Segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Presidência de quase todos

Ao fadista Carmo foi atribuído o prémio Tacky Latino, por mor de uma carreira em que pôs a sua inimitável voz ao serviço de um estilo em que se discernem afinidades com a canção francesa e a bossa nova brasileira - como se diz aqui, em artigo escrito evidentemente por pessoa com profundos conhecimentos musicais e ouvido apuradíssimo.

 

O prémio foi comunicado pelo presidente da academia, que aproveitou para dizer "coisas lindíssimas" sobre a vida de Carmo e o trabalho de Carmo, confidenciou o próprio, que se absteve modestamente, porém, de as revelar, decerto também por estar "estarrecido" com a distinção.

 

Esta modéstia é de resto uma das marcas distintivas do grande artista, tanto que os parabéns pelo prémio são devidos, opina Carlos, não apenas a ele, mas a nós.

 

Este "nós" é abrangente mas, infelizmente, não universal: a Câmara de Lisboa promoveu uma homenagem, a imprensa delirou, os pivots da televisão pivotaram, Jerónimo e o Belenenses parabenizaram, os três ex-presidentes da Républica, Eanes, Soares e Sampaio, apressaram-se a apresentar as suas felicitações, mas o actual nada - nem uma "mensagem privada", nicles.

 

Parece que Carmo, nos intervalos de cantar, tem opiniões. E ultimamente tem abundado em coisas gravíssimas que tem dito de Cavaco, culminando nas declarações que proferiu na mesma Aula Magna em que Soares e Pacheco Pereira brilharam à altura do palco: "Nunca me passou pela cabeça, depois de 40 anos de salazarismo, levar com este homem 20 anos. Um homem que é inseguro, inculto, medroso. E não interpretem isto como uma questão pessoal, não sou dado a questões pessoais".

 

Vozes de burro, às vezes, chegam ao Céu. Porque o ponto é precisamente este: não é uma questão pessoal.

 

As opiniões políticas do fadista são tão legítimas como outras quaisquer; o direito a detestar Cavaco, as teses de Cavaco, a acção política de Cavaco e as suas gravatas; ou a amar a sua gravidade, os seus discursos, os seus silêncios, as suas acções e omissões ou os seus cortes de fato - são direitos universais, não excluem comunistas, Pacheco Pereira ou sequer um representante da extrema-direita (punha aqui um nome, se conhecesse algum).

 

Mas, se todos temos direito a pensar, e dizer, de Cavaco o que entendamos, não tem este o direito de, no exercício das suas funções de representação da grei, ter simpatias ou antipatias políticas que o levem a distribuir condecorações e felicitações unicamente a quem preencha o requisito prévio de não o hostilizar.

 

Não é que me pareça que haja escassez de medalhas ou abundância de quem as devesse receber e tenha o peito virgem; é que se na Presidência se distribuem condecorações a esmo para honrar carreiras de personalidades que se distinguiram sobretudo por terem tento na língua e flutuarem nas águas salobras da conveniência, ou se recebem futebolistas que não ganharam, nem era presumível que ganhassem, nada, então a tradição dos cumprimentos era de manter-se em relação a quem lá fora ganhou alguma coisa. A menos que este presidente tivesse quebrado essa tradição, como seria seu direito - mas sempre e desde o início do seu primeiro mandato.

publicado por José Meireles Graça às 19:00
link do post | comentar
1 comentário:
De Tiro ao Alvo a 11 de Julho de 2014 às 22:17
Para mim, este barulho todo à volta do "Tacky Latino" não passa muito de propaganda, alimentada pela malta das esquerdas. De que não gosto - nem da propaganda, nem das esquerdas.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Simples e sentido: a minha felicitacao e agradecim...
«Onze dos 24 infetados são funcionários de saúde»V...
Direi mesmo mais, senhor Pinto, é tanta a ignorânc...
Lamento a morte da rapariga, obviamente, mas se os...
É tanta a ignorância revelada pelo autor do texto,...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

comunismo

cortes

costa

crescimento

crise

crise política

cultura

daniel hannan

daniel oliveira

deficit

descubra as diferenças

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pedro passos coelho

política

portugal

ps

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter