Terça-feira, 22 de Março de 2016

Peça em dois actos, de duvidosa moralidade

ACTO I, no tempo do fássismo

 

(Gabinete do Secretário, uma antiga escrivaninha de mogno com o tampo forrado a percalina vermelha, apoiada em dois blocos de gavetas, uma estante ao correr da parede, rematada com vidros de correr e fechadura amovível, um móvel alto de gavetinhas e tampa ondulada de correr, também de madeira; espessa alcatifa vermelha, por baixo de um duvidoso tapete persa de motivos obscurecidos pelo tempo e o uso; dois maples vermelhos, de couro, duas cadeiras e a do Secretário, esta giratória).

 

O contínuo: Sr. Fulano, está aí uma senhora para falar consigo.

Que entre.

Boa tarde minha senhora, faz favor de se sentar. Em que lhe posso ser útil?

Olhe, meu senhor, tenho aqui este recibo, que é de uma consulta de um especialista em Coimbra, pr'ò meu marido, sabe, o F....., que é varredor, tá a ver, está muito doente. Dá-se o caso que eu não sabia que havia um prazo para entregar o papel, julguei que era no fim do mês e agora a menina diz-me que não senhora, não posso entregar. E o dinheiro faz-me falta, é daquilo da ADSE...

Quem foi a menina?

Parece que é D. F......, uma muito corada...

Estou a ver.

 

(Discando o telefone)

 

Estou, F.....? Faça-me um favor, chegue aqui com três ou quatro esferográficas azuis, mas olhe: pelo menos uma tem que ser esfera fina.

Esfera fina? Não estou a ver o que é.

Então, não se lembra do anúncio da Bic? Azul da china esfera fina, azul cristal esfera normal...

Ah sim, já sei. Vou já.

 

(Entra a funcionária)

 

Tem aqui um monte delas.

 

(O Secretário experimenta as esferográficas, rabiscando um papel. Sorri, satisfeito, e no recibo acrescenta ao dia da data um algarismo).

 

Está a ver, F....., afinal isto sempre está dentro do prazo.

 

(F..... sai, de lábios cerrados, explodindo de fúria).

 

Obrigado, meu senhor, tinham-me dito que era quem me podia valer, não me enganaram...

Vá à sua vida, minha senhora.

 

ACTO II, no tempo do Simplex

 

(Um enorme salão com mobiliário moderno de cores judiciosamente combinadas e material de natureza indefinível - o roxo domina. Há para cima de uma dúzia de cubículos, cada um com o seu funcionário, o seu computador e duas cadeiras de plástico. Na sala de espera há écrans, em frente a bancos de encosto corridos, desconfortáveis pelo espaldar demasiado direito, e neles vão-se sucedendo a espaços números, associados a letras - cada letra respeita à natureza do assunto e dos dois números um diz respeito à ordem de chegada e outro ao cubículo. Virado para a porta das instalações sanitárias, perpendicular aos bancos, um televisor, que algum cidadão mira desinteressadamente enquanto acaba de subir o fecho-éclair da carcela. Ao Secretário coube o nº P 55, mostrando o monitor, à chegada, que estava a ser atendido o cidadão P 47 no balcão 16).

 

Boa tarde, era para renovar a carta. Está aqui o atestado médico.

Hum, dá-me a sua carta e o cartão de cidadão, por favor.

 

(Examina detidamente os documentos e, com um esgar mostrando os dentes cavalares, fala).

 

O atestado não está bem. Aqui diz "com restrições", mas não diz que restrições são. Tem que ir ao médico para ele corrigir.

Trata-se de uma renovação. A menção pelo médico de restrições só pode querer dizer que se mantém a que existe e a carta menciona, que é o uso de óculos.

Pois, não está bem, o médico tem que dizer.

Acho que não, que não tem que acrescentar nada. E, já agora, quer saber? Trabalhei neste edifício onze anos mas nunca interpretei o meu papel como o de sendo atrapalhar a vida às pessoas. No seu lugar, não ligava o complicador, de mais a mais por causa de um papel que só existe para o Estado cobrar 60 Euros às pessoas.

Pois fazia muito mal.

Você nem sabe o que lhe falta.

 

CAI O PANO.

publicado por José Meireles Graça às 20:24
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter