Sexta-feira, 3 de Abril de 2015

Parece-me que não perceberam nada.

No dia do enterro do Manoel de Oliveira, confesso a minha irritação com os abundantes dias de luto, a postura de perda irreparável, o instantâneo conhecimento profundo da obra do mestre, o desfile das personalidades enlutadas, o RIP imprescíndivel nas redes sociais.

Manoel de Oliveira viveu mais de um século. Nasceu num meio privilegiado e cedo se começou a destacar em tudo o que fazia. Foi atleta de mérito, corredor de automóveis pioneiro, chegou a fazer uma espécie de circo por prazer pessoal e afirmou-se como o único cineasta português de verdadeira reputação e respeito internacional. Foi amigo de Deneuve e de Piccoli, era repetidamente elogiado por Clint Eastwood, deu-nos a conhecer Luis Miguel Cintra e Leonor Silveira. Nenhum regime conseguiu condicioná-lo. Pôde dar-se ao luxo de nunca deixar a sua cidade. Teve o dom de manter a familia sempre unida em seu redor. Nunca se curvou. Fez-se respeitar com a simplicidade dos príncipes. Teve a arte e o engenho de ter feito o quis toda a vida, fazê-lo de modo superior e ter o retorno do justo conhecimento. Por fim, teve a suprema felicidade, de nesta idade incrível, ter tido ao seu lado, até ao último dia, a mulher que amava.

Luto? Pesar? Peço desculpa, mas não me consigo lembrar de maior celebração da vida. O país devia estar em festa, o Porto devia estar engalanado a comemorar a vida de Manoel de Oliveira. Não há muitas assim.

 

publicado por Raul Almeida às 13:55
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Nos hospitais portugueses há 50 anos havia mulhere...
Só falta mesmo é a Ordem das Sopeiras, quero dizer...
O jornalismo cairá, por cá, como vai caindo por lá...
O conselho que costumo oferecer aos meus correspon...
Não percebo a admiração. O jornalixo cá do burgo m...

Arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter