Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Paris vaut bien une messe

Portugal faz parte da ONU, juntamente com mais de 190 países, dos quais a maioria não tem regimes democráticos.

 

A ONU tem membros de primeira, que são os 5 do Conselho de Segurança, e de segunda, que são os outros. Destes, 10, que vão variando, têm a oportunidade, de 2 em 2 anos, de fingir que não são de segunda, privilégio de que já gozamos em 2011 e 2012 e ao qual voltaremos possivelmente ainda antes de ganhar o Campeonato do Mundo de Futebol.

 

E faz também parte da NATO, juntamente com mais 26 países, incluindo a Albânia e a Turquia, dois países com credenciais democráticas absolutamente irrepreensíveis. Aliás, Portugal é membro fundador, além de outros 11 países, que decerto não se aperceberam então (em 1949) da natureza antidemocrática do regime que à época e ainda por mais um quarto de século foi o nosso.

 

A Commonwealth conta 53 membros (54, presumivelmente, quando Mugabe for fazer reformas agrárias nos campos do Inferno, o que não deve tardar, e o Zimbabwe for governado por pessoas). Um dos membros é o Brunei, um sultanato petrolífero que se distingue por viver ainda nos tempos do califado, mas com telemóveis e uma área do tamanho do Algarve, e outro é o nosso, da CPLP, Moçambique.

 

Todas estas, e muitas outras, organizações internacionais se regem por estatutos que são alegremente ignorados por muitos dos seus membros. A Commonwealth, por exemplo, tem como objectivos "the promotion of democracy, human rights, good governance, the rule of law, individual liberty, egalitarianism, free trade, multilateralism, and world peace" - é para que saibam.

 

Semelhante facto não parece incomodar ninguém, e em geral quem pertence a um organismo internacional não quer sair. No caso da ONU há inclusive um país que gostaria de entrar mas não pode porque já lá está - é a República da China, cujos eleitores são representados na ONU não por quem democraticamente os governa mas por chineses continentais que ninguém elegeu.

 

É neste pano de fundo que a CPLP, um organismo inteiramente inútil, salvo para diplomatas e poetas da língua e da lusitanidade, saltou para os meios de comunicação social, por um país que fala espanhol a ela ter requerido a adesão, entusiasticamente patrocinada, parece, por Angola e pelo Brasil.

 

A Guiné Equatorial é governada por um Bokassa local, como acontece a tantos países saídos da descolonização; e tem petróleo, muito. Quem tem muito dinheiro quer investi-lo; e para investir requer-se alguma respeitabilidade, porque o dinheiro dantes não tinha cor mas agora a força das opiniões públicas faz com que, às vezes, tenha.

 

Os outros países perceberam imediatamente o que estava em jogo, e deram as boas vindas ao novo membro, pagando o preço menor de apertar a mão corrupta e sanguinária de Obiang.

 

Os nossos líderes também. Mas gente que não aprecio por aí além comentou sardonicamente que a Comunidade passaria a ser a dos Países de Líquido Petrolífero; e gente que aprecio muito declarou que preferia "pagar o preço da desintegração da CPLP a ver Obiang na mesa de honra da organização".

 

Em nome de princípios, já estivemos orgulhosamente sós; em nome do amor de companhias supostamente desinteressadas, já fomos os bons alunos da Europa.

 

Peço licença para achar que Paris vale bem uma missa

publicado por José Meireles Graça às 19:41
link do post | comentar
1 comentário:
De José Domingos a 26 de Julho de 2014 às 23:04
Excelente texto. Desgraçadamente. Portugal, está cada vez mais barato.
Estas "elites governantes", vendem-se, por um prato de lentilhas.
Desgraçada pátria, minha amada, que tais filhos tem

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

O lacinhos do espesso, não acerta uma, enfim, mais...
Para o BE e o PCP, o PEV é apenas um franchise do ...
Mas isto está a piorar, agoras eles dizem que o Pe...
Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter