Quinta-feira, 25 de Agosto de 2016

Poder Local aquático

Através de um post anódino, fiquei a saber que há quem planeie um serviço de táxi fluvial entre as duas margens do Douro, presumo que para jusante da ponte D. Luís e até à Afurada.

 

Não investiria um cêntimo no projecto e certamente não me passa pela cabeça ir de carro até, por exemplo, Massarelos, para o estacionar nos parques que não há e apanhar um barco  ̶  barcos apanham-se para fazer, além de cruzeiros, travessias onde não haja pontes. E entre o Porto e a outra margem, pontes, há seis: a do Freixo, a de S. João, a D. Maria (esta desactivada em favor daquela S. João, em geral considerada "muito elegante", na realidade feíssima), a do Infante, a de D. Luís e da Arrábida. Há ainda, creio, um serviço de lancha entre o Ouro e a Afurada.

 

Mas pode bem ser que com a incrível afluência de turistas ao Porto o negócio se venha a revelar interessante  ̶  se sim ou não é problema do investidor, ao qual desejo a melhor sorte.

 

Se as coisas correrem bem, milhares de pessoas farão a travessia do modo que mais lhes convém, uma vez que a escolheram livremente, porque as alternativas existem; serão criados postos de trabalho; riqueza; e gerar-se-ão impostos, que só não aliviarão os meus porque o Estado Socialista está sempre um passo à frente do que cobra.

 

Se, porém, correrem mal, nem por isso perderei o sono: os financiadores ficam a arder, os trabalhadores encontrarão a seu tempo outro modo de vida, os credores sobreviverão e eu, que não arrisquei nada, tenho, como toda a gente, uma grande capacidade de resistência a problemas que não sejam meus.

 

Está tudo bem, então? Não, não está: há quem veja nisto uma "verdadeira captura do potencial económico do património público" e entenda que o negócio "poderia perfeitamente ser público, de responsabilidade municipal, revertendo os lucros desse serviço para as respectivas autarquias e populações".

 

Ou seja, um comunista (ignoro se tecnicamente o é, nem interessa: na prática comunistas e bloquistas têm, no tratamento da economia, a mesma varinha de condão chavista que transforma riqueza em merda) acha que o rio, por ser um bem público, deve ser explorado pelo Estado. Nem preciso de perguntar para estar certo de que entenderá que a TAP deve ser pública porque o ar é, igualmente, público; que os transportes de passageiros, que circulam em estradas que não são privadas, deveriam pertencer ao Estado; e que os táxis, vá lá, podem pertencer a privados desde que estes sejam pobrezinhos. Se pertencerem a empresas exploradoras temos a burra nas couves.

 

Esta maneira de ver o mundo não me surpreende excessivamente  ̶  são socialistas, coitados, portadores portanto de uma doença crónica. O que me perturba é que, com tantos exemplos, em particular na área dos transportes, do desastre do investimento e da gestão públicos, insistam em bater com a mesma cabeça na mesma velha parede. Só pode ser porque gostariam muito de ser empresários, desde que invistam o que não lhes pertence, arrisquem o património de terceiros e sejam nomeados para cargos de gestão por terem, do lado certo, o coração, uma víscera que, posta a pensar, dá origem geralmente a calotes e à ruína  ̶  dos outros.

Tags: ,
publicado por José Meireles Graça às 23:09
link do post | comentar
1 comentário:
De cristof a 27 de Agosto de 2016 às 20:11
Devem ter-lhe dito que os dinossaurios desapareceram. Eu desconfio todos os dias mais um bocadinho; diria que tenho indicios bem palpaveis que ainda devem andar por aí.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

177 comentários
16 comentários
10 comentários

Últimos comentários

Mas já era assim há dez, há vinte, há trinta...
Tem razão, mas o homem tem 94 anos ...
As sondagens não contam as opiniões da maioria dos...
É o que merecem os crentes -maioria dos cidadãos, ...
Perfeito

Arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

eleições europeias

empreendedorismo

ensino

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

fmi

francisco louçã

geringonça

gnr

governo

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

jugular

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário nogueira

mário soares

mba

miguel relvas

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter