Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Obra de misericórida

 

DL 51-2011.jpg

 

Revogava-se o DL 51/2011, acabavam-se os limites às encomendas, e ao fim de um mês e pouco o preso preventivo já tinha recebido:

 

  • 37 livros escritos pelo dr. Arnaut;
  • Outros tantos do dr. Boaventura (5 dos quais com letras para músicas rap);
  • Uma edição anotada, em 11 volumes, dos discursos parlamentares do dr. Jorge Lacão;
  • Toda a lírica de Sophia;
  • 2 colectâneas com os gatafunhos do dr. Soares publicados na imprensa portuguesa nos últimos 3 anos;
  • Um volume, em papel reciclado, com textos eróticos de Isabel Moreira ilustrados por imigrantes dos países islâmicos: uma iniciativa pedagógica da secção do PS do Martim Moniz destinada a propagar a igualdade de género;
  • 5 livros com piadas do dr. José Lello (sem ilustração).

 

Escusam de perguntar, porque o meu pesadelo humanitário não chegou ao capítulo do audiovisual.

 

publicado por Margarida Bentes Penedo às 22:08
link do post | comentar
2 comentários:
De Tiro ao Alvo a 29 de Dezembro de 2014 às 15:53
Também se pode ver esta questão por outro ângulo:
Em os socialistas tomarem o poder - eles julgam que será breve - os presos vão viver melhor, vão ter melhores condições de vida, pois uma coisa parece certa: irão receber livros aos montes e outras encomendas, sem que esse tratamento possa ser considerado um luxo, antes um direito.
É certo que isso vai exigir mais pessoal nas cadeias, logo maior despesa pública. Digo isto por que o controle dos livros e outras encomendas a entregar aos presos (para verificar se não escondem armas ou droga), vai exigir a feitura de mais regulamentos e a criação de mais registos, para além de outros procedimentos (todos muito bem fundamentados) que, forçosamente, vão exigir a admissão de mais funcionários públicos, com o consequente aumento da despesa pública, tal e qual como os socialistas gostam de fazer. É o que se chama efeitos secundários.
Estamos aviados.
De Margarida Bentes Penedo a 2 de Janeiro de 2015 às 19:14
Eu não sei se a quantidade de encomendas é ou não escandalosamente errada (parece-me que é razoável); nem sei se deve ser medida ao peso (parece-me um pouco estranho). Li o Dec-Lei e percebo que haja limitações, desde logo por motivos de espaço e de identidade. No meu post anterior (chamado "Posta-restante") digo que o problema levantado não está na regulamentação das encomendas, mas sim na vaidade e no narcisismo dos remetentes.
De resto, Tiro, receio pela insensatez que descreve. Os actuais "notáveis" do PS não se limitam a fazer dela uma retórica. Pelo menos uma boa parte vê o mundo assim, é mesmo uma convicção.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Já chega!ZONAS DE SEGURANÇA:-» dinheiro mal gasto....
Caríssimos, compreendo a V. perplexidade e indigna...
não há p+pachorra para ler um post com tanto palav...
Creio que não tem noção da complexidade da investi...
Ao contrário do que pensava o prof. Cavaco, num di...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter