Sábado, 17 de Outubro de 2015

Política, Vida ou Morte - O mundo não começa quando nascemos

Makiavel, deixou um comentário ao comentário Costa de costas às 15:35, 2015-10-16

"Não são convicções, basta ver as notícias. "o tapete tirado pelo PCP? Wishful thinking. "soprada decisão de Cavaco"? Qual? Indigitar Passos Coelho para PM? E daí? Cairá na 1ª votação. A não ser que esteja a contar com a desejada dissidência no PS para atingir a estabilidade governativa. E que estabilidade sairia disso... "maior abalo democrático desde 75"? O senhor ainda não saiu da década de 70. Arrisca-se a ficar por lá. "quem será o homem que se segue no PS"? Não sei mas parece-me que não é para já. Mais rapidamente estará Rui Rio a concorrer contra Passos no PSD. Parafraseando um escritor americano diria que o anúncio da morte política de António Costa revela-se demasiado exagerada."

Caro Makiavel,

O seu comentário enferma de vários vícios comuns que demonstram bem uma mentalidade que muitos, interessados nos seus próprios lucros imediatos, gostariam que fosse vigente. O primeiro vício, é o de que "basta ver notícias".

As "notícias" devem ser interpretadas e não aceites como factos estritos. O seu significado, relacionado aos contextos de curto e longo prazo, pode ser mais importante do que o "facto" que relatam. Ora vamos lá, a apenas uma das que menciona: "o tapete tirado pelo PCP" e já agora falamos também do BE:

- O PCP está preso à posição muitas vezes referida de saída da euro. Acha que já estão prontos para desistir dessa bandeira? É que sem saída do euro não se podem implementar as políticas defendidas no seu programa. Vão renegá-lo?

- O BE está em situação semelhante pedindo a redução da dívida em 60%. Olhe para o Syriza. Já conseguiram reduzir um cêntimo? O BE também vai renegar o seu programa?

Se ambos forem  para o governo arriscam perder a única bandeira que lhes permite implementar o que propõem. Cumprindo o Tratado Orçamental, que é como a Lei da Gravidade, o eleitorado sabe que mais despesa significa mais impostos e mais dívida. Quem ficará com o ónus eleitoral desses aumentos? - O Governo PS-BE-PCP. Acha que BE e PCP estão dispostos a pagar esse preço por uns meses, vá lá, um ano de governação? Que ganhos em votos terão o PCP e BE saindo da confortável posição de críticos da austeridade e passando a seus autores?

Agora num registo mais abstracto sobre a morte política de Costa:

Lendo 'O Príncipe' de Maquiavel, ficamos a saber que o autor procura dar instrumentos racionais de obtenção, manutenção e sobrevivência no poder. Não há apenas um, mas vários príncipes em luta constante dentro e fora dos grupos onde preponderam. Dentro dos grupos, o príncipe sabe que tem apoio condicional a prazo, enquanto proporcionar ganhos aos membros do grupo. Fora do grupo, sabe que tem adversários interessados ou não na sua morte, dependendo dos interesses de cada um em determinado momento. O equilibro do sistema é muito complexo. Maquiavel é para alguns o pai do estado moderno.

Com esse livro, escrito no séc. XVI, foi inaugurada uma racionalização da actividade política que ainda não tinha tido precedente registado. Porque foi necessário o livro? Porque havia mercado para ele? Porque a política da época já era, como a de hoje, uma selva onde se tentavam devorar mutuamente e a força das armas não era solução à qual se pudesse recorrer sempre que havia conflitos. Assim, o príncipe para sobreviver tinha forçosamente de ser racional.

Um aspecto importante dessa sobrevivência é o apoio do grupo que o suporta. Se o grupo antecipa que com esse príncipe (leia António Costa) a soma dos ganhos individuais é superior mantendo o apoio ao príncipe, então o líder mantém-se. Se essa soma antecipada for inferior, o líder é necessariamente substituído por outro capaz de assegurar maiores ganhos ou menores perdas (leia PS). Isso se os indíviduos do grupo forem racionais e fizerem bem os seus cálculos. Apesar de tudo, aposto como o PS (indivíduos) é capaz...

O momento que estamos a viver é exactamente isso: os indivíduos do PS estão a avaliar Costa para calcular o balanço de ganhos/perdas para o grupo. Como em moeda única as políticas de Costa, associado ao PCP e BE são necessariamente muito arriscadas para o sucesso do PS a prazo, o grupo treme. Mas hão-de chegar à conclusão, maioritariamente, de que Costa não serve (Lei da Gravidade, mais uma vez) para os ganhos a médio longo-prazo. O PS é, tradicionalmente, um partido de governo, autor de governação e não apenas crítico da governação. Quererá deixar de ser autor? - Risco Pasok.

Há mais dois autores importantes para entender o actual contexto de "Costa". Um é Adam Smith com 'A Riqueza das Nações', outro é David Ricardo com a Teoria da Vantagem Comparativa (Portugal até é usado como exemplo e Ricardo tinha origem judaica portuguesa).

Porque são fundamentais estes autores? Porque mostram bem o tipo de condicionantes de prosperidade que aceitámos quando aderimos ao Mercado Comum, ao Euro, e se abriram as fronteiras da globalização. Não há volta a dar, estamos num caminho muito estreito e claramente balizado, onde quer os líderes, quer os grupos, para prosperarem a prazo, têm de ser obrigatoriamente racionais. Em alternativa, líderes irrealistas, ignorando os ganhos individuais dos membros do grupo, e cheios de força, obrigam-nos a seguir outro caminho que até poderá ser em ditadura.

Agora, na lógica de Maquiavel, faça a mesma análise que fizemos ao PS, para o BE e PCP.

Afinal, estou preso no séc. XVI, no XIX, ou nos anos 70 do XX?

publicado por João Pereira da Silva às 06:45
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Os novos inquisidores, a justificar a (miserável) ...
Não, não sou tão mau, Terry. É só retórica.
Não percebo como é que leio as suas alternativas e...
http://maquinadelavax.blogspot.pt/2017/12/portrait...
Curiosamente, estes inquisidores modernos, quando ...

Arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

universidade de verão

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter