, com os co...
Notável, realmente, esta idiota. Suponho que ningu...
Carissimos,Aguardarei expectante pela dissertação ...
Talvez se fosses tu a mandar currículos todos os d...

Arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter