Sábado, 14 de Junho de 2014

Perdoai-lhes, Senhor

Uns cristãos estão indignados porque a outro cristão foi atribuído o prémio "Fé e Liberdade". O cristão agraciado é muito rico, coisa fortemente suspeita porque lá vem em Mateus 19:24: "Outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus".

 

Interpretado literalmente, e aplicado na organização das sociedades, o versículo da Bíblia arrumaria com a maior parte do progresso material e científico que se registou desde o séc. IV, quando o Cristianismo passou a ser a religião oficial do Império, até hoje, ao menos naquelas partes do mundo em que ele se implantou - seríamos todos pobres, tementes a Deus, e morreríamos cedo.

 

Mas os teólogos são ainda mais subtis do que os constitucionalistas, e nada é o que parece: Uma rápida pesquisa no Google, amparo dos ignorantes, resultou logo em três interpretações diferentes do versículo:

 

1ª) Houve uma substituição da palavra grega – kámilos – corda, para kámelos – o animal. O fundo da agulha considerar-se-ia literalmente; 2ª) A palavra camelo deve ser considerada literalmente, mas o fundo da agulha era uma pequena porta ao lado da porta principal de Jerusalém, pela qual um camelo passaria, após tirar-lhe a carga e, mesmo assim ajoelhado e aos empurrões; 3ª) Tanto o camelo quanto o fundo da agulha são considerados literalmente.

 

Um autor diz que esta terceira é a interpretação com que mais simpatiza. Porém, logo acrescenta: Assim como a repetição e a metonímia, Cristo usa uma figura de linguagem chamada hipérbole, que nesse caso se caracteriza pelo exagero, com o objetivo de despertar a atenção dos ouvintes para melhor fixar a narrativa na memória. Então, para enfatizar uma verdade divina, Jesus usou o recurso do exagero para que, causando o impacto esperado, todas as pessoas em todos os tempos repetissem essa comparação aprendendo uma verdade divina.

 

Estes cristãos irados são gente de representação. E confessam que o que os move não é "qualquer ressentimento contra a pessoa" em causa, mas o "dever de, em consciência, tornar audível a voz dos cristãos que não querem - não podem - silenciar a sua indignação".

 

Este esclarecimento é de uma grande utilidade, não fosse alguém julgar que as relevantes personalidades em questão tinham sido acometidas de fortes dores no cotovelo, uma afecção do foro psicossomático que ataca prevalentemente pessoas de esquerda. Não, que ideia!, longe disso. E, para desfazer qualquer sombra de dúvida, perguntam o que é que o prémio pretende enaltecer:

 

"Uma colossal fortuna pessoal? Uma forma de enriquecimento baseada nos ganhos do capital e sua acumulação? Práticas de exploração do trabalho humano (baixos salários, horários excessivos, precariedade nas relações laborais)? Expedientes fiscais para fugir aos impostos? Um modelo de economia que permite o desemprego massivo, a grande concentração do património individual e correspondente poder político, com risco para a democracia e para a coesão social?"

 

O Instituto de Estudos Políticos da UCP, que foi quem em má-hora atribuiu este prémio escandaloso, não vai, possivelmente, responder. Mas como as perguntas são públicas, e faço parte do público, respondo eu, não sem declarar que não conheço o Sr. Alexandre nem nenhum familiar ou amigo, não tenho negócios, nem intenção de os ter, com as empresas do dito senhor, nem simpatizo indevidamente com ele, a quem ouvi ocasionalmente na TV, à mistura com muita coisa sensata e pouco dita pelos líderes de opinião, alguns (a meu ver) disparates de tomo.

 

A "colossal fortuna pessoal" resultou de uma prática empresarial bem-sucedida, tanto em Portugal como no estrangeiro, em concorrência com outros empresários com iguais pontos de partida, crédito e oportunidades. Não querem concorrência? Não querem sucesso? E se o sucesso empresarial não se mede em ganhos, mede-se como?

 

"Uma forma de enriquecimento baseada nos ganhos do capital e sua acumulação": Os ganhos do capital são inerentes ao capitalismo, tenham paciência. E como para investir é preciso capital, se ele não for detido por particulares só o Estado pode investir. É isso que querem, que só o Estado invista?

 

"Práticas de exploração do trabalho humano (baixos salários, horários excessivos, precariedade nas relações laborais)": Não conheço as práticas do grupo Pingo Doce, e não sei por conseguinte em que dados se baseiam estes benignos cristãos. Mas pergunto: os trabalhadores foram recrutados manu militari? Se o Pingo Doce não existisse, estariam melhor? E, sobretudo, poderia praticar os preços que pratica junto de outros trabalhadores seus clientes, expandir-se e crescer se pagasse os salários que frei Bento, ou outro dos subscritores, acharia justos?

 

"Expedientes fiscais para fugir aos impostos": Desculpem lá mas a obrigação de qualquer empresa bem gerida é, dentro da legalidade, gerar a maior quantidade possível de resultados positivos para crescer sustentadamente, o que inclui poupar o mais possível, incluindo nos impostos. Estes bons cristãos entendem que, tirando às empresas para dar ao Estado, os recursos terão melhor aplicação. Por que razão, então, a taxa de IRC não é de 100%?

 

"Um modelo de economia que permite o desemprego massivo, a grande concentração do património individual e correspondente poder político, com risco para a democracia e para a coesão social." Ah bom, o Pingo Doce tem um grande poder político? Mas por que é que o Governo e a Assembleia da República não ligam a ponta de um corno ao que diz o Sr. Alexandre Soares dos Santos, que acha a gestão do País um desastre? E que tem o preço dos detergentes e das maçãs reineta, no qual o Pingo Doce dá cartas, a ver com riscos para a democracia?

 

Não se acaba com os pobres acabando com os ricos. Não vem, suponho, na Bíblia, e em todos os lados em que foi tentado o resultado não foram cidadãos remediados mas cidadãos pobres, e nem todos: os do aparelho do Estado foram, aí, sempre relativamente ricos.

 

Estes bons servos do Senhor fariam melhor em fundar um partido político, visto que têm um grande amor à democracia mas não gostam nadinha da sociedade como ela está. Há porém um óbice: os seus pontos de vista já são subscritos por partidos existentes, e estes concorrem às eleições mas não ganham. Deve ser esse o "risco para a democracia".  

publicado por José Meireles Graça às 14:20
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Kudos!
Bem visto, os três estarolas!!
Tenho tentado perceber este conserto gadal da tsu,...
Resta-nos a alegria de ver a tristeza deles por nã...
Os pulhiticos actualmente a "governar" parecem aqu...

Arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter