Quinta-feira, 22 de Maio de 2014

Psico-lérias

Há uns condutores masoquistas que se deslocam voluntariamente em automóveis velhos ou com manutenção defeituosa. Não é que lhes falte o dinheiro para adquirirem novos ou para fazerem reparações, é que têm um grande amor às antiguidades, uns; e não dispõem de vagar para ir à oficina, outros. E como são todos burros de nascença, e com tais omissões e descasos poderiam pôr em risco as próprias vidas, e as de terceiros, e este grave problema já estava solucionado lá fora, o Estado resolveu há anos copiar as soluções que nações notoriamente mais adiantadas e lúcidas haviam posto em prática.

 

Daí vieram, com grande aplauso, as inspecções periódicas. Podia ter sido criado mais um serviço público, igual a tantos outros e igualmente daninho, mas a coisa deve ter sido decidida por alguém com inclinações para o mercado, a eficiência, a competitividade e assim - não há nunca falta de imaginação para embrulhar ideias parvas em roupagem moderna - pelo que os centros de inspecção são privados.

 

Foi uma corrida: quem é que não quer um negócio com clientes cativos, margens garantidas e obstáculos à entrada? E hoje o país está felizmente coberto de pavilhões onde, uma vez por ano, o condutor vai rezar para que o inútil de serviço não note a avaria que sabe perfeitamente existir, e que não corrige porque, entre outras razões, os recursos lhe são sugados para alimentar um Estado insaciável que encara o cidadão, sobretudo, como contribuinte, se este tiver algo de seu, e o automóvel como uma vaca leiteira em qualquer caso.

 

Claro que essa benemérita associação de consumidores que dá pelo nome de DECO resolveu há anos levar um veículo com avarias ocultas à inspecção, e foram muitos os centros que as não detectaram; e claro que, com o tempo, os Centros evoluíram para departamentos do Fisco, como aqui candidamente se relata: há multas para quem deixar o amarelo das matrículas desmaiar.

 

Entrou nos usos e não se discute. Se todos os centros fechassem, por a inspecção deixar de ser obrigatória, teríamos manifestações em defesa dos postos de trabalho; gente indignada nas televisões e na opinião, a defender o que imaginam ser segurança rodoviária; e técnicos a brandirem estatísticas, demonstrando que, sem inspecção, uma percentagem significativa dos condutores, afectados de pulsões suicidárias, não cuidaria dos seus veículos.

 

Pois bem: uns quantos velhos, de longe em longe, circulam na autoestrada em contramão, e nas notícias entre sorrisos de comiseração; em geral andam muito devagar; e já não é o primeiro que se esquece do chapéu, ou de mudar de velocidade.

 

Isto não pode ser. E esta senhora vê aqui uma excelente oportunidade de emprego, para ela e as ilustres colegas. Para nos sossegar, adianta que o impacto de perder a carta de condução é, no caso dos idosos "mais uma perda das muitas que vão tendo, de forma natural, ao longo da vida".

 

Já estou daqui a ver o tipo de conforto que esta doutorada pode oferecer a uma mulher que tenha perdido o marido: ai sim? Mas olhe que ele estava num caco; ou a um senhor que tenha perdido o pai velhíssimo: olhe que ele já estava todo fodido.

 

Siga. E já agora, que está com a mão na massa (enfim, quase), conviria que não esquecesse que os novos também precisam de exames da sua especialidade: não têm eles notoriamente mais acidentes, e mais graves, do que os condutores de meia-idade? E as senhoras, na crise da menopausa, não verão as suas capacidades cognitivas um tanto perturbadas, com aqueles desarranjos hormonais todos? E os senhores de meia-idade, com frequência inclinados a suprirem, com a aquisição de potentes descapotáveis, o vigor físico que vai faltando?

 

Bem vistas as coisas, além do exame médico, acaba por ser necessário o exame psicológico, para ter carta de condução. E um e outro com pequenos prazos de validade, que hoje está-se na plena posse das faculdades mentais e físicas, e amanhã concorda-se com estes disparates.  

publicado por José Meireles Graça às 00:37
link do post | comentar
2 comentários:
De Flávio Gonçalves a 27 de Maio de 2014 às 07:29
Excelente texto.
De José Meireles Graça a 27 de Maio de 2014 às 11:38
Obrigado, Flávio.

Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Quer dizer, uma incubadora de comunista malvistas ...
Tem razão, esse caso ilustra o ponto muito bem. O ...
Concordo que seja um bocado intangível, mas ocorre...
José, creio estar a reconher esse texto, salvo err...
"Essa perplexidade aumenta muito ao saber-se que a...

Arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

adse

ambiente

antónio barreto

antónio costa

arquitectura

atentado

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

catarina martins

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

educação

eleições autárquicas

ensino

esquerda

estado social

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

malomil

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

nicolau santos

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

política

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

salário mínimo

sampaio da nóvoa

saúde

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

troika

ue

união europeia

urbanismo

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds

Sitemeter