Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017

Os taliban da Gunbenkian

O José Meireles Graça vem à Gulbenkian.

Vem assistir ao quinto concerto de piano do Sergei Prokofiev tocado pela Orquestra Gulbenkian conduzida pelo maestro Lionel Bringuier a acompanhar a pianista Yuja Wang, que nunca vi tocar, mas tenho por preceito que só se arrisca a tocar uma peça tão complicada como um concerto do Prokofiev a acompanhar uma grande orquestra como a da Gulbenkian um grande pianista. Os mais dados à validação empírica das hipóteses podem ir avaliando os dotes da pianista a executar, não o quinto, mas o terceiro concerto do Prokofiev, e mais abaixo explico porque decidi mostrá-la neste, neste iutiube.

O José avisa as pessoas menos habituadas à música erudita que Prokofiev é compositor de música que, entre o estranho e o inesperado, às vezes diabólico, e é ver este concerto para o comprovar, pode mesmo assustar as audiências mais predispostas à música clássica clássica do que à música clássica contemporânea, em música clássica o que se fez nos últimos cem anos é considerado contemporâneo. A mim ele caiu-me no goto, é mesmo o segundo compositor do século XX de que gosto mais, o que eu gosto mais, e de longe, é também, para seu imenso infortúnio, e nossa fortuna se o infortúnio dele contribuiu para a obra monumental que nos legou, conterrâneo e, pior do que isso, contemporâneo, do Estaline, outro russo, o Dmitri Shostakovich. O terceiro, e confio-vos este segredo na esperança de não lhe darem publicidade e não me exporem publicamente como apreciador de banais musicais americanos que pode destruir a minha reputação como intelectual de esquerda, é outro russo de alma, porque filho de imigrantes recém-chegados de São Petersburgo, mesmo que já americano de nascimento, o George Gershwin, nascido Jacob Gershowitz. Se eu digo a quem está disposto a ouvir-me que, da Rússia, nem bom vento, nem bom bardeamento, na música penso exactamente o contrário da escola russa. Prokofiev primeiro estranha-se, depois entranha-se. Para os que, mesmo assim, ainda continuam cépticos relativamente à capacidade dele como compositor de música clássica clássica, só posso recomendar a audição da primeira sinfonia, baptizada justamente de Clássica, uma miniatura encantadora composta com a tenra idade de vinte e cinco anos que podia muito bem ter sido composta pelo Mozart cento e cinquenta anos antes. E onde os mais atentos identificarão excertos que foram reutilizados nas suas obras posteriores mais conhecidas, incluindo bailados como o Romeu & Julieta.

Tudo junto, tanto do lado da solista, como do da orquestra, como do da composição e do compositor, o José arrisca-se a assistir a um concerto memorável. Apesar da modéstia de se diminuir por ter escolhido Prokofiev, está de parabéns pela escolha.

O José reparou, mesmo tendo recorrido ao saite de bilheteira da Gulbenkian para comprar os seus bilhetes onlaine, que há pequenas falhas encantadoras no funcionamento da instituição que fazem dela, apesar da sua história e do papel que tem tido ao longo de tantas décadas na divulgação da cultura erudita em Portugal, entre outras causas igualmente meritórias, tudo junto fazendo da fundação uma espécie de taluda do Euromilhões que nos calhou a nós sem sequer termos gasto dinheiro a comprar uma cautela, ainda um bocadinho mais portuguesa. Quase como se fosse uma instituição, não de direito privado, mas público. Falhas como ter dois belíssimos lugares indicados no saite como disponíveis, mas que depois o saite impede de se reservarem. Aliás, o motivo mais provável para eles ainda estarem disponíveis, e continuarem a estar, como poderia muito bem concluir o senhor de La Palice.

De facto, a Fundação Calouste Gulbenkian é o avesso do capitalismo de estado, esse terrível sistema que substituiu todos os socialismos que foram generosamente implementados ao longo da história e, por tê-los substituído, os impediu de proporcionarem aos seus povos os benefícios prometidos que lhes proporcionaria o socialismo genuíno, razão pela qual todos os socialistas que se prezem dizem, a quem lhes aponta que todos os socialismos resultaram em miséria e ditadura, para não falar de cleptocracia, que não eram socialismos, porque tinham sido pervertidos e transformados em capitalismos de estado. Mas o próximo socialismo é que vai finalmente ser o bom, avisam eles, e alguns patetas ainda acreditam nesta lengalenga, de modo que tem todo o sentido que o digam. Em vez de capitalismo de estado, a Gulbenkian chega a parecer um estatismo com capitais privados.

Talvez isso se deva ao facto de muitos dos gestores trazerem de funções governativas que desempenharam anteriormente uma preciosa experiência em gestão pública? Talvez. Um dos aspectos que o revela é a imensa quantidade de borlistas que frequentam os concertos musicais, de bilhetes no entanto nada baratos para quem tem que pagar do seu bolso para os adquirir. Concerto após concerto, ano após ano, até nos concertos de Música de Câmara, tradicionalmente com salas quase vazias mesmo quando actuam intérpretes dos melhores do mundo, e dou como exemplo os extintos Trio Beaux-Arts e Quarteto Borodine, lá estão eles, sempre nos mesmos lugares espalhados pelas filas da frente, ao lado de espectadores que, se forem relativamente assíduos, e o suficiente para os toparem, e tiverem comprado assinaturas, facilmente gastaram mais de mil euros por temporada para um casal. E se forem ainda mais assíduos pode ter sido um bom bocado mais. É carote para quem paga. E há coisa mais pública do que transferir dinheiro dos que pagam, e muito, para os que vivem à borla, mesmo que sejam mais remediados que os primeiros? Não há.

Mas não é a carestia da vida para os frequentadores da Gulbenkian nem o fenómeno das borlas que me trazem aqui hoje, mas as regras de etiqueta.

Há uma série delas, de que não faz parte evitar desembrulhar rebuçados durante a execução das peças com o consequente ruído persistente e insinuante do papel de celofane a desdobrar-se aparentemente sem fim, mas que na sua maioria estão associadas ao respeito pelas condições que permitam aos outros espectadores assistir ao espectáculo sem serem distraídos ou perturbados, e têm a ver com o cuidado em não produzir ruídos que os incomodem, quer deixando ligados telemóveis que podem tocar a meio de uma obra, quer conversando com os vizinhos, o que, mesmo sem ultrapassar o nível de volume do sussurro, se torna extraordinariamente invasivo quando se está a prestar atenção à música. Todas estas regras de etiqueta, mesmo a dos rebuçados que devia haver mas não há, têm sentido, sendo talvez um exagero a irritação que as tosses provocam, não por não perturbarem a audição da música pelos outros espectadores, mas por ser humanamente impossível evitá-las pela mera força da força de vontade quando elas chegam, o que faz dos tossidores mais vítimas merecedoras de compreensão e simpatia dos vizinhos do que carrascos que merecem a expulsão do paraíso.

Mas há uma regra de etiqueta que, não me lixem, não tem nada a ver com o respeito pela atenção dos outros espectadores ao espectáculo, mas apenas serve para separar os que conhecem as regras da etiqueta dos que não as conhecem: a regra do aplauso. Quando se deve aplaudir?

2017-10-26 Aplauso Gulbenkian.jpg

A regra nem é complicada. Deve-se aplaudir quando uma peça termina, mas não nos intervalos entre partes, ou andamentos, ou movimentos da peça. Na ópera não é nada assim, mas nos concertos ou recitais de música erudita é.

O problema é que a regra, sendo simples, não é nada intuitiva. Quem não é frequentador habitual de salas de concerto e se deixa levar pelo entusiasmo justificado pelo agrado com uma actuação cai facilmante no ímpeto de a aplaudir quando a música termina. É um gesto de agradecimento aos executantes, de reconhecimento do seu mérito, até de carinho. É mesmo um gesto generoso. Só que, quando a música que termina é um andamento da peça, mas não o último andamento, e acontece, o espectador que aplaude é duplamente fuzilado, pelos olhares de reprovação dos que conseguem localizar na sala o incauto, e por shiu vindos de toda a sala, que chegam a ser mais barulhentos do que o aplauso que censuram e o ridicularizam impiedosamente. Taliban autênticos a impôr a virtude e a escorraçar o pecado. Muitos sedeados no sector dos borlistas, aliás, que isto anda tudo ligado. É talvez assim que pensam que devem retribuir à sociedade o que a sociedade lhes dá, assistir à borla aos concertos da Gulbenkian.

Alguns autores justificam esta regra com a necessidade de não quebrar a concentração dos executantes quando acabam um andamento e se preparam para iniciar o seguinte. Como eu não sou executante, não estou em condições de confirmar nem contradizer esta explicação. Mas a linguagem corporal habitual de muitos dos membros das orquestras no intervalos entre andamentos sugeram que talvez não estejam assim tão concentrados como a explicação admite. Adiante.

É que, terminada esta breve introdução, chego finalmente à história que tenho para contar.

 

Em 2005 o pianista russo Alexander Toradze, um dos melhores intérpretes de Prokofiev do mundo, executou um terceiro concerto memorável com a Orquestra Gulbenkian, e é por aqui que esta história decorre da outra e que esta determinou a peça anteriormente mostrada.

O Alexander Toradze é um grande pianista russo, como muitos instrumentistas russos que cresceram no tempo da URSS, e antes, e depois, num país onde no ensino da música se cultivavam obsessivamente o rigor e o trabalho, que os russos preferiam instrumentistas de excelência a instrumentistas felizes, e é professor de piano na universidade de Indiana, South Bend, onde mantém um agrupamento formado por ele e pelos alunos, o Toradze Piano Studio, vocacionado para oferecer recitais temáticos, habitualmente a obra completa para piano de um compositor.

Nesse fim de semana ele permaneceu na Gulbenkian para tocar com os seus discípulos do Toradze Piano Studio a integral de sonatas para piano do Prokofiev numa maratona que ocupou a tarde inteira do domingo. Quando uma das pianistas-discípulas completou um andamento de uma das sonatas ouviu-se irromper um aplauso na sala. E o batalhão de taliban de serviço na Gulbenkian fuzilou de imediato o intruso no silêncio entre andamentos com o tradicional shiu colectivo. Fosse ela um certo pianista português, que os há assim, ter-se-ia certamente levantado e retirado em fúria pela perturbação à concentração originada pela falta de etiqueta do espectador. Mas ela não pareceu ficar nada perturbada, e até sorriu. Acontece que o recital era à média luz, e percebeu-se rapidamente que o incauto, o intruso, o ignorante que não merecia estar naquele local de culto, estava numa das primeiras filas do lado direito da sala, e até se conseguiu identificá-lo: era o pianista Alexandre Toradze. E os taliban meteram o rabinho entre as pernas e calaram-se muito caladinhos e envergonhdos por estarem a mandar calar um dos melhores pianistas, pelo menos de Prokofiev, o que não é nada pouco, do mundo. Não consta que tenham aprendido com a gaffe.

publicado por Manuel Vilarinho Pires às 11:07
link do post | comentar
2 comentários:
De Anónimo a 30 de Outubro de 2017 às 19:16
E as pessoas começaram a sair da sala mal termina a actuação dos artistas? Isso também me irrita solenemente!
De M a 30 de Outubro de 2017 às 19:17
E as pessoas começaram a sair da sala mal termina a actuação dos artistas? Isso também me irrita solenemente!

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Ainda bem que o leio (de volta).Andava a matutar s...
O importante é que a permissão não contitui uma ob...
Eu fui bem educado por meus Pais e pelos meus Prof...
Confesso que não entendo o que o surpreende em os ...
O seu comentário é muito importante para nós. Mas,...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter