Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016

O trotskismo flower-power

Não fosse o hábito irresistível do Bloco de Esquerda para reescrever a história, e quase seria surpreendente vê-lo a travestir o festival de Woodstock de memória bloquista.

Mas de uma esquerda radical que cresceu inspirada nas ditaduras comunistas, tanto mais selvagens quanto mais genuínas se reclamavam, ou mais genuínas quanto mais selvagens conseguiam ser, mas hoje pede meças em social-democracia a um Willy Brandt, um Olaf Palme ou um Sá Carneiro, que, com o estado social, foram a principal muralha da resistência europeia à penetração das suas ditaduras comunistas, tudo é de esperar. O travesti histórico é o seu património genético.

Percebe-se que para o marketing bloquista dirigido ao segmento de mercado "juventude rebelde", talvez um dos mais significativos e certamente o mais promissor dos segmentos de mercado do Bloco de Esquerda, porque dá votos no futuro, é interessante e vantajoso associar Woodstock aos acampamentos "Liberdade" onde proporciona aos jovens muita discussão sobre modos de vida "alternativos", organização de experiências LGBTQIA+ e casas de banho mistas.

Mas há diferenças abissais a separar o Bloco de Esquerda da geração do flower-power.

A primeira é que Woodstock foi em 1969, e o acampamento "Liberdade" de 2016 foi em 2016.

A liberdade e o pacifismo de Woodstock podem inspirar os bloquistas de 2016, mas em 1969 não inspiravam os "bloquistas" de então, os trotskistas, os maoistas, os estalinistas mais puros que os outros estalinistas, ou outros idiotistas, que se inspiravam sim na repressão selvagem das diversas modalidades de ditaduras comunistas alternativas à soviética que então existiam ou se ambicionavam, da China à Albânia, tanto mais selvagens quanto mais exóticas, cujo auge veio a ser atingido uns anos mais tarde na utopia agrária do Camboja khmer vermelho liderado, aliás, por um dirigente educado para a revolução em universidades europeias, em França. A juventude bloquista de então não queria a paz, se bem que apreciasse o pacifismo da juventude americana como se apreciam os idiotas úteis que atrapalham ou bloqueiam o inimigo, queria vencer, pela deposição unilateral das armas do outro lado, a guerra que, no Vietname, aliás, acabou mesmo por vencer. E admirava e praticava a anulação de liberdade individual e da personalidade própria dos comunismos, tão magnificamente personalizada na sujeição "voluntária" à auto-crítica pública. Até a música detestava, ou por ser um símbolo de alienação burguesa, ou por ser um negócio, havendo mesmo revolucionários mais puros, como o Pacheco Pereira, que confessam que nem Zeca Afonso ou José Mário Branco conheciam, porque só ouviam os discos revolucionários ou étnicos da etiqueta "Le Chant du Monde". Tivesse havido em qualquer país comunista algo semelhante a Woodstock, milhares de jovens a juntarem-se para curtir três dias de sexo, drogas e rock and roll, e teriam sido chacinados como burgueses alienados à metralha, a tiro de canhão ou mesmo à bomba. E os sobreviventes condenados à re-educação prescrita a quem tinha comportamentos desviantes do socialismo, porque no socialismo isto eram comportamentos desviantes. Por mais que hoje em dia baptizem os seus acampamentos com nomes como "Liberdade", não apagam da memória que nasceram para a política a detestar a liberdade e a lutar contra ela. E perderam, pelo menos até agora.

Outra, e mais fundamental, é que tudo o que, quase 50 anos depois, ainda é debatido em grupos de trabalho ou de discussão, analizado, escalpelizado e experimentado desde que devidamente enquadrado e hierarquizado num quadro teórico qualquer, naquela circunstância era simplesmente vivido.

A geração de Woodstock não se distinguia pela retórica sobre o seu modo de vida, distinguia-se pelo seu modo de vida. Não debatia os prós e os contras da droga ou do amor livre ou do rock and roll, drogava-se porque se sentia bem a fazê-lo, fodia com quem lhe apetecia porque se sentia bem a fazê-lo, e ouvia e curtia a música daqueles com quem se identificava porque se sentia bem a fazê-lo. Não andava a tentar mudar as pessoas para as levar a mudar o mundo, limitavam-se a mudar ela própria e a lutar pela liberdade de se mudar a si própria. As mulheres que tomavam banho nuas em público podiam ignorar os rapazes que olhavam para elas ou convidá-los para tomarem banho com elas, mas não faziam queixa à organização por se sentirem incomodadas por ter rapazes a olhar para elas. Não havia, aliás, "organização" dos comportamentos, havia apenas autenticidade. E, quase 50 anos depois, este conceito de liberdade individual e de personalidade própria ainda continua a não ser percebido pelo Bloco de Esquerda que, quando tem iniciativas legislativas sobre coisas como o consumo de drogas, à liberalização, que faz de cada indivíduo um soberano sobre as suas opções de vida pessoais, continua a preferir o enquadramento, o consumo em clubes sociais, associações "...sem fins lucrativos com a finalidade de estudo, investigação e debate sobre a cannabis, bem como do cultivo e cedência aos seus associados de plantas, substâncias ou preparações de cannabis em estabelecimentos devidamente autorizados" onde os tontinhos dos consumidores possam ser protegidos dos seus próprios vícios. Woodstock nunca entrou nestas cabecinhas de bota de elástico impermeáveis à liberdade e à autonomia individuais, nem nunca entrará.

A terceira, que resulta da segunda, é que, ao contrário da geração bloquista que coexistiu com ela, a geração de Woodstock fez mesmo uma revolução.

Enquanto a grande referência revolucionária europeia da época, o Maio de 68, legou à posteridade inúmeras boas frases revolucionárias, aquilo que hoje se designa por sound-bites, sobre a liberdade, a violência e a sexualidade, obras-primas da provocação aos preconceitos da burguesia que se estendiam desde atirar pedras até sugestões de pedofilia, que ainda hoje são uma referência inultrapassável, e, com algum esforço, e ignorando fenómenos como a mini-saia, é tida como tendo tido um papel determinante na evolução dos costumes conservadores europeus em domínios como a pílula ou o aborto, e depois de uns meses de farra foi mandada embora pelo povo francês em eleições, a geração de Woodstock nunca se foi embora e mudou para sempre a sociedade americana pelo menos tanto, mas em determinadas regiões, mais conservadora que a europeia e, por via da globalização cultural anglo-saxónica, todo o mundo, pelo menos aquele em que o rock and roll não é proibido, e em muitos regimes socialistas foi proibido, em domínios como a liberdade dos costumes, incluindo os sexuais, a igualdade de género ou racial, o combate a todo o tipo de discriminações, e o respeito pelo ambiente, mas, em sound-bites, legou pouco mais que o simplório "make love not war".

Isto é talvez o resultado das diferenças entre a cultura americana, mais virada para fazer e ter resultados, e a europeia, mais virada para reflectir, planear e comunicar? Das diferenças entre uma cultura mais virada para ser e outra para parecer? Uma mais virada para a liberdade individual e outra para o enquadramento institucional? Uma mais liberal, outra socialista? Não sei. Mas sei que o Bloco de Esquerda não pesca, ainda hoje, um boi do que foi a geração de Woostock, mas compensa a falta de compreensão com uma grande lata a usá-la na sua propaganda.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 12:37
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Excelente post. Um verdadeiro serviço público. Ape...
O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter