Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2016

Oposição, modo de usar

Digamo-lo rudemente: elegemos, para Presidente da República, um conas. E este triste facto registámo-lo com satisfação, porque as alternativas eram um académico de pacotilha, uma lunática atraente, uma simpática nulidade, um padre comunista, dois palhaços (dos quais um calceteiro e o outro "professor universitário"), Henrique Neto (que ninguém chegou a conhecer) e duas não-pessoas.

 

Está feito, feito está: teremos conciliação e não confronto, cedência e não inflexibilidade, os enredos nos bastidores mais complicados ainda do que no palco; e a peça será dançante, porque o actor principal tem queda para números de baile e fará o gosto ao pé ao som da música que as circunstâncias propiciarem.

 

O verdadeiro palco, aquele onde as nossas vidas são afectadas, será a Europa, o Parlamento e o Governo. E como este último já demonstrou que fará os mínimos que forem precisos para satisfazer os nossos patrões europeus e, ao mesmo tempo, contentar o apoio contranatura dos comunistas autênticos e da versão radical-chic de frei Anacleto e suas muchachas, temos que é apenas uma questão de tempo até que o preço do petróleo, alguma convulsão europeia, a inevitável derrapagem da execução orçamental e os correspondentes orçamentos rectificativos com novos aumentos de impostos, façam com que a opinião pública mude.

 

E logo que o governo da maioria-que-nunca-ninguém-imaginou-mas-já-agora-deixa-ver-como-é comece a afundar nas sondagens - ou que, ao mesmo tempo ou em alternativa, os comunistas acordem e descubram que fizeram um mau negócio ao apoiar um governo da reacção de Bruxelas em troca de garantir a importância da CGTP e a influência e os tachos nas empresas públicas e no aparelho do Estado - convirá que a Oposição não se precipite.

 

Da última vez que os socialistas deram com os burros na água (e anteriormente já o tinham feito duas vezes, ainda que ajudados pelo ar do tempo e a costela socialista do PSD, que à época passava por, e talvez fosse, realismo) a Oposição teve pressa.

 

Não a poderá ter agora, porque não vale a pena fazer cair o governo sem haver uma maioria claríssima de direita nas sondagens, agora que o PS assoreou o fosso que historicamente o separava de comunistas e derivados. Mas esta, que é evidente, não é a principal razão.

 

É que o governo de Passos inaugurou o seu consulado com um colossal aumento de impostos, a prova provada de uma de duas coisas: ou não fazia ideia como se reformava o Estado e portanto não sabia onde cortar; ou sabia mas faltou-lhe em coragem o que lhe sobrou em calculismo eleitoral para futuro.

 

O calculismo não falhou inteiramente porque a vitória relativa nas últimas eleições não foi pequena coisa. Mas não chegou. Nem teria chegado mesmo que Costa não tivesse feito o número de circo que lhe garantiu o lugar e tivesse desaparecido, como seria justo, pela porta dos fundos. Porque um governo PàF dependente do PS seria sempre uma caricatura do que o País precisa: o PS é, geneticamente, o partido do défice, do funcionalismo e do Estado empreendedor - tudo o que nos trouxe à miséria de região europeia pobreta, falida e sem esperança em que nos tornamos.

 

Mas uma vitória não servirá para nada se repetir os erros do fugitivo Vítor Gaspar. Porque este serviu-nos o colossal aumento de impostos; o patético Centeno fica-se pelo brutal aumento; e o futuro ministro das Finanças, quando tiver que colar mais uma vez a baixela esbotenada que Costa escaqueirou vai fazer o quê? Sangrar o doente que está a morrer de anemia, a ver se este, por milagre, se recompõe?

 

Tem Passos Coelho consciência disto? Aparentemente não, a julgar pelo slogan Social Democracia Sempre, que é o da sua campanha. É certo que a campanha é para militante, não para eleitor, ver. Pois sim, mas mesmo sem pertencer ao PSD - et pour cause - ouso dizer que nem Sá Carneiro, o santinho que têm no altar, pensaria hoje o que pensava ou diria o que disse in illo tempore.

 

De resto, o PSD estava, já na altura, a rebentar de espertalhões prontinhos para entendimentos "ao centro", com o PS, sobre o pano de fundo das negociatas e dos lugares suculentos no aparelho do Estado e nas empresas públicas; Passos Coelho foi ressuscitar Rui Machete de entre a malta das "Opções Inadiáveis" quando Cavaco inventou o entendimento com o PS para eleições antecipadas, no verão quente de 2013, um afloramento dessa pecha antiga; e para todos os que se reclamam do ícone Sá Carneiro conviria estudar as circunstâncias em que este se moveu - e que não são as de hoje.

publicado por José Meireles Graça às 14:36
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O poeta? Acho que só na Venezuela e no Belize é qu...
Tem razão obviamente, mas há outros destinatários ...
Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter